"Rosa de Hiroshima"

Do poema à canção

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v39-2023-38

Palavras-chave:

Rosa de Hiroshima, Vinicius de Moraes, Secos & Molhados, Musicalização de poesia, Poesia brasileira

Resumo

O presente estudo visa analisar o processo de musicalização do poema “Rosa de Hiroshima”, identificando elementos que o envolvem enquanto poema e enquanto canção. Por meio de uma pesquisa de caráter bibliográfico, comparativo e qualitativo, realiza-se, primeiramente, uma breve discussão sobre as especificidades destes gêneros, seguida de uma análise do poema escrito por Vinicius de Moraes em 1946, publicado na Antologia Poética de 1954, e da musicalização feita por Gerson Conrad, integrante de Secos & Molhados à época, por meio da gravação do álbum de estreia da banda, em 1973, e da performance realizada no marcante show do Maracanãzinho, em 1974. Deste modo, é possível trazer considerações sobre a análise da obra nestes dois gêneros distintos, refletindo sobre as peculiaridades de cada um por meio do trabalho de grandes artistas do cenário nacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Agnaldo Stein da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Referências

ALMEIDA, T. V. O corpo do som: notas sobre a canção popular. In: MATOS, C. N. et al. Palavra cantada: ensaios sobre poesia, música e voz. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2008. p. 316-326.

ALMEIDA, T. V. A voz como provocação aos estudos literários. Outra travessia, n. 11, p. 115-129, 2011. DOI: https://doi.org/10.5007/2176-8552.2011n11p115

BARBOSA, J. V. M.; BARBOSA, K. M. M. A Rosa de Hiroshima na voz e no corpo de Ney Matogrosso. Geografia, Literatura e Arte, v. 2, n. 1, p. 125-140, jan./jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2020.157134

BOSI, A. História concisa da literatura brasileira. 49. ed. São Paulo: Cultrix, 2013.

CAVARERO, A. Vozes plurais: filosofia da expressão vocal. Tradução de Flavio Terrigno Barbeitas. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

CONRAD, G. A história dos Secos & Molhados e carreira solo. [Entrevista concedida a] Cesar Gavin. Vitrola Verde, Youtube, 2014a. Disponível em: https://youtu.be/5QVcnhnUCrE. Acesso em: 9 ago. 2023.

CONRAD, G. Gerson Conrad, ex-Secos & Molhados, relembra trajetória. [Entrevista concedida a] Raphael Vidigal. Esquina Musical, Minas Gerais, 13 mar. 2014b. Disponível em: https://esquinamusical.com.br/entrevista-gerson-conrad-ex-secos-molhados-relembra-trajetoria/. Acesso em: 9 ago. 2023.

CONRAD, G.; MORAES, V. Rosa de Hiroshima. In: SECOS & MOLHADOS. Secos & Molhados – 1973/1974. Compilação produzida por Charles Gavin. Produzido por João Ricardo. São Paulo: Warner Music Brasil, 1999. Faixa 9. 1 CD. (Série Dois Momentos)

MED, Bohumil. Teoria da música. 4. ed. rev. e ampl. Brasília, DF: Musimed, 1996.

MATOGROSSO, N. Ney Matogrosso. [Entrevista concedida a] Charles Gavin. In: GAVIN, C. Secos & Molhados: entrevistas a Charles Gavin. Rio de Janeiro: Imã Editorial, 2017. p. 14-52. (Som do Vinil)

MORAES, V. Rosa de Hiroshima. In: MORAES, V. Antologia poética. Org. do autor. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 253.

NEY MATOGROSSO. Secos e Molhados – Maracanãzinho. Youtube, 2012. Disponível em: https://youtu.be/NKCrYCObq1E. Acesso em: 9 ago. 2023.

PAZ, O. O arco e a lira. Tradução de Ari Roitman e Paulina Wacht. São Paulo: Cosac & Naif, 2012.

RIBEIRO, J. OS “FILHOS DA BOMBA”: memória e história entre os relatos de sobreviventes de Hiroshima e Nagasaki e a “Campanha pela Proibição das Bombas Atômicas” no Brasil (1950). Outros Tempos: Pesquisa em Foco – História, v. 6, n. 7, p. 147-167, jul. 2009. DOI: https://doi.org/10.18817/ot.v6i7.192

TATIT, L. Reciclagem de falas e musicalização. In: MATOS, C. N. et al. Palavra cantada: estudos transdisciplinares. Rio de Janeiro: FAPERJ, Eduerj, 2014. p. 251-266.

ZAN, J. R. Secos & Molhados: metáfora, ambivalência e performance. ArtCultura, Uberlândia, v. 15, n. 27, p. 7-27, jul.-dez. 2013.

ZUMTHOR, P. A letra e a voz: a “literatura” medieval. Tradução de Amálio Pinheiro e Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

Downloads

Publicado

2024-05-24

Como Citar

SILVA, A. S. da. "Rosa de Hiroshima": Do poema à canção. Letras & Letras, Uberlândia, v. 39, n. único, p. e3938 | p. 1–18, 2024. DOI: 10.14393/LL63-v39-2023-38. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/70958. Acesso em: 24 jul. 2024.