Corpus-amostra português do século XVIII

textos antigos de medicina em atividades de ensino e pesquisa

Autores

  • Maria José Bocorny Finatto UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL33-v12n1a2018-15

Palavras-chave:

Textos antigos, Textos de Medicina, Lexicologia histórica, Linguística de Corpus, Léxico-estatística

Resumo

De acordo com os princípios da Linguística de Corpus, este artigo apresenta um conjunto de procedimentos iniciais para o desenho de um corpus composto por uma amostra de textos médicos antigos impressos em português do século XVIII sobre o tema "doenças e seus tratamentos". Este corpus-amostra será parte de um ambiente virtual dedicado ao estudo de temas históricos de Lexicologia e de Terminologia. Um estudo piloto foi conduzido para verificar as vantagens e desvantagens do tratamento de um conjunto de textos com a ortografia original e com a ortografia atualizada com o uso de duas ferramentas computacionais para processamento de corpora, AntConc e TermoStat. Os resultados iniciais indicam vantagens de se trabalhar com as formas ortográficas antigas. Finalmente, o artigo destaca a importância dos acervos históricos - especialmente em português - para diferentes tipos de pesquisas em Lexicologia e áreas afins, além de indicar a importância dos estudos diacrônicos de vocabulário e terminologias médicas em documentos antigos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria José Bocorny Finatto, UFRGS

Docente do Departamento de Linguística, Filologia e Teoria Literária da UFRGS, orientador de mestrado e de doutorado junto ao PPG-Letras da UFRGS na linha de pesquisa Lexicografia e Terminologia: Relações textuais, Especialidade: Teorias do Léxico.

Referências

ANTHONY, L. AntConc (Version 3.4.3) [Computer Software]. Tokyo, Japan: Waseda University, 2014. Disponível em http://www.laurenceanthony.net/

BERBER SARDINHA, T.. Linguística de Corpus. Barueri-SP, São Paulo: Manole, 2004.

BIDERMAN, M. T. C. Conceito linguístico de palavra. In: BASILIO, M. (Org.). Palavra. Rio de Janeiro: Grypho, 1999. v.1, p. 81-97.

BIDERMAN, M. T. C. A face quantitativa da linguagem: um dicionário de frequências do português. Alfa, Araraquara, UNESP, v.42, p. 157-78, 1998.

CUCATTO, L. A. Extradev: um sistema de extração semiautomático de deverbais em corpus do português histórico e contemporâneo. Anais do X Encontro do CELSUL – Círculo de Estudos Linguísticos do Sul UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná- Cascavel-PR | 24 a 26 de outubro de 2012 | ISSN 2178-7751, 2012, p. 1-10.

DROUIN, P. 2003. Term extraction using non-technical corpora as a point of leverage. Terminology. Amsterdam, The Netherlands, John Benjamins, v. 9 (1), p. 99-117, 2003.

DUARTE, L. G. O correr da pena nas Gazetas Manuscritas. A identidade de formas (1735-1738). Cadernos de Cultura. Lisboa: Centro de História da Cultura da Universidade Nova de Lisboa, 2012.

QUARESMA, P. Análise linguística de documentos da Biblioteca Pública de Évora. Uma abordagem informática In: GONÇALVES, M. F; BANZA, A. P. (coord.), Património textual e humanidades digitais: da antiga à nova Filologia. Évora: Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora (CIDEHUS)/ Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), 2013. Disponível em: http://books.openedition.org/cidehus/1091

KRIEGER, M. da G.; FINATTO, M. J. B. Introdução à Terminologia: Teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2004.

LOURENÇO, T. S. O médico entre a tradicão e a inovacão: João Curvo Semedo. Dissertacão (Mestrado) – Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia. Departamento de História, Niterói-RJ, 2016. Disponível em: http://www.historia.uff.br/stricto/td/2002.pdf

MURAKAWA, C. de A. A construção de um dicionário histórico: o caso do Dicionário Histórico do Português do Brasil - séculos XVI, XVII e XVIII. Estudos de Linguística Galega. 3 Agosto 2014, vol. 6, no. 0, 2014. [consultado: 21 Novembro 2015]. Disponível em: http://www.usc.es/revistas/index.php/elg/article/view/2084

PAIXÃO DE SOUSA, M. C. A Filologia Digital em Língua Portuguesa: Alguns caminhos. In: In: GONÇALVES, M. F.; BANZA, A. P. (coord.). Património textual e humanidades digitais: da antiga à nova Filologia. Évora: Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora (CIDEHUS)/ Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), pp. 113-138, 2013. Disponível em http://books.openedition.org/cidehus/1089

SEMEDO, J. C. Observaçoens medicas doutrinaes de cem casos gravíssimos, que em serviço da pátria, & das nações estranhas escreve em língua portugueza, & latina. Lisboa: Officina de Antonio Pedrozo Galram, 1707. 616p.

Downloads

Publicado

29-03-2018

Como Citar

FINATTO, M. J. B. Corpus-amostra português do século XVIII: textos antigos de medicina em atividades de ensino e pesquisa. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 12, n. 1, p. 435–464, 2018. DOI: 10.14393/DL33-v12n1a2018-15. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/40004. Acesso em: 17 maio. 2022.