Teorizações e Vontades

purificação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/OT2021v23.n.3.58365

Palavras-chave:

ciência, arte, cultura, currículo, híbrido

Resumo

A purificação da ciência e a assepsia do currículo, de conteúdos e de metodologias tradicionais não nos permite perceber um olhar diferente e mais amplo para os aspectos de aprendizagem e ensino dos processos da cientificidade e nem da construção do conhecimento científico. Como localizar a ciência na rede complexa de construção do conhecimento e qual a relação e aproximação que se pode fazer desses conhecimentos com os estudos da arte? É possível olhar a ciência através dos óculos das Artes Híbridas? É possível (re)construir o conhecimento posto, curricularmente, de outra maneira? É possível pensar este currículo como um campo de disputas, no qual os caminhos da ciência têm sido purificados em busca de uma assepsia idealizada? Esses e outros questionamentos compuseram nossa pesquisa com alunos do curso de licenciatura em química, no qual percebemos, por parte desses universitários, a invisibilidade e a desarticulação da ciência em alguns cenários sociais (híbridos), através de uma oficina e de grupo focal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jardel Telles, UFRGS

Mestre em Educação em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação de Educação em Ciências – PPgECi, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Professor da Educação Básica pelo Estado do Rio Grande do Sul.   

Jorge Goulart de Candido, UFRGS

Mestrando em Educação em Ciências pelo PPgECi/UFRGS.

Rochele de Quadros Loguércio, UFRGS

Pós-doutora em Filosofia pela Universidad Complutense de Madrid, Doutora e Mestra em Bioquímica. Professora no Instituto de Química/UFRGS e no Programa de Pós-Graduação de Educação em Ciências – PPgECi/UFRGS

Referências

ARROJO, R. Modernidade e o desprezo pela tradução como objeto de pesquisa. ALFA – Revista de Lingüística: Tradução, desconstrução e pós-modernidade, São Paulo: Editora UNESP, vol. 44, n. esp. p. 71-87, 2001. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/4280

CHAUÍ, M. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2009.

FOUCAULT, M. Entrevista com Michel Foucault, por Sérgio P. Rouanet e J. G. Merquior. In: FOUCAULT, M.; ROUANET, S. P.; MERQUIOR, J. G.; LECOURT, D.; ESCOBAR, C. H. O homem e o discurso: a arqueologia de Michel Foucault. Rio de Janeiro: Edições Tempo Brasileiro, 1996, p. 34-36.

GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em Ciências Sociais e Humanas. Brasília: Liber Livro Editora, 2005.

HALL, S. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 22, n. 2, p. 15-46, jul./dez. 1997. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71361/40514

HOFSTEIN, A., AIKENHEAD, G., RIQUARTS, K. Discussions over STS at the fourth IOSTE symposium. International Journal of Science Education, v. 10, n. 4, p. 357-366, 1988. DOI: https://doi.org/10.1080/0950069880100403

LATOUR, B. A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru: EDUSC, 2001.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro (RJ): Editora 34, 1994.

LOGUERCIO, R. Q.; Del PINO, J. C. Em defesa do filosofar e do historicizar conceitos científicos. Revista História da Educação, n. 23, p. 67-96, 2007. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/asphe/article/view/29270

LOPES, A. C. A disciplina química: currículo, epistemologia e história. Episteme. Porto Alegre, v. 3, n. 5, p. 119-142, 1998.

LYOTARD, J. O Pós-Moderno. 3 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1991.

NUNES, A. K. E. ; COSTA, C. M. ; JOHN, R. . A Instalação: Reflexões sobre sua Prática e seus Domínios. In: COSTA, C. M.; JOHN, R. (Org.). Vetor. 1 ed. Novo Hamburgo: Universidade Feevale, 2009, p. 248-259.

POMBO, O. Epistemologia da Interdisciplinaridade. Ideação, v. 10, n. 1, p. 9–40, 2010. DOI: 10.48075/ri.v10i1.4141. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/ideacao/article/view/4141

SANTOMÉ, J. T. Política educativa, multiculturalismo e práticas culturais democráticas nas salas de aula. Revista Brasileira de Educação, n. 4, p. 5-25, jan./fev./mar./abr. 1997. Disponível em: http://anped.tempsite.ws/novo_portal/rbe/rbedigital/RBDE04/RBDE04_03_JURJO_TORRES_SANTOME.pdf

SANTOS, B. S. Um Discurso Sobre as Ciências na Transição para uma Ciência Pós-Moderna. Estud. av., São Paulo , v. 2, n. 2, p. 46-71, 1988. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40141988000200007

SANTOS, M. E. V. M. Ciência Como Cultura - Paradigmas e Implicações Epistemológicas na Educação Científica Escolar. Química Nova, v. 32, n. 2, p. 530-537, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-40422009000200043

SANTOS, W. L. P.; MORTIMER, E. F. Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência - Tecnologia - Sociedade) no contexto da educação brasileira. Revista Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, v. 2, n. 2, p. 110-132. 2000, DOI: https://doi.org/10.1590/1983-21172000020202

SILVA, T. T. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

Downloads

Publicado

2021-10-15

Como Citar

TELLES, J. .; CANDIDO, J. G. de .; LOGUÉRCIO, R. de Q. . Teorizações e Vontades: purificação. Olhares & Trilhas, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 1258–1277, 2021. DOI: 10.14393/OT2021v23.n.3.58365. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/58365. Acesso em: 24 set. 2022.