O branding do e-commerce

os papeis onomínico, semiótico e psicossocial na construção da identidade pós 4.0 - caso Magalu

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex12-v6n2a2021-2

Palavras-chave:

Magazine Luiza/ Magalu, Onomástica, Identidade, Semiótica

Resumo

Este estudo transdisciplinar focaliza a gestão da marca (branding) Magazine Luiza/Magalu a partir de uma revisitação histórica: da origem da empresa ao paradigma pandêmico associado à Covid-19. Propomos um diálogo com a área da Publicidade pela ótica da Onomástica – estudo dos nomes próprios, bem como nos apoiamos nos estudos semióticos e da identidade quanto à interpretação do signo publicitário e das estratégias de consolidação de marcas. Com base na relação entre a construção identitária da marca Magalu e as questões onomínicas e semióticas envoltas em tal processo subjetivo, perguntamos qual mensagem emotiva advém da mudança gradual do nome da marca (oniônimo) de Magazine Luiza para Magalu e quais são – se presentes – as relações desse fenômeno ao aperfeiçoamento digital e à humanização da personagem Lu: ícone da empresa. Quanto à análise interpretativista dos significados fenomenológicos, a hipocorização presente no novo oniônimo (nome comercial) e a interação sociodigital intimista empreendida pela personagem Lu mostraram agregar afetividade ao signo sociocultural da empresa, tal qual propor indícios da possibilidade de ascensão de uma nova identidade publicitária, a que chamamos “pós 4.0”: marcada pelo devir identitário oriundo da horizontalização das marcas e das infiltrações do meio digital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Kristensen de Camargo, UNIOESTE

Mestra em Letras pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste). Doutoranda em Letras pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste).

Tainara Marcon Fante, UNIPAR

Graduada em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda, pelo Centro Universitário Fundação Assis Gurgacz. Especialista em Gestão Estratégica e Negócios, pela Universidade Paranaense (Unipar).

Márcia Sipavicius Seide, UNIOESTE

Doutora em Filologia e Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo. Professora associada da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste).

Referências

ALMEIDA, A. de. Entenda como o Magazine Luiza consegue crescer em meio à pandemia. Diário do Comércio. São Paulo, 2020. Disponível em https://dcomercio.com.br/categoria/negocios/entenda-como-o-magazine-luiza-consegue-crescer-em-meio-a-pandemia#:~:text=A%20empresa%20tamb%C3%A9m%20criou%20o,comiss%C3%B5es%E2%80%9D%2C%20afirmou%20Luiza%20Helena. Acesso em: 28 abr. 2021

AMARAL, E. T. R.; SEIDE, M. S. Nomes próprios de pessoa: introdução à antroponímia brasileira. São Paulo: Blucher, 2020. Disponível em: https://www.blucher.com.br/livro/detalhes/nomes-proprios-de-pessoa-introducao-a-antroponimia-brasileira-1614. Acesso em: 28 abr. 2021. DOI https://doi.org/10.5151/9786555500011

BEZERRA, D. M. O significante em Lacan e a contribuição para uma história da loucura. Anais [...]. Rio de Janeiro, Niterói. Universidade Federal Fluminense. XVIII Encontro de História da Anpuh-Rio: História e Parcerias, 2018. Disponível em: https://www.encontro2018.rj.anpuh.org/resources/anais/8/1529341953_ARQUIVO_ANPUHtexto2018.pdf. Acesso em: 28 abr. 2021.

BITTENCOURT, R. A fixação das crenças à luz da dialogia semiótica de Charles Sanders Peirce. Dissertação. (Mestrado em Filosofia). Pontifícia Universidade de São Paulo. São Paulo – São Paulo, 2014. Disponível em: https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/11649. Acesso em: 28 abr. 2021.

CLIFTON, R. et al. Brands and Branding. New York: Bloomberg Press, 2003.

BRITO, C. Hipocorístico: um identificador ou apenas um tratamento carinhoso? In: VII Congresso Nacional de Lingüística e Filologia. Anais [...].Rio de Janeiro, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 2003. http://www.filologia.org.br/viicnlf/anais/caderno06-09.html. Acesso em: 28 abr. 2021.

BRITO, A. N. Nomes próprios semântica e ontologia. Brasília: Editora UnB, 2003.

CONTRERAS, M. R. Acercamiento onomástico al nombre de las bandas de Heavy Metal: Onomastic approach to the name of Heavy Metal bands. ODAL. n. 3, v. 2, 2020. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/onomastica/article/view/26062. Acesso em: 28 abr. 2021. DOI https://doi.org/10.48075/odal.v0i0.26062

CUCOLO, E.; MOURA, J. Quase 60% dos consumidores tem adiado compras por causa da pandemia. Folha. São Paulo, 2020. Mercado. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/10/quase-60-dos-consumidores-tem-adiado-compras-por-causa-da-pandemia.shtml. Acesso em: 28 abr. 2021.

DAUZAT, A. Les noms de personnes; origine et évolution, prénoms – noms de famille – surnoms – psedonomes. Paris: Dalagrave, 1950.

DELEUZE, G. Diferença e repetição. São Paulo: Graal, 1968.

FIGARO, R. Relações de comunicação no mundo do trabalho e a comunicação das organizações. In: KUNSCH, M. A comunicação como fator humano nas organizações. São Caetano do Sul, SP: Difusão editora, 2010.

FILIPPE, M. Com aquisições, Magalu monta ecossistema estilo Alibaba e Amazon. Exame. 2020. Disponível em: https://exame.com/negocios/com-aquisicoes-magalu-monta-ecossistema-estilo-alibaba-e-amazon/. Acesso em: 28 abr. 2021.

FILIPPE, M. Lu, da Magalu, chega ao Tik Tok, aparece como nunca antes e faz desafios. Exame. 2020. Disponível em: https://exame.com/marketing/lu-da-magalu-chega-ao-tiktok-aparece-como-nunca-antes-e-faz-desafios/. Acesso em : 28 abr. 2021.

FREUD, S. O eu e o id. Obras Completas Vol. 16, Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

GUÉRIOS, R. F. M. Dicionário etimológico de nomes e sobrenomes. São Paulo: Editora Ave Maria, 1973.

GREIMAS, A. J. Semântica Estrutural. Trad. Haquira Osakabe e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix / EDUSP. 1973.

GUIRAUD, P. A semântica. Rio de Janeiro: DIFEL, 1980.

HASMANN, D. S; CAMARGO, D. C. de; ORENHA OTTAIANO, A. Investigando a tradução de acrônimos e siglas da área de sensoriamento remoto. Cadernos de Letras da UFF - Dossiê: Tradução v. 24, n. 48, 2014. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/122333. Acesso em: 28 abr. 2021. DOI https://doi.org/10.22409/cadletrasuff.2014n48a122

INSTAGRAM: Magazine Luiza: Lu do Magalu. il. Disponível em: https://www.instagram.com/p/CNqwSdfpcYW/. Acesso em 28 abr. 2021.

INSTAGRAM: Magazine Luiza: Lu do Magalu. il. Disponível em: https://www.instagram.com/p/CIYAL2ypPsh/. Acesso em: 28 abr. 2021.

KOTLER, P. Marketing 4.0: do tradicional ao digital. Rio de Janeiro: Sextante, 2017.

KRIPKE, S. A. Naming and necessity. 2 ed. Cambridge, Massachussetts: Havard University Press, 1980.

LACAN, J. Escritos. RJ: Jorge Zahar Editor, 1998.

LASKOWSKI, K. A. Women's Post-Marital Name Retention and the Communication of Identity. A Journal of Onomastics, v. 58, 2010. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1179/002777310X12682237915025. Acesso em: 28 abr. 2021. DOI https://doi.org/10.1179/002777310X12682237915025

MARIANI, B. Nome próprio e constituição do sujeito. Letras, Santa Maria, v. 24, n. 48, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/letras/article/view/14428. Acesso em: 28 abr. 2021. DOI https://doi.org/10.5902/2176148514428

MATTOS, A. Cresce o uso da marca Magalu, o apelido do Magazine Luiza. Valor Econômico, São Paulo, set. 2019. Disponível em: https://valor.globo.com/empresas/noticia/2019/09/24/cresce-o-uso-da-marca-magalu-o-apelido-do-magazine-luiza.ghtml. Acesso em: abr. 2021.

Mercado e Consumo. Lu do Magalu responde dúvidas, resolve problemas e não para de aprender. Redação, mar. 2021. Disponível em: https://mercadoeconsumo.com.br/2021/03/29/lu-do-magalu-responde-duvidas-resolve-problemas-e-nao-para-de-aprender/. Aceso em: 28 abr. 2021.

PEIRCE, C. S. Semiótica. 3. Ed. São Paulo: Perspectiva, 2000.

PEREZ, D. N. A identificação, o sujeito e a realidade. Uma abordagem entre a filosofia kantiana e a psicanálise freudiano-lacaniana. Revista Sofia. Campinas, v. 5, n. 2, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/index.php/sofia/article/view/13965. Acesso em: 28 abr. 2021.

PINTO, M. R.; SANTOS, L. L. S. Em busca de uma trilha interpretativista para a pesquisa do consumidor: uma proposta baseada na fenomenologia, na etnografia e na grounded theory. RAE. [online]. v. 7, n. 2, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1676-56482008000200009&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 28 abr. 2021. DOI https://doi.org/10.1590/S1676-56482008000200009

RIES, A.; TROUT, J. Posicionamento: a Batalha por sua Mente 2009 - São Paulo - M. Books do Brasil Ltda. Disponível em: https://www.sicoobcopermec.com.br/painel/conteudo/dados/arquivos/2020-07/posicionamento-al-ries-jack-trout-victor-magalhaes-16072020-191613.pdf. Acesso em: 28 abr. 2021.

ROGERS, D. Transformação Digital: repensando o seu negócio para a era digital. São Paulo: Autêntica Business, 2019.

SANTAELLA, L. Semiótica aplicada. São Paulo, Cengage Learning, 2018.

SANTOS, S. M. C; SANTOS, C. A. N. O Glamour da/na Língua: estilização ortográfica na onomástica comercial do sertão nordestino. Papeis, v. 24, 2020.

SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. São Paulo: Cultrix, [1916] 1973.

SCOGNAMIGLIO, H. Transformação digital acelerada durante a pandemia terá mais investimentos, dizem executivos. Estadão, São Paulo. 02 out. 2020. Economia e Governança. Disponível em: https://economia.estadao.com.br/noticias/governanca,transformacao-digital-acelerada-durante-a-pandemia-tera-mais-investimentos-dizem-executivos,70003461311. Acesso em: 28 abr. 2020.

SEIDE, M. S.; LUCAS, P. Toponomástica e antroponomástica: paradigmas e métodos. Confluência, 2013. Disponível em: http://llp.bibliopolis.info/confluencia/wp/?cat=32. Acesso em: 28 abr. 2021.

SECIUIK, D. Magalu oferece até crédito rural e mira na diversificação para crescer online. Gazeta do Povo. 2021. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/economia/magalu-mira-diversificacao-para-crescer-no-online/#:~:text=%22A%20pandemia%20acelerou%20o%20processo,no%20ano%20passado%20foram%20online. Acesso em: 28 abr. 2021.

SOUZA, A. J. Criação lexical em textos publicitários: análise de oniônimos. Dissertação. (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais. Minas Gerais – Belo Horizonte, 2021. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/31678. Acesso em: 28 abr. 2021.

STRUNCK, G. Como Criar Identidades Visuais Para Marcas de Sucesso. Rio de Janeiro: Rio Books, 2012.

VAN LANGENDONK, W. Theory and Typology of proper names. Mouton de Gruyter, 2007. DOI https://doi.org/10.1515/9783110197853

VIEIRA, Z. P. O reflexo da memória social na toponímia: o espontâneo e o popular. Dis¬ponível em: http://www.filologia.org.br/vcnlf/anais%20v/civ2_13.htm. Acesso em: 25 mai. 2021.

WHEELER, A. Design de Identidade da marca. Porto Alegre: Bookman, 2012.

Downloads

Publicado

29-07-2021

Como Citar

Camargo, A. K. de, Fante, T. M., & Seide, M. S. (2021). O branding do e-commerce: os papeis onomínico, semiótico e psicossocial na construção da identidade pós 4.0 - caso Magalu. Revista GTLex, 6(2), 395–420. https://doi.org/10.14393/Lex12-v6n2a2021-2