APLICAÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS MULTIVARIADAS COMO SUBSÍDIO À COMPARTIMENTAÇÃO FISIOGRÁFICA

Conteúdo do artigo principal

Mirley Ribeiro Moreira
Paulina Setti Riedel
Paulo Milton Barbosa Landim

Resumo

As imagens de satélite, por serem um registro de alvos com diferentes comportamentos espectrais e diferentes arranjos espaciais, respondem com variações tonais de cinza e variações texturais. Esta variação textural é analisada normalmente através de interpretação visual, que é uma sistematização de várias técnicas, as quais convergem para um único objetivo, a compartimentação da imagem. Em geral, a textura é usada como uma ferramenta importante na interpretação de formas do relevo, drenagem e de padrões da cobertura vegetal e de uso da terra. Com a aplicação de análises estatísticas multivariadas, como subsidiária na redução do caráter subjetivo da análise textural e da correspondência entre zonas homólogas, é possível favorecer a discriminação de elementos diferentes em uma imagem. Estes métodos podem ajudar encontrar um modelo que possibilite explicar mais satisfatoriamente a compartimentação e a relação de equivalência entre zonas que constituem texturas semelhantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
MOREIRA, M. R.; RIEDEL, P. S.; LANDIM, P. M. B. APLICAÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS MULTIVARIADAS COMO SUBSÍDIO À COMPARTIMENTAÇÃO FISIOGRÁFICA. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 60, n. 4, 2009. DOI: 10.14393/rbcv60n4-44860. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/44860. Acesso em: 28 maio. 2024.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Mirley Ribeiro Moreira, UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Instituto de Geociências e Ciências Exatas Licenciada em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia UFU no ano de 1996, Bacharel em Geografia no ano de 1999; pela mesma Instituição. Bolsista de Aperfeiçoamento do CNPq no ano de 1999. Obteve o título de Mestre em Geociências e Meio ambiente pela Universidade Estadual Paulista Campus Rio Claro no ano de 2003. Doutora em Geociências e Meio Ambiente UNESP /Campus de Rio Claro, no ano de 2008. Tem experiência em geoprocessamento, processamento digital de imagens, fotointerpretação, cartografia digital e interativa, educação digital.

Paulina Setti Riedel, UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Instituto de Geociências e Ciências Exatas possui graduação em Geologia pela Universidade de São Paulo , mestrado em Sensoriamento Remoto pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), doutorado em Geotecnia pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC- USP) e livre docência em Geoprocessamento pela Universidade Estadual Paulista ( UNESP). Atualmente é docente do Departamento de Geologia Aplicada da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), no Câmpus de Rio Claro. Tem experiência na área de Geologia de Engenharia e Ambiental , com ênfase em Geoprocessamento da Informação Espacial e Sensoriamento Remoto.

Paulo Milton Barbosa Landim, UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Instituto de Geociências e Ciências Exatas PAULO MILTON BARBOSA LANDIM, FORMADO EM GEOLOGIA PELA UNIVERSIDADE DE S

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>