Análise da distância social em verbetes de dicionários infantis ilustrados

Autores

  • Thaísa Maria Rocha Santos Universidade Estadual do Ceará (UECE)
  • Antônio Luciano Pontes Universidade Estadual do Ceará (UECE)

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex4-v2n2a2017-5

Palavras-chave:

Metalexicografia, Dicionário infantil, Multimodalidade, Distância Social, Gramática do Design Visual

Resumo

Este trabalho traz a análise de verbetes de duas obras. Estas são dois dicionários consagrados no mercado editorial: Aurelinho. Dicionário Infantil ilustrado da Língua Portuguesa (2008) e Meu Primeiro Dicionário Houaiss (2010). Foram analisados os recursos semióticos presentes em alguns verbetes dessas obras, os quais foram escolhidos tendo como base critérios que priorizassem coincidências de ocorrências entre os dois dicionários. Ao todo, foram analisados 22 verbetes, sendo 11 de cada dicionário, à luz da Multimodalidade e da Metalexicografia. Analisou-se a distância social nos verbetes ilustrados, tendo como base a Teoria da Gramática do Design Visual (GDV), e observou-se a organização dos verbetes dos dicionários infantis, tendo como referência as teorias da Metalexicografia, por meio de estudos de teóricos como Zavaglia (2011), Pontes (2009), dentre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaísa Maria Rocha Santos, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Doutoranda em Linguística Aplicada pela UECE e membro do grupo de pesquisa LETENS. Atua na área da lexicografia, metadiscurso e multimodalidade.

Antônio Luciano Pontes, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Doutor em Linguística pela UNESP. Desenvolve pesquisa nas áreas de Geolinguística, Lexicografia teórica, fazendo interface com a Teoria da Multimodalidade, Análise do Discurso, Geografia Linguística.

Referências

BRASIL. Com direito à palavra: dicionários em sala de aula. Brasília: MEC; SEB, 2012.

CASARES, J. Novíssimo dicionário inglês-español, español-inglês. Madrid: Saturmino Calleja, 1992.

DAMIN, C.; PERUZZO, M. S. Uma descrição dos dicionários escolares no Brasil. Cadernos de Tradução: tradução e lexicografia pedagógica. Florianópolis, v.18, n. 2, 2006.

DANTAS, H. Wikipedia e Dicionário Escolar: Links entre o Letramento Digital e Letramento Lexicográfico. In: ARAÚJO, J, C,; DIEB, M, (org). Letramentos na Web. Gêneros, Interação e Ensino. Fortaleza: Edições UFC, 2009. p. 210-234.

FARIAS, V. S. O emprego de ilustrações como mecanismos de elucidação do significado das unidades léxicas nos dicionários semasiológicos. In: Anais do IX Encontro do CELSUL, Palhoça, SC, out. 2010

FERREIRA, A. B. de H. Dicionário Aurélio Infantil da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

GANGLA, L. A. Pictorial illustrations in dictionaries. 2001. 84f. Dissertation (Magister Artium) – University of Pretoria, Pretoria, 2001. Disponível em: http://upetd.up.ac.za/thesis/available/etd-02272003-142207. Acesso em: 20 mai 2016.

HAENSCH, G. et al. La Lexicografia: de la Linguística teórica a la Lexicografia práctica. Madrid: Gredos, 1982. es, S.A, 2000.

HALLIDAY, M. A. K. As bases funcionais da linguagem. In: DASCAL, M. (Org.). Fundamentos metodológicos da lingüística. São Paulo: Global, 1978. v.1 (Global universitária: Série linguagem, comunicação e sociedade). p. 125-161.

HAUSMANN, F.J. La définition est-elle utile? Regard sur les dictionnaires allemands, anglais et français. In: CHAURAND, J.; MAZIÈRE, F. (Eds.). La définition. Paris: Larousse, 1990. p.225-233

HOUAISS, A. Meu primeiro dicionário Houaiss. 2.ed Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.

KRESS, G. R.; Van LEEUWEN, T. Reading images: the grammar of visual design. 1. ed. London and New York: Routledge, 1996.

KRESS, G. R.; Van LEEUWEN, T. Reading images: the grammar of visual design. 2. ed. London and New York: Routledge, 2006.

LANDAU, S. Dictionaries. The art and craft of lexicography. 2.ed. Cambridge: CUP, 2001.

MARTÍN, M. del C.A. El diccionario en le aula: sobre los diccionarios escolares destinados a la enseñanza y aprendizaje del español com lee lengua maternal. Granada: Ed. Universidad de GRANADA, 2000.

PONTES, A. L. Dicionário para uso escolar. O que é. Como se lê. Fortaleza: EdUECE, 2009.

PORTO DAPENA, J.-Á. Manual de técnica lexicográfica. Madrid, Arcos Libros S.L., 2002.

SANTOS, F. R. Multimodalidade e produção de sentidos em editoriais de revistas, 2011. 195 f. Dissertação (Mestrado em linguística) - Departamento de Letras, da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN. 2011.

ZAVAGLIA, C. A lexicografia para o público infantil: uma análise macroestrutural de dicionários brasileiros. In: Anais do SILEL. v. 2, n. 2. Uberlândia: EDUFU, 2011.

ZGUSTA, L. Manual of Lexicography. Prague/Paris: Academia/Mouton, 1971. DOI: https://doi.org/10.1515/9783111349183

Downloads

Publicado

03-01-2019

Como Citar

Santos, T. M. R., & Pontes, A. L. (2019). Análise da distância social em verbetes de dicionários infantis ilustrados. Revista GTLex, 2(2), 284–315. https://doi.org/10.14393/Lex4-v2n2a2017-5