Onomástica Ficcional

status quo no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex5-v3n1a2017-7

Palavras-chave:

Onomástica Literária, Onomástica Ficcional, Léxico

Resumo

Este artigo busca descrever o contexto atual das pesquisas em Onomástica Ficcional no Brasil, bem como ilustrar corpus inexplorados que seriam gratos à pesquisa contemporânea na área. Considerando as pesquisas do Léxico, a Onomástica Literária (ou Onomástica Ficcional) nos domínios científicos luso-brasileiros, ainda é uma disciplina em ascensão, cujos pressupostos teóricos – transformados ao longo de sua origem – precisam ser revisitados, restabelecidos e constantemente aplicados em corpus de linguagens ficcionais diversificadas. De acordo com Altman (1981), a Onomástica Literária seria uma especificidade do Criticismo concentrada nos níveis de significação do nome na Literatura; passados quase quarenta anos, Eckert e Röhrig (2018) e Camargo (2018) têm demonstrado em solos brasileiros que a Onomástica Literária não apenas auxilia na Análise Literária como possibilita meios de comparação da função e status do signo onomástico em sociedade e nas mais diversas linguagens ficcionais, contribuindo, pois, para a percepção de fenômenos sócio-onomásticos, estético-ficcionais e identitários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALTMAN, G. A. Literary onomastics typology: analytic guidelines to literary onomastics studies. Literary onomastics studies, v. 8, n. 21, 1981. Disponível em: https://digitalcommons.brockport.edu/los/vol8/iss1/21/. Acesso em: 10 mai. 2019.

BREMER, D. Onomàstica i cultura. Elsnoms en la vida quotidiana. Actes del XXIV Congrés Internacional d’ICOS sobre CiènciesOnomàstiques. AnnexSecció, p. 109-113, 2014.

CAMARGO, A. K. A influência do contexto na identidade dos personagens de Ensaio sobre a cegueira, de Saramago. 2015. 1 CD-ROM. Trabalho de conclusão de curso (bacharelado - Letras) - Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências e Letras (Campus de Araraquara), 2015. Disponível em:

http://hdl.handle.net/11449/139089. Acesso em: 10 mai. 2019.

CAMARGO, A. K. Nomes próprios no romance contemporâneo “O berro do cordeiro em Nova York”: um estudo onomástico exploratório. 2018. 159 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel. Disponível em: http://tede.unioeste.br/handle/tede/4104. Acesso em: 10 mai. 2019.

CAMPOS, R. M. G. Uma poética da homonímia: o problema do nome próprio em Machado de Assis. 2014. 437 f. Tese (Doutorado em História Social) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Faculdade de História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.icosbibliography.net/files/1387/CAMPOS_problemadonomepróprioemMa chadoDeAssis2014.pdf. Acesso em: 10 mai. 2019.

EKCERT, K.; RÖHRIG, M. Antroponímia ficcional: o caso de Ubirajara, de José de Alencar. Gtlex, v. 2, n. 1, jul./dez. 2016. DOI https://doi.org/10.14393/Lex3-v2n1a2016-7. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/GTLex/article/view/37831. Acesso em: 10 mai. 2019.

EKCERT, K.; RÖHRIG, M. Onomástica literária em Graciliano Ramos: os nomes dos personagens de Vidas Secas e de São Bernardo. Revista de estudos da linguagem, v. 26, n. 3, p. 1277-1294, 2018. DOI https://doi.org/10.17851/2237-2083.26.3.1277-1294. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/12826. Acesso em: 10 mai. 2019.

FREIRE, R. O milagre. In: FREIRE, R. Travesti. São Paulo: Edições Símbolo, 1978. p. 13-90.

GUÉRIOS, M. Dicionário etimológico de nomes e sobrenomes. São Paulo: Editora Ave Maria, 1973.

OLIVEIRA, R. P.; BARBERENA, R. A. Literatura e ética: notas para um diálogo que não se acaba. Estudos de literatura brasileira, n. 51, mai/ago. 2017. DOI https://doi.org/10.1590/2316-4018511. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2316-40182017000200011. Acesso em: 10 mai 2019.

OLIVER, N. Todos os nomes do mundo. Rio de Janeiro: Best Bolso, 2010.

PERPÉTUA, E. D.; LEANDRO, A. Miguilim vai ao cinema. Caletroscópio, v. 2, n. 2, p. 9-21, 2014. Disponível em: http://www.ichs2.ufop.br/caletroscopio/revista/index.php/caletroscopio/article/view/2 0/16. Acesso em: 10 mai. 2019.

SANTOS, B. S. Dom Casmurro à luz da onomástica: tramas e tramoias do romance machadiano. 2015. 104 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória. Disponível em: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3313. Acesso em: 10 mai. 2019.

Downloads

Publicado

12-02-2020

Como Citar

Kristensen de Camargo, A. (2020). Onomástica Ficcional: status quo no Brasil. Revista GTLex, 3(1), 120–132. https://doi.org/10.14393/Lex5-v3n1a2017-7

Edição

Seção

Artigos