Educação crítica, decolonialidade e educação linguística no Brasil e no México

Questões epistemológicas e metodológicas traçadas por um paradigma-outro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v35nEsp2019-1

Palavras-chave:

Epistemologias, Decolonialidade, Linguística Aplicada, Linguagem, Educação

Resumo

Neste texto trato das epistemologias e dos quadros analíticos mobilizados para compreender as relações entre sujeitos e práticas de linguagem no complexo cenário da educação linguística da contemporaneidade. Assim, problematizo o modo de produzir conhecimento e experienciá-lo no contexto da modernidade/colonialidade(MALDONADO TORRES 2007; GÓMEZ QUINTERO, 2010; GROSFOGUEL, 2006 e CASTRO GÓMEZ, 2007) e, posteriormente, conforme uma perspectiva crítica e decolonial (ARGÜELLO PARRA, 2015), discuto como enfrentar a lógica da epistemologia racional ocidental, considerando coordenadas traçadas por um “paradigma-outro de pensamento (MIGNOLO, 2003, p. 20) no contexto de colonialidade global. Por fim, para contribuir em instaurar um debate em torno das possibilidades epistêmicas outras e reafirmar a busca por uma pesquisa mais comprometida ética e historicamente no cenário brasileiro e mexicano, apresento investigações e ações realizadas, enfatizando esse locus enunciativo, a singularidade dos sujeitos e as práticas de linguagem materializadas nos amplos espaços sociais interacionais contemporâneos em que se inscrevem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lívia Márcia Tiba Rádis Baptista, Universidade Federal da Bahia

Doutora em Linguística pelo IEL-Unicamp e docente do Curso de Letras e do Programa de Pós-graduação em Língua e Cultura, Universidade Federal da Bahia, Brasil.

Mario Enrique López Gopar, Universidade Autônoma Benito Juárez de Oaxaca

PhD (Currículo, ensino e aprendizagem) pela Universidade de Toronto e docente da Faculdade de idiomas e do Mestrado em Educação Crítica de Línguas, Universidade Autônoma Benito Juárez de Oaxaca, México. Líder do Grupo de Pesquisa Linguística Aplicada Crítica (CALAC). 

Referências

ARGÜELLO PARRA, A. Pedagogía decolonial: trazos para la construcción de un paradigma-otro desde la educación. Correo del Maestro, Brisa Naucalpan, n. 19, vol. 226, p. 28-37, 2015. Disponível em: https://www.correodelmaestro.com/publico/html5032015/capitulo4/Pedagogia_decolonial.html. Acesso em: 05 jun. 2019.

ARGÜELLO PARRA, A. Pedagogía decolonial: hacia una comprensión/acción educativa en las sociedades emergentes. In: GÓMEZ, J. A. A. (Comp.). Educación, sociedad e interculturalidad: diálogos desde la comprensión y acción educativa en América Latina. Bogotá: Vicerrectoría de Universidad Abierta y a Distancia, 2016. p. 87- 135.

BAPTISTA, L. M. T. R. Minha pátria é minha língua: algumas questões sobre a (de)colonização das línguas e dos sujeitos no ensino de espanhol. Revista Abeache, s/l., n. 12, p. 28-47, 2017. Disponível em: http://revistaabehache.com.br/index.php/abehache/issue/view/12. Acesso em: 31 maio 2019.

BAPTISTA, L. M. T. R. Comunidades imaginadas e práticas inimaginadas: algumas reflexões sobre a educação linguística na contemporaneidade. In: FREIRE, R., TILIO, R.; JESUS, D. M.; BARROS, A. L. E. C. (Org.). Linguística Aplicada para além das fronteiras. Campinas: Pontes, 2018a, p. 185-203.

BAPTISTA, L. M. T. R. Um dia de fúria: revisitandoconstrutos como língua espanhola, identidade e cultura e suas implicações para a educação linguística em tempos difíceis. In: NOGUEIRA, A. M. BAPTISTA, L. M. T. R. (Org.). Espanhol no nordeste. Espaços de resistência, criação e transformação. Curitiba: CRV, 2018b, p. 115-131.

BLOMMAERT, J.; RAMPTON, B. Language and superdiversity. Language and superdiversity. Diversities, s/l, n.2, v.13, 2011, p.1-21. Disponìvel em: www.unesco.org/shs/diversities/vol13/issue2/art1. Acesso em: 31 maio 2019.

BORGES, C. B. S. A construção identitária profissional das professoras negras de língua inglesa de escolas públicas de Paripe: programa de pós-graduação em Língua e Cultura. 2018. 145f. Disertação (Mestrado em Letras e Linguística). Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

CABALUZ-DUCASSE, J. F. Pedagogías críticas latinoamericanas y filosofía de la liberación: potencialidades de un diálogo teórico-político. Educación y Educadores, Bogotá, Colombia, n. 1, vol. 19, p. 67-88, 2016. https://doi.org/10.5294/edu.2016.19.1.4

CASTRO-GOMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. Prólogo. Giro decolonial, teoría crítica y pensamiento heterárquico. In: CASTRO-GÓMEZ,S.; GRASFOGUEL,R. (Comp.) El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007, p. 9-23.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

FREIRE, P. “Astutos e inocentes”. In: FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação. Uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

FOUCAULT, M. Microfisica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

GÓMEZ-QUINTERO, J. D. La colonialidad del ser y del saber: la mitologización del desarrollo en América Latina. El Ágora USB, Medellín, n. 1, v. 10, p. 87-105, enero-junio 2010. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=3642109. Acesso em: 31 maio 2019.

GROSFOGUEL, R. La descolonización de la economía y los estudios postcoloniales: Transmodernidad, pensamiento fronterizo y colonialidad global. Tabula Rasa, Bogotá, n. 4, p. 17-48, enero-junio 2006. https://doi.org/10.25058/20112742.245

JACQUEMET, M. Transidiomatic practices: Language and power in the age of globalization. Language and Communication, s/l, n.3, v.25, p. 257-277, 2005. https://doi.org/10.1016/j.langcom.2005.05.001

MALDONADO-TORRES, N. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GOMÉZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Comp.) El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistêmica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre, 2007. Disponível em: https://enriquedussel.com/txt/Textos_200_Obras/Filosofos_latinos_EU/1P.Filosofos_latinos_EU.pdf. Acesso em: 01 jun. 2019.

MIGNOLO, W. Historias locales/diseños globales. Colonialidad, conocimientos subalternos y pensamiento fronterizo. [s.l.]: Ediciones Akal Sa, 2003.

QUIJANO, A. Colonialidad y modernidad /racionalidad. Perú Índigena, Lima, n. 13, v. 29, p. 11-20, 1992. Disponível em: http://www.lavaca.org/wp-content/uploads/2016/04/quijano.pdf. Acesso em: 01 jun. 2019.

SANJAY, S. Crítica de la razón (moderna, occidental) impura. Tabula Rasa, Bogotá, n. 14, p. 31-54, enero-junio 2011. https://doi.org/10.25058/20112742.418

SANTOS, K. C. A constituição identitária de professores formadores de língua espanhola na modalidade de educação a distancia em uma universidade pública baiana: programa de pós-graduação em Língua e Cultura. 2018. 210f. Disertação (Mestrado em Letras e Linguística) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019.

SANTOS, I. N. C. O currículo de línguas do IFBA: tessituras sobre a sua estrutura e representação: programa de pós-graduação em Língua e Cultura. 2018. 233f. Disertação (Mestrado em Letras e Linguística) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

SOUSA SANTOS, B. Epistemologías del Sur. Utopía y Praxis Latinoamericana. Revista Internacional de Filosofía Iberoamericana y Teoría Social Utopía y Praxis Latinoamericana, Maracaibo, n. 54, año 16, p. 17-39, jul.-sept. 2011. Disponível em: http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/EpistemologiasDelSur_Utopia%20y%20Praxis%20Latinoamericana_2011.pdf. Acesso em: 31 maio 2019.

VERONELLI, G. A. Sobre la colonialidad del lenguaje. Revista Javeriana. Universitas Humanística, Bogotá, n. 1, p. 33-58, enero-junio 2015. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5287506. Acesso em: 01 jun. 2019.

Downloads

Publicado

2019-10-23

Como Citar

TIBA RÁDIS BAPTISTA, L. M.; LÓPEZ GOPAR, M. E. Educação crítica, decolonialidade e educação linguística no Brasil e no México: Questões epistemológicas e metodológicas traçadas por um paradigma-outro. Letras & Letras, [S. l.], v. 35, n. especial, p. 1–27, 2019. DOI: 10.14393/LL63-v35nEsp2019-1. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/49261. Acesso em: 27 maio. 2022.