Bahia de todos os cantos e recantos

marcas identitárias e culturais na toponímia da Bahia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex4-v2n2a2017-2

Palavras-chave:

Onomástica, Toponímia, Municípios baianos, Fichas lexicográfico-toponímicas

Resumo

Entre os diversos campos de estudos linguísticos, a Onomástica – ramo da Lexicologia que estuda os nomes próprios de pessoas (antropônimos) e de lugares (topônimos) – representa uma fonte de estudo da língua e sua relação com o patrimônio cultural de um povo. Considerando que, em sua formação, além de influências linguísticas, um topônimo recebe interferências externas, originárias de condições geográficas, históricas, políticas, religiosas e sociais, identifica-se, através do estudo toponímico, a relação existente entre o léxico de uma língua e a cultura do povo que a fala. Nessa perspectiva, analisa-se, pelo exercício do trabalho lexicológico, os 169 topônimos dos municípios do estado da Bahia inseridos nos volumes XX e XXI da Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, publicada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2 de julho de 1958, a fim de comprovar que traços de identidade e de cultura são neles conservados, podendo contribuir para a preservação da memória da região. Para a análise do corpus, utilizou-se a taxionomia proposta por Dick (1990) para um trabalho toponímico, registrando-se os dados coletados em fichas lexicográfico-toponímicas. A análise desenvolvida indica a relação dos topônimos com o ambiente cultural em que estão inseridos e permite verificar os aspectos que envolvem a língua, a cultura e a identidade das regiões analisadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAHIA. Decreto n. 12354 de 25 de agosto de 2010. Institui o Programa de Territórios de Identidade e dá outras providências. Diário Oficial do Estado, 26 de agosto, 2010. Disponível em http://dovirtual.ba.gov.br/egba/reader2/. Acesso em: 20 abr. 2016.

BAHIA. Estatísticas dos Municípios Baianos. Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia-SEI. Salvador: SEI, v. 27, 2011.

BRASIL. Decreto-lei n. 311, de 02 de março de 1938. Dispõe sobre a divisão territorial do país. Diário Oficial da União, Seção 1,7 mar.1938, p. 4249. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1930-1939/decreto-lei-311-2-marco-1938-351501-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 20 abr. 2016.

BRASIL. Decreto-lei n. 5.901, de 21 de outubro de 1943. Dispõe sobre as normas nacionais para a revisão quinquenal da divisão administrativa e judiciária do país. Diário Oficial da União, Seção 1, 23 out.1943, p. 15750. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-5901-21-outubro-1943-415891-norma-pe.html. Acesso em: 20 abr. 2016.

CARTA de Pero Vaz de Caminha a El-Rei D. Manuel, dando-lhe noticia do descobrimento da terra de Vera-Cruz, hoje Brazil, pela armada de Pedro Alvares CABRAL. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia. Ano 1, set.1894. ed. fac-similar. Salvador: IGHB, 1998 [1500]. p. 185-205.

CARVALHO, M. A. de. Contribuições para o Atlas Toponímico do Estado de Mato Grosso – Mesorregião Sudeste Mato-Grossense. Tese (Doutorado). São Paulo: FFLCH-USP, 2010.

CASTRO, Y. P. de. Falares africanos na Bahia: um vocabulário afro-brasileiro. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras; Topbooks, 2001.

CLAVAL, P. A Geografia cultural. 4. ed. rev. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014.

DICK, M. V. de P. do A. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Edições do Arquivo do Estado, 1990.

DICK, M. V. de P. do A.. Coletânea de Estudos. 3. ed. São Paulo: FFLCH/USP, 1992.

DICK, M. V. de P. do A. Rede de Conhecimento e Campo Lexical: hidrônimos e hidrotopônimos na onomástica brasileira. In: ISQUERDO, A.; KRIEGER, M. da G. (org.). As Ciências do Léxico. vol. II. Campo Grande: Ed. UFMS, 2004.

GERMANI, G. Identidade territorial e desenvolvimento sustentável: uma conversa com a professora Guiomar Germani. Entrevista. Revista Bahia de Todos os Cantos, n. 1, ano 1. Salvador: EGBA, 2009. p. 6.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. de S.; FRANCO, F. M. de M. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Instituto Antônio Houaiss de Lexicografia, 2001.

IBGE. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros. v. XX/XXI. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do IBGE, 1958.

ISQUERDO, A. N. O nome do município. Um estudo etnolinguístico e sócio-histórico na toponímia sul-mato-grossense. Revista Prolíngua, v. 2, n. 2, jul/dez, 2008. p. 34-52.

MONTEIRO, J.; SERPA; Â. Políticas de Desenvolvimento Territorial e Cultural no Território de Identidade de Vitória Da Conquista: uma análise geográfica da lógica de localização de projetos e recursos. Revista Eletrônica Ateliê Geográfico, v. 5, n. 3, p.150-171. Goiânia, 2011. Disponível em: http://www.revistas.ufg.br/atelie/article/view/16983/10294. Acesso em: 20 jun. 2016.

NAVARRO, E. de A. Dicionário de Tupi Antigo. A língua indígena clássica do Brasil. São Paulo: Global, 2013.

PRUDENTE, C. M. Bahia de todos os cantos e recantos: marcas identitárias e culturais na toponímia da Bahia. 2017. Dissertação (Mestrado). Departamento de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Estudo de Linguagens, Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2017.

RAMOS, R. T. Toponímia dos municípios baianos: descrição, história e mudança. 2008. 3 vol. Tese (Doutorado), Instituto de Letras, UFBA/ PPGLL, Salvador, 2008.

ROSA, G. Grande Sertão: Veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994 [1956]. p. 52.

SEABRA, M. C. T. C. de. A formação e a fixação da língua portuguesa em Minas Gerais. 2004. 2 v. Tese (Doutorado). FALE/UFMG. Belo Horizonte, 2004. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/ALDR-64KQ9A. Acesso em: 20 abr. 2016.

SEABRA, M. C. T. C. de. Referência e Onomástica. In: Múltiplas perspectivas em linguística: Anais do XI Simpósio Nacional e I Simpósio Internacional de Letras e Linguística (XI SILEL). Uberlândia: ILEEL, 2006. p. 1953-1960. Disponível em: http://www.filologia.org.br/ileel/artigos/artigo_442.pdf. Acesso em: 20 ago.. 2016.

VAZ, H C. de L. Cultura e universidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1966.

Downloads

Publicado

03-01-2019

Como Citar

Prudente, C. M., & Abbade, C. M. de S. (2019). Bahia de todos os cantos e recantos: marcas identitárias e culturais na toponímia da Bahia. Revista GTLex, 2(2), 219–245. https://doi.org/10.14393/Lex4-v2n2a2017-2