Em busca de traços de conservadorismos lexicais

um estudo na fala capixaba

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex12-v6n2a2021-4

Palavras-chave:

Léxico, Conservadorismo linguístico, Variação diatópica, Geolinguística

Resumo

Este trabalho tem como objetivo discutir relações entre o léxico e o fenômeno do conservadorismo linguístico, com base no exame de uma amostra do vocabulário de falantes de quatro cidades do interior do estado do Espírito Santo, documentada pela equipe de pesquisa do Projeto ALiB (Atlas Linguístico do Brasil). Os dados lexicais analisados foram obtidos por meio das perguntas 075, 076, 077 e 078, do Questionário Semântico-lexical do Projeto ALiB, área semântica da fauna, mais especificamente as partes do cavalo e do boi. O estudo orienta-se por fundamentos teóricos da Lexicologia, da Dialetologia e da Geolinguística e busca verificar, do ponto de vista diatópico, a presença de fatores de natureza histórica e sociocultural que podem contribuir para o processo de conservação lexical na fala de grupos representativos de cidades do interior do Brasil, no caso do estado do Espírito Santo. Em síntese, o estudo demonstrou aspectos da relação entre o léxico e a história social das localidades pesquisadas, além de ter apontado indícios de marcas de conservadorismo no vocabulário do grupo investigado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sânia Fontoura Fernandes, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Mestranda   em   Estudos   de   Linguagens   pela   UFMS/Campo Grande.

Aparecida Negri Isquerdo, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutora em Letras (Linguística e Língua Portuguesa) pela UNESP/Araraquara. Docente permanente na Pós-Graduação stricto sensu da UFMS – Estudos de Linguagens/FAALC e Letras/CPTL. 

Referências

AMARAL, A. O dialeto Caipira. 3ª. ed. São Paulo: Hucitec, 1976.

ARAÚJO, J. de S. A. P. e. Memorias históricas do Rio de Janeiro e das províncias anexas à jurisdicção do Vice-Rei do Estado do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Régia, 1820. Biblioteca digital do Senado. v. 2. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/item/id/182898 . Acesso em : 24 out. 2019.

ASSUMPÇÃO, JR. A. P. Dinâmica léxica portuguesa. Rio de Janeiro: Presença, 1986.

AULETE, F. J. C.; VALENTE, A. L. dos S. Aulete Digital: Dicionário Contemporâneo de Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Lexikon Editora Digital, 2006. Disponível em: http://aulete.com.br. Acesso em : maio 2021.

BLUTEAU, R. Vocabulário Portuguez & Latino. Coimbra: Colégio das Artes da Companhia de Jesus, 1712-1728. (Acervos on-line). Disponível em: https://www.bbm.usp.br/pt-br/dicionarios/. Acesso em: 10 nov. 2019.

BIDERMAN, M. T. C. Teoria lingüística. Teoria lexical e lingüística computacional. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BIDERMAN, M. T. C. O léxico, testemunha de uma cultura. XIX Congresso Internacional de Linguística e Filoloxia Romanicas, 1992, Santiago de Compostela. Actas do XIX Congreso Internacional de Linguistica e Filoloxia Romanicas. A Coruña: Fundación Pedro Barrié de la Maza, Conde de Fenosa, 1989, p. 397-405.

BIDERMAN, M. T. C. Conceito lingüístico de palavra. Palavra. n. 5, Rio de Janeiro: Grypho, p. 81-97, 1999. DOI https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v0i2p81-118

CARDOSO, S. Geolinguística: tradição e modernidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

CARDOSO, S. et al. Atlas Linguístico do Brasil. Vol. 1 (Introdução). Londrina: EDUEL, 2014a.

CARDOSO, S. et al. Atlas Linguístico do Brasil. Vol. 2 (Cartas Linguísticas). Londrina: EDUEL, 2014b.

COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALiB. Atlas Linguístico do Brasil: Questionários 2001. Londrina: EDUEL, 2001.

CUNHA, C. Conservação e inovação no Português no Brasil. O eixo e a Roda. Belo Horizonte, n. 5, p. 199-230, 1986. DOI https://doi.org/10.17851/2358-9787.5.0.199-230

CUBA, M. A.; ISQUERDO, A. N. Vocabulário da área semântica do cavalo na região Centro-Oeste: um estudo com dados geolinguísticos. Estudos Linguísticos e Literários. Salvador, n. 41, p. 259-290, janeiro/junho, 2010.

DIEGUES JUNIOR, M. Regiões Culturais do Brasil. Rio de Janeiro: MEC. INEP. Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais, 1960.

DUBOIS, J. et. al. Dicionário de linguística, 19ª ed. São Paulo: Cultrix, 1993.

FERREIRA, A. B. de H. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 4 ed. Curitiba: Ed. Positivo, 2009.

HOUAISS, A. Dicionário Eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Região Sudeste. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html?=&t=downloads. Acesso em: 15 maio 2021.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Barra de São Francisco. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv27295_22.pdf. Acesso em : 15 maio 2021.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades. Barra de São Francisco. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/es/barra-de-sao-francisco/panorama. Acesso em : 20 maio 2021.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. São Mateus. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv27295_22.pdf. Acesso em : 20 maio 2021.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Santa Teresa. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/es/santa-teresa/historico. Acesso em: 15 maio 2021.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades. Santa Teresa. Disponível em: IBGE: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/es/santa-teresa/panorama. Acesso em: 15 maio 2021.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades. Alegre. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/es/alegre/historico. Acesso em: 16 maio 2021.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Alegre. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html?=&t=downloads. Acesso em: 16 maio 2021.

ISQUERDO, A. N. Léxico em tempo e espaço: a questão dos regionalismos. In: MARIN, J. R; VASCONCELOS, C. A. (org.). História, região e identidades. Campo Grande: Editora da UFMS, 2003. p. 165-181.

ISQUERDO, A. N. Léxico regional: análise de algumas marcas de conservadorismo linguístico. Estudos Lingüísticos (São Paulo), São Paulo, v. 25, p. 568-574, 1996.

MACHADO, J. P. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. 4ª ed. Lisboa: Livros Horizonte, 1987.

MATTOS E SILVA, R. V. O conceito relativo de neologismo e arcaísmo: um estudo pancrônico. In: OLIVEIRA, K.; CUNHA E SOUZA, H. F..; SOLEDADE, J. (org.). Do português arcaico ao português brasileiro: outras histórias. Salvador: EDUFBA, 2009. p. 11-20.

MUNICÍPIOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Densidade. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados.html?view=municipio. Acesso em 27 nov. 2019.

OLIVEIRA, A. M. P. P. de.; ISQUERDO, A. N. Apresentação. In: OLIVEIRA, A. M. P. P. de.; ISQUERDO, A. N. As Ciências do Léxico. Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. 2ª ed. Campo Grande/MS: Editora UFMS, 2001. p. 13-21.

SAUSSURE, F. de. Curso de Linguística Geral. 27ª ed. São Paulo: Cultrix, [1916] 2006.

SILVA, A. de M. Diccionario da língua portugueza. Lisboa, Typographia Lacerdina, 1813. Disponível em: http://www.brasiliana.usp.br/dicionario/edicao/2. Acesso em : 27 nov. 2019.

Downloads

Publicado

24-09-2021

Como Citar

Fernandes, S. F., & Isquerdo, A. N. (2021). Em busca de traços de conservadorismos lexicais: um estudo na fala capixaba. Revista GTLex, 6(2), 442–470. https://doi.org/10.14393/Lex12-v6n2a2021-4