A Prova Brasil como instrumento de avaliação e planejamento de práticas escolares relativas à proficiência leitora

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v32n4a2016-4

Palavras-chave:

Prova Brasil, Práticas Escolares, Proficiência, Consequências sociais.

Resumo

Neste artigo, refletimos o efeito retroativo da Prova Brasil, considerando-a como instrumento de política de gerenciamento e planejamento de práticas escolares relativas à proficiência leitora, em três escolas municipais da rede pública de ensino na cidade de Ipiaú-BA. Buscamos apresentar os impactos ou consequências sociais que a Prova Brasil pode exercer sobre o cotidiano das práticas escolares no tocante aos planejamentos em leitura das três escolas. O estudo, caracterizado como pesquisa qualitativa e quantitativa, voltou-se para a análise das práticas escolares em cotejo com os índices da Prova Brasil dessas escolas, referentes às duas últimas aplicações da Prova Brasil anos 2011/2013, sob a luz da Teoria do Efeito Retroativo. Os resultados revelaram que a Prova Brasil, no contexto estudado, não exerce efeito retroativo - nem positivo nem negative - no ensino-aprendizagem, tendo em vista que não há relação entre esse instrumento avaliativo e as práticas de ensino desenvolvidas pelas respectivas escolas. Comprovou-se também que o alcance das metas do índice de Desenvolvimento da Educação Básica não significa necessariamente o aumento da proficiência em leitura, pois verificou-se que os índices alcançados pelas escolas pesquisadas estão abaixo do ponto de corte da escala de proficiência de Língua Portuguesa do Sistema de Avaliação da Educação Básica. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Queiroz Queiroz Santos, Universidade Estadual de Santa Cruz

Departamento de Letras- Linguagens e Letramentos

Downloads

Publicado

2016-12-31

Como Citar

QUEIROZ SANTOS, D. Q.; FERREIRA, . A Prova Brasil como instrumento de avaliação e planejamento de práticas escolares relativas à proficiência leitora. Letras & Letras, [S. l.], v. 32, n. 4, p. 65–87, 2016. DOI: 10.14393/LL63-v32n4a2016-4. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/35284. Acesso em: 14 ago. 2022.