As políticas de avaliação externa e suas repercussões no trabalho do docente

Autores

  • Mayara Duarte Pelegrini Universidade Federal de Uberlândia https://orcid.org/0000-0001-5727-2195
  • Maria Simone Ferraz Pereira Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.14393/OT2022v24.n.1.64506

Palavras-chave:

Avaliação externa; Trabalho docente; Alienação; Autonomia

Resumo

Este artigo visa analisar a correspondência entre a organização escolar e a gestão empresarial, que, ao instituir mecanismos de controle e subordinação, retiram do trabalho docente a autonomia sobre o seu fazer. Nesse sentido, a avaliação externa, na lógica neoliberal de educação, assume um aspecto central, que orienta o processo educativo e, na forma como tem assumido, contribuiu para o engessamento do trabalho do professor. Ao considerarmos o trabalho docente nessa concepção, a implementação de políticas de avaliação, calcadas no controle e na responsabilização, retiram o sentido ontológico do trabalho dos professores e produz a desumanização desses. Este artigo foi resultado de um estudo bibliográfico e sinaliza que as avaliações externas instituem mecanismos que cerceiam a liberdade e a autonomia docente, contribuindo para um processo de estranhamento do seu trabalho pedagógico ao torná-lo algo, cujas determinações e formas de ser lhe escapam, a ponto de perder o controle sobre seu fazer docente. Com as reflexões realizadas, reafirmamos a posição de que o espaço escolar necessita ser compreendido como espaço de lutas e de autonomia, onde os docentes constroem e reconstroem, cotidianamente, seu trabalho pedagógico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Simone Ferraz Pereira, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora e Mestre em Educação pela Unicamp. Professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia, com atuação na graduação e na Pós-graduação, membro da linha Estado, Política e Gestão da Educação. E-mail: msimonefp@gamil.com. Lattes: http://lattes.cnpq.br/3381781135088677. Orcid: https://orcid.org/0000-0001-7009-7571.

Referências

BRAVERMAN, H. Trabalho e Capital Monopolista: a degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: Zahar. 1981. (parte V)

ENGUITA, M. F. A Face Oculta da Escola. Porto Alegre: Clube dos Eds. 2008. (cap. 4 e 5).

FREITAS, L. C. de. Três Teses sobre as Reformas Empresariais da Educação: perdendo a ingenuidade. Cad. Cedes, Campinas, v. 36, n. 99, p. 137-153, maio-ago. 2016

FREITAS, L.C.de. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Ed. Soc., Campinas, v.35, n.129, p. 1085-1114, out.-dez., 2004

FRIGOTTO, G. Educação e a Crise do Capitalismo Real. São Paulo: Cortez. 2010. (parte 1)

HILL, D. O Neoliberalismo Global, a Resistência e a Deformação da Educação. Currículo Sem Fronteiras (online). 2003

MARX. K. Manuscritos Econômicos e Filosóficos. São Paulo: Boitempo. 2011. (primeiro manuscrito: trabalho alienado)

MÉSZÁROS, I. Educação para Além do Capital. São Paulo: Boitempo. 2010.

SILVA, L. A.; GARCIA, N. L. S.; BICALHO, A. C. S. Avaliações Sistêmicas da Educação Básica: instrumento de gestão pública da qualidade do ensino e mecanismo de controle social. Anais - Encontro Mineiro de Administração Pública, Gestão Social e Economia Solidária - II EMAPEGS, Universidade Federal de Viçosa – UFV, 2010.

Downloads

Publicado

2022-07-14

Como Citar

DUARTE PELEGRINI, M.; FERRAZ PEREIRA, M. S. . As políticas de avaliação externa e suas repercussões no trabalho do docente. Olhares & Trilhas, [S. l.], v. 24, n. 1, 2022. DOI: 10.14393/OT2022v24.n.1.64506. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/64506. Acesso em: 13 ago. 2022.