Recursos multimodais em cinco dicionários escolares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex-v7a2021/22-2

Palavras-chave:

Metalexicografia, Multimodalidade, Dicionários escolares, Imagens, Remissivas

Resumo

O significado textual pode ser reforçado pelo valor da informação, da sua composição, da sua saliência e também da sua disposição, por isso, dispositivos multimodais, se bem organizados, podem ajudar o estudante a compreender mais amplamente o texto lexicográfico; logo, ao explorarmos sua utilização, podemos lançar luz sobre a lexicografia multimodal. À vista disso, neste artigo, pretendemos refletir sobre alguns dos mecanismos multimodais presentes em cinco dicionários escolares que compõem o PNLD 2012: Dicionários (Programa que divide as obras em quatro grupos), quais sejam: Dicionário Aurélio Ilustrado (FERREIRA, 2008), Dicionário Ilustrado de Português (BIDERMAN, 2009), Palavrinha Viva (BORBA, 2011), Saraiva Jovem (SARAIVA; OLIVEIRA, 2011) e Aurélio Júnior (FERREIRA, 2011). Baseando-nos em Bernhardt (2004), Mozdzenski (2006), Kress e Van Leeuwen (2007), Farias (2010), Nascimento e Pontes (2011; 2020), constatamos que as ilustrações e as remissivas, entre outros elementos multimodais são eficientes para complementar os sentidos das unidades lexicográficas. Foram selecionados 38 verbetes representativos dessas cinco obras dicionarísticas para análise. Comparando-os, constatamos essa eficiência dos itens multimodais – imagens, tamanhos diferentes de fontes, destaques em negrito e em itálico, cores variadas, remissivas, anexos etc. – para o ensino, pois, na maioria das vezes, esclarecem a definição. Portanto, a integração lexicográfica entre as linguagens (escrita e imagética) contribui para a ampliação lexical dos estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Henrique de Carvalho Bertonha, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Doutorando junto ao Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos, pela UNESP/São José do Rio Preto. Mestre pela mesma instituição. Sua área de concentração corresponde à Linguística Aplicada, cuja linha de pesquisa é Lexicologia e Lexicografia, pela UNESP-IBILCE.  Pesquisa na área de Lexicografia, lidando com dicionários especiais. Atua como tradutor autônomo/freelancer e ministra aulas das respectivas línguas de formação.

Referências

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramaticalização. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1992.

BERNHARDT, S. A. Seeing the text. In: HANDA, C. (org.). Visual rhetoric in a digital world: a critical sourcebook. Boston: Bedford/St. Martin’s Press, 2004. p. 94-106.

BIDERMAN, M. T. C. Dicionário ilustrado de português. 2 ed. São Paulo: Ática, 2009.

BORBA, F. S. Palavrinha viva: dicionário ilustrado da língua portuguesa. Curitiba: Piá, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Com direito à palavra: dicionários em sala de aula / [elaboração Egon Rangel]. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2012. 148p.

DESCARDECI, M. A. A. S. Ler o mundo: um olhar através da semiótica social. ETD, Campinas, v. 3, n. 2, p. 19-26, 2002.

DIONISIO, A. P. Gêneros multimodais e multiletramento. In: KARWOSKI, A. M.; GAYDECZKA, B.; BRITO, K. S. (org.). Gêneros textuais: reflexões e ensino. Editora Nova Fronteira, 2008. p. 131-144.

FERREIRA, A. B. H. Aurélio Júnior: dicionário escolar da língua portuguesa. 2 ed. Curitiba: Positivo,2011.

FERREIRA, A. B. H. Dicionário Aurélio ilustrado. Curitiba: Positivo, 2008.

HAENSCH, G. Tipología de las obras lexicográficas. In: HAENSCH, G.; WOLF, L; ETTINGER, S.; WERNER, R. La lexicografia. Madrid: Editorial Gredos, 1982. p. 95-187.

FARIAS, V. S. O emprego de ilustrações como mecanismos de elucidação do significado das unidades léxicas nos dicionários semasiológicos. In: Anais do IX Encontro do CELSUL, Palhoça, SC, out. 2010.

KRESS, G.; VAN LEEUWEN, T. Reading images: the grammar of visual design. New York: Routledge, 2007.

MOZDZENSKI, L. P. A cartilha jurídica: aspectos sócio-históricos, discursivos e multimodais. Dissertação (Mestrado em Linguística). Recife, UFPE, 2006.

NASCIMENTO, F. I.; PONTES, A. L. Dicionários escolares: uma análise visual. Revista Linguagem em Foco, Fortaleza, v. 3, n. 5, p. 145–166, 2011. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/linguagememfoco/article/view/1856. Acesso em: 27 ago. 2021.

NASCIMENTO, F. I.; PONTES, A. L. Texto e imagem: a complementaridade intersemiótica em dicionários escolares Tipo 2. Fórum Linguístico, v. 17, p. 5088-5105, 2020.

PONTES, A. L. Dicionário para uso escolar: o que é, como se lê. Fortaleza: Ed. UECE, 2009.

PONTES, A. L. Multimodalidade em dicionários escolares. In: ISQUERDO, Aparecida Negri; BARROS, Lídia Almeida. (Org.). As ciências do Léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande: Ed. UFMS, 2010, v. V, p. 201-218.

PORTO DAPENA, J. Á. (2002). Manual de técnica lexicográfica. Madrid: Gredos, 2002.

SANTOS, T. M. R.; PONTES, A. L. Análise da distância social em verbetes de dicionários infantis ilustrados. Revista GTLex, v.2, n. 2, 2017, p. 284-315. https://doi.org/10.14393/Lex4-v2n2a2017-5

SARAIVA, K. S. A.; OLIVEIRA, R. C. G. Saraiva jovem: dicionário da língua portuguesa ilustrado. São Paulo: Saraiva, 2011.

Downloads

Publicado

16-03-2022

Como Citar

Bertonha, F. H. de C. (2022). Recursos multimodais em cinco dicionários escolares. Revista GTLex, 7. https://doi.org/10.14393/Lex-v7a2021/22-2

Edição

Seção

Artigos