Trabalho de interpretação simultânea em equipe no Brasil

Uma análise preliminar do perfil e concepções de Tilsp

Autores

  • Johnny César dos Santos Universidade Federal de Ouro Preto
  • José Luiz Vila Real Gonçalves Universidade Federal de Ouro Preto https://orcid.org/0000-0002-4669-2677
  • Norma Barbosa de Lima Fonseca Colégio Militar de Belo Horizonte

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v37n2-2021-12

Palavras-chave:

Tradução e interpretação de Libras, Perfil sociodemográfico e linguístico de TILSP, Interpretação individual, Interpretação em equipe, Concepções sobre trabalho em equipe

Resumo

Neste estudo abordamos a temática da Interpretação Simultânea em Equipe a partir de uma análise de perfil sociodemográfico e linguístico de Tradutores e Intérpretes de Libras-Português (TILSP) atuantes em diversas instituições de ensino brasileiras. A partir dessa análise, constatamos uma progressiva mudança do perfil formativo dos TILSP. Foi possível discutir também a abordagem da temática da Interpretação Simultânea em Equipe com base nos modelos de interpretação em equipe de Hoza (2010) e nos estudos de Brück (2011) e Nogueira (2016). Problematizamos questões relacionadas à preferência, ao conhecimento e à formação de TILSP no que se refere a esse tipo de atuação. Propomos, então, reflexões sobre a necessidade de ampliar a abordagem às questões voltadas para a Interpretação Simultânea em Equipe e a inclusão delas em cursos de formação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Johnny César dos Santos, Universidade Federal de Ouro Preto

Mestre em Letras pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Professor de Libras do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais (IFSULDDEMINAS).

José Luiz Vila Real Gonçalves, Universidade Federal de Ouro Preto

Doutor em Linguística Aplicada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professor Associado da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

Norma Barbosa de Lima Fonseca, Colégio Militar de Belo Horizonte

Residente pós-doutoral em Estudos Linguísticos na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Pós-doutora em Letras pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Mestre e doutora pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professora no Colégio Militar de Belo Horizonte (CMBH)

Referências

ASSIS SILVA, C. Cultura Surda: agentes religiosos e a construção de uma identidade. São Paulo: Terceiro Nome, 2012.
AUTOR 1. (em andamento).
BRASIL, Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Portal da Legislação, Brasília. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004/2006/2005/decreto/d5626.htm> Acesso em: junho de 2020
BRASIL, Lei n.10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Portal da Legislação, Brasília. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm> Acesso em: junho de 2020.
BRASIL. Lei n. 12.319, de 01 de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS. Portal da Legislação, Brasília Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20072010/2010/lei/l12319.htm> Acesso em: junho de 2020.
BRÜCK, P. Austrian Perspectives of Team Interpreting: The Views of Deaf University Students and their Sing Language Interpreters. University of Applied Sciences Magdeburg-Stendal. 2011.: Disponível em: http://www.academia.edu/8603248/Austrian_Perspectives_of_Team_InterpretingThe_Views_of_Deaf_University_Students_and_their_Sign_Language_Intérpreters. Acesso em: 26 de jan de 2019.
CRUZ, R. M. H. Conflitos Éticos na Atuação do Tradutor Intérprete de Libras. Revista Virtual de Cultura Surda, Editora Arara Azul, n. 17, 2016.
GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.
HOZA, J. Team Interpreting. Alexandria: Rid Press 2010. 214 p.
LACERDA, C. B. F. de; GURGEL, T. M. A. Perfil de tradutores-intérpretes de Libras (TILS) que atuam no ensino superior no Brasil. Rev. bras. educ. espec. [online]. 2011, vol.17, n.3, pp. 481-496. ISSN 1413-6538. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141365382011000300009&script=sci_abstract&tlng=pt.Acesso em: 15 abril. 2020.
LACERDA, C. B. F. Intérprete de libras em atuação na educação infantil e no ensino fundamental. Porto Alegre: Mediação, 2009.
LEITE, E. M. C. Os papéis dos intérpretes de LIBRAS na sala de aula inclusiva. 2004. 182f. Dissertação (Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.
MARTINS, V. R. O.; NASCIMENTO, V. Da formação comunitária à formação universitária (e vice e versa): novo perfil dos tradutores e intérpretes de língua de sinais no contexto brasileiro. Cadernos de Tradução, v.35, n. especial 2, p.78-112, 2015.
NAPIER, J.; McKEE, R.; GOSWELL, D. Sign Language interpreting: Theory and practice in Australian and New Zeland. The Federation Press, 2006.
NOGUEIRA, T. C. Intérpretes de Libras-português no contexto de conferência: Uma descrição do trabalho em equipe e as formas de apoio na cabine. Florianópolis, SC. 2016. 213 p.
NOGUEIRA, T. C.; GESSER, Audrei. “As pessoas não sabem o significado de apoio”: percepções e competências no trabalho em equipe na cabine de interpretação libras-português em contexto de conferência. Translatio, Porto Alegre, v. 1, n. 15, p. 122-158, jun. 2018. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/translatio/article/view/84221/48578. Acesso em: 08 fev. 2020.
OLIVEIRA, P. Z. L. V. Uma análise de perfis de competência tradutória e sua influência sobre o processo de tradução no par linguístico Libras-português. 2019. 150 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2019.
PAGURA, R. A interpretação de conferências: interfaces com a tradução escrita e implicações para a formação de intérpretes e tradutores. Revista DELTA [online]. 2003, vol.19, n.spe, p. 209-236.
QUADROS, R. M. de. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Brasília: MEC; SEESP; Programa Nacional de Apoio a Educação de Surdos, 2004. 94 p.
RODRIGUES, C.H. A interpretação para a Língua de Sinais Brasileira: efeitos de modalidade e processos inferenciais. Belo Horizonte: UFMG - 2013. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada).
ROSA, A. Entre a visibilidade da tradução da Língua de Sinais e a invisibilidade da tarefa do intérprete. Dissertação de Mestrado: Universidade Estadual de Campinas, 2005.
SANTOS, S. A. dos. Intérpretes de língua de sinais: um estudo sobre as identidades. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Santa Catarina, 2006.
SILVA, D; FERNANDES, S. F. O tradutor intérprete de língua de sinais (TILS) e a política nacional de educação inclusiva em contextos bilíngues para surdos: um estudo da realidade da rede pública estadual paranaense. Revista Educação Especial, Santa Maria, p. 35-50, mar. 2018. ISSN 1984-686X. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/24814>. Acesso em: 27 maio 2020.
SOUZA, L. C. da S. A construção do ethos dos tradutores e intérpretes de língua brasileira de sinais e português: concepções sobre a profissão. - Rio de Janeiro: UFRJ, Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) 2014.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

SANTOS, J. C. dos; GONÇALVES, J. L. V. R.; FONSECA, N. B. de L. Trabalho de interpretação simultânea em equipe no Brasil: Uma análise preliminar do perfil e concepções de Tilsp. Letras & Letras, [S. l.], v. 37, n. 2, p. 221–251, 2021. DOI: 10.14393/LL63-v37n2-2021-12. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/56991. Acesso em: 16 ago. 2022.