A multimodalidade em dicionários de Libras

reflexões teóricas e aplicadas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex-v7a2021/22-4

Palavras-chave:

Lexicografia, Multimodalidade, Libras, Consulente surdo

Resumo

Neste trabalho, discorremos sobre a importância da multimodalidade em dicionários de Língua Brasileira de Sinais (Libras), a partir da análise de dois dicionários: o Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue Deit-Libras, de Capovilla, Raphael e Maurício (2009); e Dicionário da língua de sinais do Brasil: A Libras em suas mãos, produzido por Capovilla, Raphael, Temoteo e Martins (2019). Temos como propósito compreender como a multimodalidade interfere nas informações que compõem os verbetes dos dicionários selecionados. Nos fundamentamos por pressupostos teóricos e metodológicos da Lexicografia, que nos possibilitou perceber a potencialidade multissemiótica presente nestes dicionários e, sobretudo, reconhecê-los como patrimônio cultural de seus consulentes, assim como variável contextual de Modo da Linguística Sistêmico-funcional, sob a qual se respalda a multimodalidade. Nossas análises indicam que, para além do enriquecimento das informações lexicográficas abordadas na estrutura do dicionário, a multimodalidade funciona como mecanismo de organização didática dos registros possíveis em dicionários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cíntia Débora de Moraes Cinti, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Doutoranda em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Renato Rodrigues-Pereira, UFMS

Doutor em Linguística e Língua Portuguesa. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Referências

ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. 3 ed. Lisboa: Editorial Presença/Martins Fontes, 1980.

ANATER, G. I. P. As marcações linguísticas não-manuais na aquisição da língua de sinais brasileira (Libras): um estudo de caso longitudinal. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

AZORÍN FERNÁNDEZ, D. La Lexicografia como disciplina linguística. In: MEDINA GUERRA, A. M. (org.). Lexicografia española. Barcelona: Ariel Linguística, 2003. p. 31-52.

BEZERRA, A. L.. Estudos das interações multimodais em verbetes no dicionário visual online Merriam-Webster. 2019. 255 f. Tese (Doutorado em Letras) - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Pau de Ferros, 2019.

BIDERMAN, M. T. C. As Ciências do Léxico. In: OLIVEIRA, A. M. P. P.; ISQUERDO, A. N. As Ciências do Léxico: Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. 2. ed. Campo Grande: Editora UFMS, 2001. p. 13-22.

BORBA, L. C.; MIRANDA, F. V. B. Análise de cinco dicionários semasiológicos de língua espanhola: a correlação entre o front matter e a macro e a microestrutura. Extensio: periódico online UFSC, Santa Catarina, v. 9, n. 14. p. 32-43. 2º semestre 2012. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/extensio/article/view/1807-0221.2012v9n14p32/24297. Acesso em: 27 jun. 2021. DOI https://doi.org/10.5007/1807-0221.2012v9n14p32

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm. Acesso em: 08 jul. 2021.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 25 jun. 2021.

CAMPELLO, A. R. S. Aspectos da visualidade na educação de surdos. 2008. 245 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

CAPOVILLA, F. C.; RAPHAEL, W. D.; MAURÍCIO, A. C. L. Novo Deit-Libras: Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da língua de sinais brasileira (Libras) baseado em Linguística e Neurociências Cognitivas. v.1: Sinais de A a H. v. 2: Sinais de I a Z. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Inep: CNPq: Capes, 2009.

CAPOVILLA, F. C.; RAPHAEL, W. D.; TEMOTEO, Janice Gonçalves; MARTINS, Antonielle C. Dicionário da Língua de Sinais do Brasil: A Libras em suas mãos. v.1: Sinais de A a D. v. 2: Sinais de E a O. v. 3: Sinais de P a Z. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2019.

CAPOVILLA, F. C.; TEMOTEO, J. G. A importância do Novo Deit-Libras para a educação bilíngue da criança surda. In: ANDREIS-WITKOSKI, S.; FILIETAZ, M. R. P. (org.). Educação de surdos em debate. 1. ed. Curitiba: Editora UTFPR, 2014. p. 103-127.

CASTILLO CARBALLO, M. A. La macroestrutura del diccionario. In: MEDINA GUERRA, A. M. (org.). Lexicografia Española. Barcelona: Ariel Linguística, 2003. p. 79-101.

DIONÍSIO, A. P. Gêneros multimodais e multiletramentos. In: KARWOSKI, A. M.; GAYDECZKA, B.; SIEBENEICHER, K. (orgs). Gêneros textuais: reflexões e ensino. 2. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006.

DURAN, M. S.; XATARA, C. M.. Critérios para categorização de dicionários bilíngues. In: ISQUERDO, A. N.; ALVES, I. M. As Ciências do Léxico. Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. 3.v. Campo Grande: Editora UFMS, 2007. p. 311-320.

FERREIRA BRITO, L. Por uma gramática de línguas de sinais. 2. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2010.

FUZER, C.; CABRAL, S. R. S. Introdução à gramática sistêmico-funcional em língua portuguesa. 1. ed. Campinas: Mercado de Letras, 2014.

GARRIGA ESCRIBANO, C. La microestructura del diccionario: las informaciones lexicográficas. In: MEDINA GUERRA, A. (org.). Lexicografia española. Barcelona: Ariel Linguística, 2003. p. 103-126.

GESSER, A. LIBRAS? Que língua é essa?: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

GOMES, L. F. Coerência intersemiótica: um estudo aplicado de três modelos de análise das relações imagem-texto. In: AZEVEDO, I. C. M.; COSTA, R. F. (org.). Multimodalidade e práticas de multiletramentos no ensino de línguas. São Paulo: Blucher, 2019. DOI https://doi.org/10.5151/9788580394085-12

HAENSCH, G. et al. La Lexicografía. De la Lingüística teórica a la Lexicografía práctica. Madrid: Editorial Gredos, 1982.

HALLIDAY, M. A. K. An introduction to functional grammar. 2. ed. London: Edward Arnold, 1994.

HALLIDAY, M. A. K; MATHIESSEN, M. I. M. An introduction to functional grammar. 3. ed. London: Arnold, 2004.

HALLIDAY. M. A. K. An Introduction to functional grammar. London: Edward Arnold, 1985.

ISQUERDO, A. N. Os estudos lexicográficos no Brasil: um percurso histórico. In: CARDOSO, S.; MEJRI, S.; MOTA, J. (org.). Os dicionários: fontes, métodos e novas tecnologias. Salvador: Vento Leste, 2011. p. 113-144.

KRIEGER, M. da G. O dicionário de língua como potencial instrumento didático. In: ISQUERDO, A. N.; ALVES, I. M. As Ciências do Léxico. Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. 3.v. Campo Grande: Editora UFMS, 2007. p. 295-309.

KRIEGER, M. da G. Tipologias de dicionários: registros de léxico, princípios e tecnologias. Calidoscópio, v. 4, n. 3, p. 141-147, 2006. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/149046/000583782.pdf?sequence=1. Acesso em: 02 jun. 2021.

LESSA-DE-OLIVEIRA, A. S. C.. Libras escrita: o desafio de representar uma língua tridimensional por um sistema de escrita linear. ReVEL. v. 10, n. 19, 2012. Disponível em: http://www.revel.inf.br/files/4566006ab74ecff8dc54d92e9649eb86.pdf..Acesso em: 03 jul. 2021.

LYONS, J. Linguagem e linguística: uma introdução. Tradução Marilda Winkler Averbug. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A, 1987.

MARTIN, J. R. English Text. Amsterdam: John Benjamins Publ. Co, 1992.

NASCIMENTO, F. I. do. Lexicografia multimodal: como as crianças percebem os recursos visuais dos dicionários infantis. Revista eletrônica Discursividades, Paraíba, v. 3, n. 2, UEPB 2018. Disponível em: http://revista.uepb.edu.br/index.php/REDISC/article/view/4951. Acesso em: 10 de jun. 2021.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2015.

ORLANDI, E. P. Discurso e Texto: formulação e circulação dos sentidos. 4. ed. Campinas: Pontes, 2012. p. 59-71.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6. ed. Campinas: Editora Unicamp, 2007. DOI https://doi.org/10.7476/9788526814707

PEREIRA, A. C. C.; CHOI, D.; VIEIRA, M. I.; GASPAR, P.; NAKASATO, R. Libras: Conhecimento além dos sinais. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

PORTO DAPENA, J. Á. Lexicografia y Diccionario. In: PORTO DAPENA, J. Á. Manual de técnica lexicográfica. Madrid: Arco Libros S.A., 2002. p. 15-41.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004. DOI https://doi.org/10.18309/anp.v1i16.560

RODRIGUES-PEREIRA, R. Parâmetros para a organização lexicográfica de formas homônimas homófonas não homógrafas destinados a dicionários pedagógicos. In: RODRIGUES-PEREIRA, R.; COSTA, D. de S. S. (org.). Estudos em Lexicografia: aspectos teóricos e práticos. Campinas, SP: Pontes Editores, 2020. p. 137-159.

RODRIGUES-PEREIRA, R; COSTA, D. de S. S. (org.). Estudos em Lexicografia: aspectos teóricos e práticos. Campinas, SP: Pontes Editores, 2020.

RODRIGUES-PEREIRA, R.; NADIN, O. L. Dicionário enquanto gênero textual: por uma proposta de categorização. Acta Scientiarum. Language and Culture, v. 41, n. 1, p. e43835, 6 jun. 2019. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciLangCult/article/view/43835/pdf. Acesso em: 30 jun. 2021. DOI https://doi.org/10.4025/actascilangcult.v41i1.43835

RUDGE, L. A. Analysing british sign language through the lens of systemic functional linguistics. 2018. 288 f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Universidade do Oeste da Inglaterra, Bristol, 2018.

SERAFINI, F. Reading the visual: an introduction to teaching multimodal literacy. New York: Columbya University, 2014.

SKLIAR, C. A surdez: um olhar sobre as diferenças. 3. ed. Porto Alegre: Mediação, 2005.

STROBEL, K. L. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Editora UFSC, 2008.

STUMPF, M. R. Aprendizagem de escrita de língua de sinais pelo sistema SignWriting: línguas de sinais no papel e no computador. 2005. 329 f. Tese (Doutorado em Informática na Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, CINTED, PGIE, 2005. DOI https://doi.org/10.22456/1982-1654.9717

WEEDWOOD, B. A tradição ocidental até 1900. In: WEEDWOOD, B. História concisa da linguística. Trad. Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2002. p. 21-101.

WELKER, H. A. Dicionários: uma pequena introdução à lexicografia. 2. ed. Brasília: Thesaurus, 2004.

ZAVAGLIA, C. Metodologia em ciências da linguagem: Lexicografia. In: GONÇALVEZ, A. V.; GÓIS, M. L. de S.. Ciências da Linguagem: o fazer científico? vol. 1. Campinas: Mercado de Letras, 2012. p. 231-264.

Downloads

Publicado

29-03-2022

Como Citar

de Moraes Cinti, C. D., & Rodrigues-Pereira, R. (2022). A multimodalidade em dicionários de Libras: reflexões teóricas e aplicadas. Revista GTLex, 7. https://doi.org/10.14393/Lex-v7a2021/22-4

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)