Interpretação simultânea e o uso de estratégias e táticas no par linguístico inglês-português brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v39-2023-07

Palavras-chave:

Estudos Cognitivos da Interpretação, Interpretação simultânea, Estratégias de interpretação, Táticas de interpretação, Normas de interpretação

Resumo

Esta pesquisa investigou o uso de estratégias e táticas de interpretação no par linguístico inglês-português brasileiro por estudantes de tradução da Universidade Federal de Uberlândia (Brasil). Seu objetivo foi identificar a frequência, o impacto cognitivo e as normas subjacentes a esse uso. Para isso, os participantes do estudo realizaram uma tarefa de interpretação simultânea de inglês para português brasileiro, suas sessões de interpretação foram gravadas e transcritas, e os dados foram analisados sob uma perspectiva cognitiva tanto do processo quanto do produto. Os resultados indicaram que foram empregadas táticas, não estratégias (GILE, 2009). Também se observou que: 1) as táticas mais utilizadas foram omissão, segmentação, transformação morfossintática e transcodificação; 2) a maioria das táticas estava relacionada ao esforço cognitivo despendido pelos estudantes; 3) e a maioria das táticas estava relacionada às normas de interpretação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cecília Franco Morais, Universidade Federal de Uberlândia

Doutoranda e mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística (PPGEL) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Tradutora profissional graduada pelo curso de Tradução da UFU. Professora de inglês graduada pelo curso de Letras da UFU. cecilia.fm.04@gmail.com

Igor Antônio Lourenço da Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Professor adjunto do curso de Tradução do Instituto de Letras e Linguística (ILEEL) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFU). É membro permanente do Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos (PPGEL). É também membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos (POSLIN), da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), e pesquisador associado do Laboratório Experimental em Tradução (LETRA/UFMG). Faz parte da rede internacional de pesquisadores TREC (Translation, Research, Empiricism and Cognition). Tem experiência como tradutor inglês-português-inglês e revisor, principalmente na área acadêmica, nos campos da linguística, medicina, administração e contabilidade. É autor de artigos científicos e capítulos de livros publicados no Brasil e no exterior. É editor da Revista Letras & Letras e tutor da empresa júnior Babel Traduções.

Referências

AHRENS, B. Non-verbal phenomena in simultaneous interpreting: causes and functions. In: CLAIMS, CHANGES AND CHALLENGES IN TRANSATION STUDIES, 2001, Copenhagen. Anais [...]. Amsterdam: John Benjamins, 2004. p. 227–237. DOI 10.1075/btl.50.19ahr.

ALVES, F.; DA SILVA, I. A. L. Bridging paradigms to approach expertise in Cognitive Translation Studies. In: MUÑOZ MARTÍN, R.; SAN, S.; LI, D. (Ed.). Advances in Cognitive Translation Studies. Berlin: Springer, 2021a. p. 89–108. DOI 10.1007/978-981-16-2070-6_5.

ALVES, F.; DA SILVA, I. A. L. Looking back to move forward: towards a situated, distributed, and extended account of expertise. In: HALVERSON, S. L.; GARCÍA, Á. M. (ed.). Contesting Epistemologies in Cognitive Translation and Interpreting Studies. New York: Routledge, 2021b. p. 153–175. DOI 10.4324/9781003125792.

ARAÚJO, D. de V.; Os cursos de formação de intérpretes no Brasil e as melhores práticas da Associação Internacional de Intérpretes de Conferência: um caminho para a profissionalização. 2017. 151 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

BARAKAT, E. The strategic behavior of undergraduate students in simultaneous interpreting. Journal of Social Studies, v. 24, n. 3, p. 113–137, 2018. DOI 10.20428/JSS.24.3.5.

BARTŁOMIEJCZYK, M. Strategies of simultaneous interpreting and directionality. Interpreting, v. 8, n.. 2, p. 149–174, 2006. DOI 10.1075/intp.8.2.03bar.

CHESTERMAN, A. Memes of Translation: the spread of ideas in Translation theory. Amsterdam: John Benjamins, 1997. DOI 10.1075/btl.22.

DA SILVA, I. (Des)compactação de significados e esforço cognitivo no processo tradutório: um estudo da metáfora gramatical na construção do texto traduzido. 2012. 277 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

DONATO, V. Strategies adopted by student interpreters in SI: a comparison between the English-Italian and the German-Italian language-pairs. The Interpreters’ Newsletter, v. 1, n.. 12, p. 101–134, 2003.

FISKE, S. T.; TAYLOR, S. E. Social cognition. Addison-Wesley: Reading, 1984.

GARCÍA, A. M. The neurocognition of translation and interpreting. Amsterdam: John Benjamins, 2019.

García, A. M., Munõz. E. (2019). Translation, neuroscience and cognition. In: ALVES, F.; JAKOBSEN, A. L. (ed.). The Routledge handbook of translation and cognition. New York: Routledge, 2021. p. 239-259.

GARZONE, G. Quality and norms in interpretation. In: INTERPRETING IN THE 21ST CENTURY: challenges and opportunities, 9–11 nov. 2000. Anais [...]. Amsterdam: John Benjamins, 2002. p. 107–119. DOI 10.1075/btl.43.11gar.

GILE, D. 2020 update of the Effort Models and Gravitational Model. 2020. DOI 10.13140/RG.2.2.24895.94889. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/ 344204364. Acesso em: 10 maio 2021.

GILE, D. Basic concepts and models for interpreter and translator training. Amsterdam: John Benjamins, 2009. DOI 10.1075/btl.8.

GILE, D. Testing the Effort Models’ tightrope hypothesis in simultaneous interpreting – A contribution. HERMES, v. 12, n. 23, p. 153–172, 1999. DOI 10.7146/hjlcb.v12i23.25553.

GILE, D.; LEI, V. Translation, effort and cognition. In: ALVES, F.; JAKOBSEN, A. L. (ed.). The Routledge Handbook of Translation and Cognition. London: Routledge, 2021. p. 263–278. DOI 10.4324/9781315178127-18.

GOLDMAN-EISLER, F. Segmentation of input in simultaneous translation. Journal of Psycholinguistic Research, v. 1, n. 2, p. 127–140, 1972. DOI 10.1007/BF01068102.

HAN, C.; CHEN, S. Strategy use in English-to-Chinese simultaneous interpreting. FORUM, v. 14, n. 2, p. 173–193, 2016. DOI 10.1075/forum.14.2.01han.

KADER, S.; SEUBERT, S. Anticipation, segmentation... stalling?: How to teach interpreting strategies. In: ANDRES, D.; BEHR, M. (Ed.). To know how to suggest: approaches to teaching conference interpreting. Berlin: Frank & Timme, 2014. p. 125–144.

KALINA, S. Quality assurance for interpreting processes. Meta, v. 50, n. 2, p. 768–784, 2005. DOI 10.7202/011017ar.

KALINA, S. Strategies. In: PÖCHHACKER, F.; GRBIC, N.; MEAD, P.; SETTON, R. (ed.). Routledge encyclopedia of Interpreting Studies. London: Routledge, 2015. p. 402–405.

KALINA, S. Strategische prozesse beim dolmetschen: theoretische grundlagen, empirische fallstudien, didaktische konsequenzen. Tübingen: Gunter Narr, 1998.

KIRCHHOFF, H. Simultaneous interpreting: interdependence of variables in the interpreting process, interpreting models and interpreting strategies. In: PÖCHHACKER, F.; SHLESINGER, M. (ed.). The Interpreting Studies reader. London: Routledge, 2002. p. 110–119.

KOHN, K. Translation as conflict. In: CONFLI(C)T, 2–4 jun. 1988, Brussels. Anais [...]. Brussels: Association Belge de Linguistique Appliquée, 1990. p. 105–113.

LI, X. Are interpreting strategies teachable?: Correlating trainees’ strategy use with trainers’ training in the consecutive interpreting classroom. The Interpreters’ Newsletter, v. 1, n. 13, p. 105–128, 2013.

LI, X. Putting interpreting strategies in their place: Justifications for teaching strategies in interpreter training. Babel, v. 61, n. 2, p. 170–192, 2015. DOI 10.1075/babel.61.2.02li.

LIONTOU, K. Strategies in German-to-Greek simultaneous interpreting: A corpus-based approach. Gramma, v. 19, n. 1, p. 37–56, 2011. DOI 10.26262/GRAMMA.V19I0.6325.

MARTELLINI, S. Prosody in simultaneous interpretation: A case study for the German-Italian language pair. The Interpreters’ Newsletter, v. 1, n. 18, p. 61–79, 2013.

MORAIS, C. F. The influence of domain knowledge on simultaneous interpreting tasks performed by students: an exploratory study of the interpreting process. 2018. 84 f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Tradução) – Instituto de Letras e Linguística, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/21876. Acesso em: 11 nov. 2021.

MORAIS, C. F. Use of strategies in English-Brazilian Portuguese simultaneous interpreting by undergraduate students: an exploratory study of the interpreting process. 2021. 131 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Mestrado em Estudos Linguísticos, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2021. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/34980. Acesso em: 18 abr. 2023.

MORAIS, C. F.; da SILVA, I. A. L. Simultaneous interpreting strategies across Brazilian students. In: LINCOG, 4., 2022, Macau. Anais [...]. Macau: Universidade Politécnica de Macau, 2022. Tema: Cognição, língua, cultura e tradução: um diálogo sem fronteiras e interdisciplinar. p. 250-279. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/366733275_Simultaneous _interpreting_strategies_across_Brazilian_students. Acesso em: 18 abr. 2023.

NIEMANTS, N. S. A. The transcription of interpreting data. Interpreting, v. 14, n. 2, p. 165–191, 2012. DOI 10.1075/intp.14.2.03nie.

PÖCHHACKER, F. Introducing Interpreting Studies. London: Routledge, 2004. DOI 10.4324/9780203504802.

RICCARDI, A. On the evolution of interpreting strategies in simultaneous interpreting. Meta, v. 50, n. 2, p. 753–767, 2005. DOI 10.7202/011016ar.

SCHJOLDAGER, A. An exploratory study of translational norms in simultaneous interpreting: Methodological reflections. HERMES, v. 8, n. 14, p. 65, 1995. DOI 10.7146/hjlcb.v8i14.25096.

SEEBER, K. G. Cognitive approaches. In: PÖCHHACKER, F.; GRBIC, N.; MEAD, P.; SETTON, R. (ed.). Routledge encyclopedia of Interpreting Studies. London: Routledge, 2015. p. 56–60.

SHLESINGER, M. Extending the theory of Translation to Interpretation: Norms as a case in point. Target, v. 1, n. 1, p. 111–115, 1989. DOI 10.1075/target.1.1.09shl.

TOURY, G. Descriptive Translation Studies – and beyond. Edição revisada. Amsterdam: John Benjamins, 2012.

TOURY, G. In search of a theory of translation. Tel Aviv: Porter Institute for Poetics and Semiotics, 1980.

WANG, B. A descriptive study of norms in interpreting: Based on the Chinese-English consecutive interpreting corpus of Chinese premier press conferences. Meta, v. 57, n. 1, p. 198–212, 2012. DOI 10.7202/1012749ar.

WU, Y.; LIAO, P. Re-conceptualising interpreting strategies for teaching interpretation into a B language. The Interpreter and Translator Trainer, v. 12, n. 2, p. 188–206, 2018. DOI 10.1080/1750399X.2018.1451952.

Downloads

Publicado

2023-05-27

Como Citar

MORAIS, C. F.; DA SILVA, I. A. L. Interpretação simultânea e o uso de estratégias e táticas no par linguístico inglês-português brasileiro. Letras & Letras, Uberlândia, v. 39, n. único, p. e3907 | p. 1–23, 2023. DOI: 10.14393/LL63-v39-2023-07. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/68418. Acesso em: 27 maio. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>