A constituição do sujeito ativista de Direitos Humanos em comentários virtuais sobre a morte de Marielle Franco

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v36n1-2020-8

Palavras-chave:

Direitos humanos, Estudos discursivos foucaultianos, Facebook, Marielle Franco, Processos de subjetivação

Resumo

A morte de Marielle Franco, vereadora carioca e ativista dos Direitos Humanos, desencadeou embates discursivos na web. De um lado, seus aliados clamavam por justiça. De outro, os críticos a ironizavam e propagavam fake news que amenizavam o fato de Marielle ter sido brutalmente assassinada. Neste artigo, fruto de reflexões em nível de mestrado e doutorado no Círculo de Discussão em Análise do Discurso (CIDADI), nos propomos a analisar, à luz dos estudos discursivos foucaultianos, a constituição do sujeito ativista dos Direitos Humanos a partir do acontecimento discursivo morte de Marielle Franco. Para tanto, procedemos a uma análise arqueogenealógica dos comentários da publicação de pesar feita pelo partido “PSOL Carioca”, compartilhada no perfil de facebook oficial da vereadora Marielle Franco assim que se tornou pública a sua morte. Nos comentários analisados, depreendemos, pelo menos, duas regularidades discursivas que apresentam posicionamentos sociais opostos acerca da função do sujeito ativista de Direitos Humanos, a partir das práticas divisoras que ora o subjetivam como “defensor de bandidos”, ora o subjetivam como “guerreiros”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ângela Paula Nunes Ferreira, Universidade Federal da Paraíba

Doutoranda em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba. Graduada em Direito pela Universidade Estadual da Paraíba. Graduada em Letras pela Universidade Federal de Campina Grande

Douglas de Oliveira Domingos, Universidade Federal da Paraíba

Mestre em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba. Graduado em Letras pela Universidade Vale do Acaraú. Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal da Paraíba.

Regina Baracuhy, Universidade Federal da Paraíba

Professora Associado Nível IV da Universidade Federal da Paraíba, onde ministra disciplinas e orienta pesquisas em nível de Graduação no Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas (DLCV) e no Programa de Pós-graduação em Linguística (PROLING). Doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela UNESP (Araraquara). Líder do grupo de pesquisa CIDADI.

Referências

ALBUQUERQUE, D. M. de; VEIGA-NETO, A.; SOUZA FILHO, A. Uma cartografia das margens. In: ALBUQUERQUE JUNIOR, D. M. de.; VEIGA-NETO, A.; SOUZA FILHO, A. (Org.). Cartografias de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 9-12

ANGRIMANI, D. Espreme que sai sangue. São Paulo: Summus, 1995.

ARBEX, D. Cova 312. São Paulo: Geração Editorial, 2015.

ARTIÈRES, P. Dizer a atualidade: o trabalho diagnóstico em Michel Foucault. In: GROS, F. (Org.). Foucault: a coragem da verdade. São Paulo: Parábola Editorial, 2004. p. 15-37.

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da Internet. 1. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2013.

ESCÓSSIA, F. A cada 23 minutos, um jovem negro é assassinado no país, diz CPI. BBC Brasil, 2016. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-36461295. Acesso em: 25 out. 2019.

FACHIN, P. “Quem matou Marielle?” Entrevista especial com Bruno Cava, Marcelo Castañeda e Giuseppe Cocco. Instituto HumanitasUnisinos, 2018. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/159-noticias/entrevistas/577132-a-morte-de-marielle-franco-como-uma-reacao-da-mafia-do-poder-carioca-entrevista-especial-com-giuseppe-cocco-bruno-cava-e-marcelo-castaneda. Acesso em: 20 ago. 2019.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. 7.ed. Rio de Janeiro: Forense universitária, 2010.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1999.

FOUCAULT, M. A Sociedade Punitiva: curso no Collège de France (1972-1973). 1. ed. Trad. de Ivone C. Benedetti. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2015.

FOUCAULT, M. Michel Foucault, uma entrevista: sexo, poder e a política da identidade. Verve, n. 5, p. 260-277, 2004.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. 21 ed. Tradução Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 2005.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica. Para além do estruturalismo e da hermenêutica. Trad. de Vera Portocarrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

FOUCAULT, M. Retornar à História. In: FOUCAULT, M. Arqueologia das Ciências e História dos Sistemas de Pensamento. Ditos e escritos II. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000 p. 282-295.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 42. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

GREGOLIN, M. R. V. O dispositivo escolar republicano na paisagem das cidades brasileiras: enunciados, visibilidades, subjetividades. Revista Moara, Belém, Edição 43, p. 6-25, jan.-jun. 2015. Doi: https://doi.org/10.18542/moara.v1i43.2633.

Nota do PSOL: Marielle presente! Disponível em: http://psol50.org.br/nota-do-psol-marielle-franco-presente/?fbclid=IwAR0AJO3Chmv-0xNYztNq7C2hx3vfTY1Ut9eqX7Fy442lQEVzRGANLy2meII. Acesso em: 26 abr. 2019.

RAMOS, A. de C. Curso de Direitos Humanos. São Paulo: Saraiva, 2018.

RANGEL, S.; VETTORAZZO, L.; FRANCO, L. Vereadora do PSOL é morta a tiros no Rio de Janeiro. Folha de São Paulo, 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/03/vereadora-do-psol-e-morta-a-tiros-no-centro-do-rio.shtml. Acesso em: 25 out. 2019.

Downloads

Publicado

2020-06-28

Como Citar

FERREIRA, Ângela P. N.; DOMINGOS, D. de O.; BARACUHY, R. A constituição do sujeito ativista de Direitos Humanos em comentários virtuais sobre a morte de Marielle Franco. Letras & Letras, [S. l.], v. 36, n. 1, p. 140–158, 2020. DOI: 10.14393/LL63-v36n1-2020-8. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/51378. Acesso em: 11 ago. 2022.