Influência da Utilização de Séries Primárias, Secundárias e Terciárias na Definição do Nível de Redução e do Nível do Médio do Mar Local de Levantamentos Hidro-oceanográficos

Conteúdo do artigo principal

Filipe Floriano da Cruz
https://orcid.org/0000-0003-1994-5402
Raiane Rintielle Vaz Menezes
https://orcid.org/0000-0001-6717-728X
Ítalo Oliveira Ferreira
https://orcid.org/0000-0002-4243-8225
Felipe Catão Mesquita Santos
https://orcid.org/0000-0002-9376-766X
Victória Gibrim Teixeira

Resumo

As estações maregráficas podem ser divididas em primárias, secundárias e terciárias. A primárias são operadas por pelo menos 19 anos, as secundárias entre 1 e 19 anos e as terciárias entre 32 dias e 1 ano. Neste contexto, o presente estudo teve como objetivo analisar a influência da série histórica de níveis do mar na definição do Nível médio do Mar Local (NMML) e do Nível de Redução (NR), empregando séries temporais de estações maregráficas primárias, secundárias e terciárias, bem como avaliar as discrepâncias geradas quanto a utilização destas. Para alcançar esse propósito, dividiu-se uma série de 39 anos da estação da Cananéia-SP em duas primárias (cada uma com 19 anos) e, a partir destas, obteve-se séries secundarias e terciárias. Em seguida, encontrou-se o NMML, as componentes harmônicas e, posteriormente, o NR de cada série temporal. A avaliação foi efetuada por meio da análise exploratória das discrepâncias dos dados, e os resultados encontrados demonstram que tanto o NMML quanto o NR apresentam variações temporais e que podem ser calculados com base em séries terciárias. No entanto, recomenda-se que estes sejam obtidos, sempre, baseados em séries atuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
CRUZ, F. F. da; MENEZES, R. R. V.; FERREIRA, Ítalo O.; SANTOS, F. C. M.; TEIXEIRA, V. G. Influência da Utilização de Séries Primárias, Secundárias e Terciárias na Definição do Nível de Redução e do Nível do Médio do Mar Local de Levantamentos Hidro-oceanográficos. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 75, 2023. DOI: 10.14393/rbcv75n0a-66775. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/66775. Acesso em: 21 maio. 2024.
Seção
Hidrografia

Referências

ALBARICI, F. L.; GUIMARÃES, G. N.; TRABANCO, J. L. A. Análise relativa do nível médio do mar em Cananeia/SP. Revista Brasileira de Geomática, Curitiba, v. 6, n. 3, p. 176-193,2018. Disponível em: <https://periodicos.utfpr.edu.br/rbgeo>. Acesso em: abril de 2021.

ANTUNES, N. S. M. The Importance of the Tidal Datum in the Definition of Maritime Limits and Boundaries. BRADLEY, R.; SCHOFIELD, C. (Ed.). Maritime Briefing, International Boundaries Research Unit: University of Durham, v. 2, n.7, 38p., 2000. ISBN 1-897643-38-1.

ARENTZ, M. F. R. A modelagem hidrodinâmica como auxílio à navegação no canal norte do estuário do Amazonas. 182 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Oceânica). Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2009.

BALAY, M. A. La cote du plan. Revue Hydrographic Internationale. v. 24, n. 2, pp. 109. 1952.

CENTRO DE HIDROGRAFIA DA MARINHA (CHM). Cartas Náuticas. Marinha do Brasil. Brasil. 2019. Disponível em: <https://www.marinha.mil.br/chm/chm/dados-do-segnav-cartas-nauticas/cartas-nauticas>. Acessor em: março de 2021.

COSTA, D. S. Variação do nível médio do mar-técnicas para a avaliação. 101 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia e Transportes). Universidade de São Paulo, 2007.

COURTIER, A. Marées. Service Hydrographique de la Marine. 234 p. 1938.

Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN). NORMAM 25: Normas da Autoridade Marítima para Levantamentos Hidrográficos (2° revisão). Marinha do Brasil, Brasil, 2017. 94p.

FRANCO, A. S. Marés: Fundamentos, Análise e Previsão. 2º edição. Niterói. DHN, 2009.

FRANCO, A.S. Tides: fundamentais, analysis and prediction. 23° edição. São Paulo. Instituto de Pesquisas Tecnológicas, 1988.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Esclarecimento sobre a relação entre o Datum Vertical do SGB (Imbituba e Santana) e os Níveis de Redução e “Zeros” Hidrográficos no Litoral Brasileiro. 2009. Disponível em: <ftp://geoftp.ibge.gov.br/metodos_e_outros_documentos_de_referencia/outros_documentos_tecnicos/rmpg/relacao_dvsgb_nr_zh.pdf>. Acesso em: abril de 2021.

INTERNATIONAL HYDROGRAPHIC ORGANIZATION (IHO). C-13: IHO Manual on Hydrography. Mônaco: International Hydrographic Bureau, 540p., 2005.

MIGUENS, A. P. Navegação: a Ciência e a Arte. Volume I - Navegação costeira, estimada e em águas restritas. Rio de Janeiro: DHN, Brasil, 1996. 538p.

PICKERING, M. D.; WELLS, N.C.; HORSBURGH, K.J.; GREEN, J.A.M. The impact of future sea-level rise on the European Shelf tides. Continental Shelf Research, v. 35, p. 1–15, 2012. DOI: 10.1016/j.csr.2011.11.011.

RAMOS, A. M. Aplicação, investigação e análise da metodologia de reduções batimétricas através do método GPS diferencial preciso. 221 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Geodésicas) - Setor de Ciências da Terra, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

SANTANA, T. A.; DALAZOANA, R.. Integração dos Referenciais Verticais Terrestre e Oceânico: conceitos relacionados, projetos desenvolvidos e desafios. Revista Brasileira de Cartografia, Uberlândia, v. 72, n. 2, p. 345-364, 2020. DOI.: 10.14393/rbcv72n2-52611.

SILVA, F. M. P. Morfodinâmica da barra norte do Rio Amazonas sob a ótica da segurança da navegação. 140 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Oceânica) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

TEIXEIRA, G. L. G.; MAZZUCO, D. P.; DONIN JÚNIOR, D. J.; SANTANADA, F. R.; TECCHIO, R.; DAHER, V. B. Influência dos diferentes comprimentos de séries temporais na análise harmônica da maré astronômica na baía de Sepetiba – Rio de Janeiro, Brasil. Anais hidrográficos / Diretoria de hidrografia e Navegação. pp. 104 - 112. 2016.

WHITE, J. Tides: The Science and Spirit of the Ocean. Trinity University Press. p. 360, 2017.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>