Análise Comparativa entre Métodos para Determinação de Dados Demográficos e Socioeconômicos em Ottobacias: Estudo de Caso da Bacia Hidrográfica do Rio Paranapanema

Conteúdo do artigo principal

Alexei Nowatzki
https://orcid.org/0000-0003-2634-5122
Luciene Stamato Delazari
https://orcid.org/0000-0003-0018-085X
Eduardo Vedor de Paula
https://orcid.org/0000-0002-1847-0161

Resumo

Dados demográficos, como os de população absoluta, podem ser consultados em unidades espaciais de setores censitários, já dados socioeconômicos, como o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e o Produto Interno Bruto (PIB), podem ser fornecidos em escala municipal. Contudo, bacias hidrográficas que são usadas com frequência em estudos ambientais possuem limites diferentes em relação a essas unidades, o que dificulta a determinação desses dados. O objetivo deste trabalho foi determinar dados demográficos e socioeconômicos para um conjunto de ottobacias, na bacia hidrográfica do rio Paranapanema, compreendendo os estados de São Paulo e Paraná. Para isso foram utilizados métodos de interseção simples e de áreas ponderadas e para dados de população, foi utilizada a técnica de mapeamento dasimétrico, realizado a partir do uso da terra. Por fim, foram realizadas comparações entre os métodos pelo agrupamento de tamanho de ottobacias. Os resultados apontaram que a interseção simples compromete a determinação desses dados, pois todas as unidades espaciais interseccionadas com as ottobacias têm o mesmo peso no cálculo, mesmo que ela represente uma pequena porcentagem. Portanto a interseção a partir das somas e médias de áreas ponderadas fizeram a determinação mais próxima da realidade dentro do contexto das ottobacias. Para os dados de população foi observado que há uma maior variação entre os métodos em ottobacias com maiores valores de área em quilômetros quadrados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
NOWATZKI, A.; DELAZARI, L. S.; PAULA, E. V. de. Análise Comparativa entre Métodos para Determinação de Dados Demográficos e Socioeconômicos em Ottobacias: Estudo de Caso da Bacia Hidrográfica do Rio Paranapanema. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 75, n. 0a, 2023. DOI: 10.14393/rbcv75n0a-66498. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/66498. Acesso em: 17 abr. 2024.
Seção
Cartografia e SIG
Biografia do Autor

Alexei Nowatzki, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Doutor e Mestre pelo programa de Pós-Graduação em Geografia na Universidade Federal do Paraná (UFPR) pela linha de pesquisa Paisagem e Análise Ambiental, com desenvolvimento de pesquisa em mapeamentos digitais de solos (MDS) aplicados no Noroeste e litoral do estado do Paraná. Graduação (Licenciatura e Bacharelado) em Geografia pela UFPR com participação de Iniciação Científica nos laboratórios de Hidrogeomorfologia (LHG-UFPR) e de Biogeografia e Solos (LABS-UFPR), com pesquisa no âmbito da legislação ambiental brasileira (delimitação de APP?s em ambiente SIG de bacias hidrográficas do litoral paranaense). Possui ainda pós-doutorado em Ciências Geodésicas (UFPR) na temática da gestão de recursos hídricos e do território da bacia hidrográfica do Paranapanema, pela linha de pesquisa Cartografia e SIG, com parceria da Agência Nacional de Águas (ANA). Dentro das Geociências tem experiência em Pedologia, Geomorfologia, Cartografia, Geoprocessamento e também na área da Educação em Geografia.

Luciene Stamato Delazari, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Possui graduação em Engenharia Cartográfica pela Universidade Federal do Paraná (1993), mestrado em Ciências Geodésicas pela Universidade Federal do Paraná (1996) e doutorado em Engenharia de Transportes pela Universidade de São Paulo (2004). Realizou estágio pós-doutoral na University of Nottingham (UK), na área de generalização cartográfica. Atualmente é prof. Associado da Universidade Federal do Paraná, bolsista produtividade em pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico nível 1D. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Cartografia e SIG. Seus principais trabalhos estão relacionados ao desenvolvimento de implantação de SIG; avaliação de interfaces para produtos cartográficos, especificamente nos aspectos de interatividade e proposição de interfaces cartográficas considerando os diferentes usos e usuários de mapas; generalização cartográfica. Atualmente coordena o Centro de Pesquisas Aplicadas em Geoinformação - CEPAG (www.cepag.ufpr.br). Membro do Comitê de Assessoramento de Geociências do CNPq (2020-2023). Vice-Chair of the User Experience Commission - International Cartographic Association.

Eduardo Vedor de Paula, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Possui graduação e mestrado em Geografia pela UFPR (Universidade Federal do Paraná). Concluiu doutorado também em Geografia pela UFPR (2010), sendo bolsista DTI-1 do CNPq. Desenvolveu pós-doutorado em Ordenamento Territorial na UNCuyo (Mendoza/Argentina). Tem experiência em docência no ensino superior e no desenvolvimento de projetos técnicos e acadêmicos na área de geoprocessamento aplicado a estudos ambientais. Está vinculado ao Departamento de Geografia e ao Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFPR, onde desenvolve pesquisas na área de Planejamento e Gestão Ambiental do Território. Atualmente é Vice-Diretor do Setor de Ciências da Terra da UFPR, coordenador do Laboratório de Geoprocessamento e Estudos Ambientais (LAGEAMB-UFPR), representante do Brasil na RIDOT (Red ìberoamericana de Observación Territorial) e integra a Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, gerida pela Fundação Grupo Boticário. Também preside o Conselho Gestor do Programa de Conservação da Biodiversidade do Litoral do Paraná (TAJ Litoral do Paraná). Faço tudo isso pela paixão à Geografia e, sobretudo, por entender a universidade pública como relevante ferramenta de transformação social.

Referências

ABREU, M. V. S.; OLIVEIRA, J. C. DE; ANDRADE, V. D. A.; MEIRA, A. D. Proposta metodológica para o cálculo e análise espacial do IDH intraurbano de Viçosa – MG. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 28, n. 1, p. 169-186, 2011. DOI: 10.1590/S0102-30982011000100009.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA) Comitês de Bacia Hidrográfica. Brasília, 2021. Disponível em: < https://www.ana.gov.br/aguas-no-brasil/sistema-de-gerenciamento-de-recursos-hidricos/comites-de-bacia-hidrografica> Acesso em: 09 abr 2021.

ANDRIOTTI, J. L. S. Fundamentos de estatística e geoestatística. São Leopoldo, Ed. Unisinos, 165p. 2003.

BUSSAB, W.O.; MORETTIN P.A. Estatística Básica, Ed. Saraiva, São Paulo, 9 ed. 576p. 2017.

DUARTE, L. T.; SILVA, D.B.N.; BRITO, J.A.M. Análise de para dados do Censo Demográfico 2010: uma investigação de fatores associados a erros não amostrais do levantamento de dados. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v.33, n.3, p.679-701, 2016. DOI: 10.20947/S0102-30982016c0011.

FRANÇA, V. O.; STRAUCH, J. C. M.; AJARA, C. Método dasimétrico inteligente: uma aplicação na mesorregião metropolitana de Belém. Revista Brasileira de Cartografia, Uberlândia, v. 66, n. 6, 2014. DOI: 10.14393/rbcv66n6-44721.

GOMES, J. V. P.; BARROS, R. S. A importância das Ottobacias para gestão de recursos hídricos. In: XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2011, Curitiba - PR. XV SBSR, 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Recenseamento Geral do Brasil no ano de 2000 (para unidades da federação e municípios). Rio de Janeiro, 2000.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Grade Estatística. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Portal IBGE, Brasília, 2020. Disponível em: < https://www.ibge.gov.br/>. Acesso em: 26 ago 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). O que é o PIB. Brasília, 2020b. Disponível em: < https://www.ibge.gov.br/explica/pib.php/> Acesso em: 27 ago 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Malha de Setores Censitários. Brasília, 2021. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/geociencias/organizacao-do-territorio/estrutura-territorial/26565-malhas-de-setores-censitarios-divisoes-intramunicipais.html?=&t=saiba-mais-edicao).> Acesso em: 11 out 2021

LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO E ESTUDOS AMBIENTAIS (LAGEAMB). Base de Dados Geoespaciais e Gestão Documental de Projetos. Org..: PAULA, E. V.; PAZ, O. L. S.; SILVA, V. C.; NOWATZKI, A.; WROBLEWSKI, C. A.; PILATTI, D. M.; RIBEIRO, E.; SILVA, E. N.; SENGER, G.; COUTO, J. P. B.; CORDEIRO, M. F. O.; PAI, M. O. D.; SANTOS, R. V.; VIKOU, S. V. P. 54p. Nota Técnica. Universidade Federal do Paraná. Curitiba. 2020.

MACEDO, D. R.; MAGALHÃES JR. A. P. Evaluation urban stream restoration project through water quality analysis and survey of the neighbourhood residents. In: International Conference Sustenaible Techniques and Strategies in Urban Water Management, n. 7, p. 1-9, Lyon, France: Graie, 2010.

MENNIS, J.; HULTGREN, T. Dasymetric mapping for disaggregating coarse resolution population data. Proceedings of the 22nd Annual International Cartographic Conference, p. 9-16. 2005.

MOON, Z. K; FARMER, F. L. Population density surface: a new approach to an old problem. Society & Natural Resources, v. 14, n. 1, p. 39-51, 2001. DOI: 10.1080/08941920120013

MOORE, D. S. A estatística básica e sua prática. Rio de Janeiro: LTC, 7 ed., 2017.

MORAIS JUNIOR, H. DE S.; SILVA, S. L. B. DA. Mapeamento dasimétrico e interpolação de dados censitários e imagem orbital para análise da dilatação do sítio urbano da cidade de Belém do Pará. Revista Geonorte, v. 10, n. 36, p. 95-109, 2019. DOI: 10.21170/geonorte.2019.V.10.N.36.A95.109.

NEVES, O. M. S.; STRAUCH, J. C. M.; AJARA, C. Dasymetric methods applied to Jacarepaguá watershed. Boletim de Ciências Geodésicas, Curitiba, v. 23, n. 4, p. 606-622, 2017. DOI: 10.1590/S1982-21702017000400040.

OLIVEIRA, L. A. P.; SIMÕES, C.C.S. O IBGE e as pesquisas populacionais Revista Brasileira de Estudos de População, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 291-302, 2005. DOI: 10.1590/S0102-30982005000200007.

OLIVEIRA, F. F.; MAGALHÃES JR., A. P. Disponibilidade de dados socioeconômicos para a gestão de bacias hidrográficas no Brasil. Em: XX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, v. 1, p. 102-113, 2013.

PAZ, O. L. S.; DAL PAI, M. O.; PAULA, E. V. Proposta metodológica para elaboração de base de dados geoespaciais como subsídio a estudos ambientais: aplicação em unidades de conservação do litoral norte do Paraná. Revista Brasileira de Geografia Física, Recife, v. 13, n. 2, p. 613-629, 2020. DOI: 10.26848/rbgf.v13.2.p613-629.

PEDRO, A. A.; QUEIROZ FILHO, A. P. de. Avaliação da grade estatística em aglomerados subnormais: Estudo de caso da subprefeitura de São Mateus - SP. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 69, n. 2, 2017. DOI: 10.14393/rbcv69n2-44018.

PLANO INTEGRADO DE RECURSOS HÍDRICOS (PIRH). Unidade de Gestão de Recursos Hídricos Paranapanema (PIRH Paranapanema), Brasília, 335p, 2016. Disponível em: < https://www2.paranapanema.org/plano-de-bacia/> Acesso em 09 mai. 2021.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD). O que é desenvolvimento humano. Brasília, 2022. Disponível em: <https://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0.html> Acesso em: 11 out 2022.

PFAFSTETTER, O. Classificação de Bacias Hidrográficas – Metodologia de Codificação. Rio de Janeiro, RJ: DNOS, 1989.

PROCHNOW, M. C. R. Planejamento de bacias hidrográficas – Semana do Meio Ambiente, In: Anais Livroceres. Campinas, Brasil. Campinas: Fund. Cargill; p. 31-39, 1988.

SANTOS, A. M.; HOMES, D. C. S. C.; RAMOS, H. F. Densidade demográfica: um estudo comparativo de duas metodologias a partir de imagens orbital e suborbital na cidade de Aparecida de Goiânia/Goiás. Ateliê Geográfico, [S. l.], v. 12, n. 1, p. 175–200, 2018. DOI: https://doi.org/10.5216/ag.v12i1.45968

SILVA, J. G. Segredos da Estatística para Geografia. Cadernos Geográficos. Florianópolis, n.35, 128 p. 2016.

SILVA, A. P; MORATO, R. G.; KAWAKUBO, F. S. Mapeamento da distribuição espacial da população utilizando o método dasimétrico: exemplo de caso no sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física, Recife, v. 6, p. 37-48, 2013. DOI: 10.26848/rbgf.v06.1.p037-048.

SILVEIRA, R. M. P. Cartografia Temática. 1. ed. Curitiba: Intersaberes, 2019.

SLOCUM, T. A.; MCMASTER, R. B.; KESSLER, F. C.; HOWARD, H. H. Thematic Cartography and Geovisualization. 3rd ed. EUA: Prentice Hall Series in Geographic Information Science, 2009.

TOZZI, B. K. M.; KRÜGER, C. M.; GALLEGO, C. E. C.; RAMINA, R. H.; TOZZI, R. F.; TASCHELMAYER, C. Proposta de metodologia para determinação de disponibilidades hídricas superficiais no planejamento de recursos hídricos, utilizando interpolação espacial e construção de superfícies de vazão. In: XX Simpósio Brasileiro De Recursos Hídricos, Bento Gonçalves – RS, 2013.

UMBELINO, G. J. M.; BARBIERI, A. F. Metodologia para a compatibilização de setores censitários e perímetros urbanos entre os censos de 1991, 2000 e 2010. In: XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 2008, Caxambu - MG. Anais do XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 2008.

WEBER, E. M. DasyTools: A user-friendly dasymetric mapping toolkit with automated accuracy assessments. 2010, 105 f. Tese (Doutorado em Geografia), University of Kansas, Lawrance, 2010.