Análise e comparação dos aplicativos Duolingo, Babbel e Memrise para aprendizagem de língua inglesa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/OT2021v23.n.3.60488

Palavras-chave:

Inglês, Apps de Ensino, Ensino e Aprendizagem de línguas

Resumo

O uso da tecnologia está presente em inúmeras atividades cotidianas. Considerando o aprendizado de uma língua estrangeira, verificamos uma variedade de plataformas que possibilitam contato com a língua visando o aprendizado. Entendemos que a aprendizagem de uma língua não se restringe a dominar regras gramaticais ou à memorização de vocabulários, mas conseguir interagir e se comunicar, criando sentidos na língua-alvo. Este trabalho compara e analisa com respaldo em teorias de ensino e aprendizagem de línguas os aplicativos Duolingo, Babbel e Memrise, que se autodenominam plataformas de ensino de língua inglesa, considerando os seguintes aspectos: desenvolvimento das quatro habilidades, explicações gramaticais, exercícios de tradução para língua materna ou língua estrangeira, conteúdo significativo e correção orientada das produções. A escolha dos aplicativos se baseou no número de downloads e na avaliação de usuários e a primeira lição de cada aplicativo foi analisada. Verificamos que todos os aplicativos oportunizam contato com a língua inglesa com base em conteúdos que possibilitam a transposição do que é aprendido para situação real de uso da língua. Todavia, a análise evidencia uma compreensão de língua como código, sem considerar língua como prática social e para comunicação e interação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Stefanie Fernanda Pistoni Della Rosa, Instituto Federal de São Paulo

Doutora em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos. Docente do Instituto Federal de São Paulo. Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de São Paulo - Campus Hortolândia.

Danielle, Instituto Federal de São Paulo

Estudante do terceiro ano do curso Técnico em Mecânica integrado ao ensino médio do Instituto Federal de São Paulo - Câmpus Hortolândia/SP

Referências

ANDRADE, I. R. Aprendizagem de língua assistida por dispositivos móveis (ALADIM) : uma proposta alternativa para o ensino da língua espanhola. 2017. 351f. Tese (Doutorado) - Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

ARAÚJO JR., C. F. / MARQUESI, S. C. Atividades em ambientes virtuais de aprendizagem: parâmetros de qualidade. In: LITTO, Frederic M. / FORMIGA, Marcos (Orgs.). Educação à distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2008. p. 358-368.

BRASIL. Rede Federal. Ministério da Educação. Lei n. 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Senado Federal. Brasília, DF. 23 de dezembro de 1996.

BRASIL. Rede Federal. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais : terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira. Secretaria de Educação Fundamental. MEC/SEF. Brasília- DF. 1998.

BRASIL. Rede Federal. Ministério da Educação. Lei nº 13.415 de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nºs 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Brasilia, DF. 17 de fevereiro de 2017.

CLEOPHAS, M. G. et al. M-learning e suas Múltiplas Facetas no contexto educacional: Uma Revisão da Literatura. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 8, n. 4, p. 188-207, set./dez. 2015. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/rbect/article/download/2752/2544.Acesso em: 16 de maio. 2020.

DÖRNYEI, Z. Motivational Strategies in the language classroom. Nova Iorque: Cambridge University Press, 2001.

GUEDES, R. O. Publicações nacionais sobre CALL e outras tecnologias no ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras: um olhar na segunda década do século XXI. 2015. 308 f. Tese (Doutorado) - Curso de Linguística, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015.

KENSKI, V. M. Tecnologia e Enisno Presencial e a Distãncia. Campinas, SP: Papirus, 2003.

KUMARAVADIVELU, B. The Postmethod Condition: (E)merging Strategies for Second/Foreign Language Teaching TESOL Quarterly, v. 28, n. 1. p. 27-48. 1994

LARSEN-FREEMAN, D. Techniques and Principles in Language Teaching. Oxford: Oxford University Press. 2002. 189 p.

LITTLE, D. Autonomy: Definitions, Issues and Problems. Dublin: Authentik Language Learning Resources Ltd, 1991. 61 p.

LEFFA, V. J. Metodologia do ensino de línguas. In BOHN, H. I.; VANDRESEN, P. Tópicos em lingüística aplicada: O ensino de línguas estrangeiras. Florianópolis: Ed. da UFSC, p. 211-236. 1988.

LEFFA, V. J. Ensino de línguas: passado, presente e futuro. Revista Estudo da Linguagem, Belo Horizonte, v.20, n. 2, p. 389-411, jul./dez. 2012.

LIZ, N. Tecnologia móvel no Ensino e aprendizagem de língua inglesa na escola. 2015. 62 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Humanas, Sociais e da Natureza) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Londrina, 2015. Disponível em: https://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/2168/1/LD_PPGEN_M_Liz%2C%20Nevton%20de_2015.pdf Acesso: 15 abr 2021.

MORAN, J. M. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias. Informática na Educação: Teoria & Prática, Porto Alegre, v. 3, n. 1, p.137-144, set. 2000. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/InfEducTeoriaPratica/article/view/6474/3862. Acesso em: 07 out. 2019.

ROCHA, C. H. Diálogos sobre tecnologias digitais nas aulas de língua estrangeira. In: LIMA, Diógenes Cândido de. Ensino de língua inglesa: conversas com professores da escola pública. Campinas: Pontes, p. 129-142. 2017.

ROZENFELD, C. C. F.; EVANGELISTA, M. C. R. O ambiente virtual na formação inicial de professores de alemão como apoio para o ensino e a aprendizagem da língua e a reflexão sobre ações docentes. Pandaemonium ger. [online]. 2011, n.18, pp.214-247. ISSN 1982-8837. https://doi.org/10.1590/S1982-88372011000200012.

SATAKA, Mayara M. Análise do Aplicativo Duolingo para Aprendizagem de Língua Espanhola: Uma Pesquisa Narrativa. 2019. 181f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Linguística, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara, 2019.

SILVEIRA, D. T.; CÓRDOVA, F.. P. A Pesquisa Científica. In: GERHARDT, Tatiana. E.; SILVEIRA, Denise. T. (Org.) Métodos de Pesquisa. Rio Grande do Sul: Ed. Da UFRGS, p. 31-42. 2009.

TEIXEIRA, C. S.; RIBEIRO, M. A. A. Ensino de língua estrangeira: concepções de língua, cultura e identidade no contexto ensino/aprendizagem. Revista Trama, v. 9, n. 18, p. 115-127, 2o semestre de 2013.

TRAXLER, J. Defining, Discussing and Evaluating Mobile Learning: the moving finger writes and having writ… . The International Review of Research in Open and Distance Learning, v. 8, n. 2, 2007.

VIEIRA ABRAHÃO, M. H. Algumas reflexes sobre a Abordagem Comunicativa, o Pós-

Método e a Prática Docente. Revista Entrelínguas, Araraquara, v. 1, n. 1, p. 25-41, 2015.

Downloads

Publicado

2021-10-15

Como Citar

DELLA ROSA, S. F. P.; CHAGAS, D. . . Análise e comparação dos aplicativos Duolingo, Babbel e Memrise para aprendizagem de língua inglesa. Olhares & Trilhas, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 1235–1257, 2021. DOI: 10.14393/OT2021v23.n.3.60488. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/60488. Acesso em: 29 set. 2022.