Denominações para “mulato” no Atlas Linguístico de Mato Grosso do Sul

aspectos léxico-culturais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex-v9a2023/24-1

Palavras-chave:

Mulato, Léxico, Atlas Linguístico de Mato Grosso do Sul, Língua, Culture

Resumo

Este trabalho analisa, sob as perspectivas léxico-semântica e cultural, as unidades lexicais registradas na Carta QSL 0237.a - mulato. do Atlas Linguístico de Mato Grosso do Sul – ALMS (2007) como denominação das “pessoas que têm a pele pouco escura porque só a mãe ou só o pai é negro”. Para a execução do estudo, foi traçado o seguinte percurso metodológico: definição da fonte e do corpus, seguido da consulta ao ALMS e respectivo levantamento dos dados lexicais cartografados. Na sequência, os dados foram quantificados e organizados para posterior análise sob a ótica da Teoria Lexical e da Antropologia Linguística. O universo de dados catalogados reuniu unidades léxicas como moreno, mestiço, pardo, negro, misto, tostado, bugre, caboclo moreno, morena canela, café com leite, meio branco, preto, mameluco, bugre, totalizando 21 itens lexicais. O registro da forma lexical moreno claro, com 7,81% de ocorrência, por exemplo, indica que o uso de um termo considerado amenizador (moreno) é reforçado por outro (claro), com maior carga suavizadora.  Pela análise realizada, depreende-se, que tais unidades, já constituintes do repertório lexical dos falantes sul-mato-grossenses, além de nomearem o tipo humano descrito pela pergunta, passaram a indicar representações sociais, o que desembocou em traços de apropriação cultural. A análise demonstrou aspectos da relação existente entre fatores linguísticos e extralinguísticos, no conjunto vocabular dos informantes sul-mato-grossenses examinado, validando o argumento de que a língua constitui ferramenta dinâmica da cultura local e que a norma linguística, particularmente a lexical, expressa aspectos significativos, relacionados aos valores veiculados pela sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Pereira Santana, UFMS

Doutoranda em Estudos de Linguagens. Pós-Graduação em Estudos de Linguagens/UFMS.

Referências

AULETE, C. Aulete digital – Dicionário contemporâneo da língua portuguesa. Lexikon Editora Digital, Rio de Janeiro, 2006.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz. Rio de Janeiro, Bertrand, 1989.

CARUSO, P. Metodologia da Pesquisa Dialetológica. In: AGUILERA, V. de A. (org.). A Geolinguística no Brasil: trilhas seguidas, caminhos a percorrer. Londrina: Editora da Eduel. 2013. p. 373-374. Disponível em: http://www.uel.br/editora/portal/pages/livros-digitaisgratuítos.php. Acesso em: 24 jul. 2022.

CASADO VELARDE, M. Língua e cultura. Madri: Synthesis, 1991.

CASTRO, V. S. O “r caipira” em Mato Grosso do Sul–estudo baseado em dados do ALMS, Atlas linguístico do Mato Grosso do Sul. Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978), v. 42, n. 1, p. 566-575, 2013.

CHARTIER, R. et al. A história cultural: Entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 2002, v. 1.

COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALiB. Atlas Linguístico do Brasil: Universidade Federal da Bahia. Disponível em: https://alib.ufba.br/. Acesso em: 20 fev. 2022.

DURANTI, A. Antropología lingüística. Madri. Ediciones AKAL, 2000.

FIGUEIREDO, C. de. Pequeno dicionário da língua portuguesa. Livraria Bertrand, 1987.

GOMES, H. T. Identidade Cultural, Mestiçagem, Colonialidade: uma leitura comparatista. Revista Brasileira do Caribe, Goiânia. v. 9. n. 17, p. 117-148, 2008.

HOUAISS A. Dicionário Eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa, versão 1.0, Rio de Janeiro. Editora Objetiva. 2009.

ISQUERDO, A. N. O fato linguístico como recorte da realidade sociocultural. 1996. 420f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara/SP, 1996.

LOPES, N. Enciclopédia brasileira da diáspora africana. São Paulo. Selo Negro Edições, 2004.

MUNANGA, K. Origem e histórico do quilombo na África. Revista usp, n. 28, p. 56-63, 1996. DOI https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i28p56-63

NOGUEIRA, A. X.; ISQUERDO, A. N. Atlas Lingüístico de Mato Grosso do Sul: gênese e trajetória. AGUILERA, V. de A. (org.). A Geolingüística no Brasil: trilhas seguidas, caminhos a percorrer. Londrina: EDUEL, 2005, p. 238-239.

OLIVEIRA, D. P. de. Atlas Linguístico do Mato Grosso do Sul (ALMS). Campo Grande: Editora da UFMS, 2007.

POEL, F. V. D. Dicionário da Religiosidade Popular: cultura e religião no Brasil, Curitiba, Nossa Cultura, 2013.

SANTOS, J. T. dos. De pardos disfarçados a brancos pouco claros: classificações raciais no Brasil dos séculos XVIII-XIX. Afro-Ásia, n. 32, p. 115-137, 2005. DOI https://doi.org/10.9771/aa.v0i32.21089

SAPIR, E. Linguística como ciência: ensaios. Livraria Acadêmica, 1961.

SCHUCMAN, L. V.; FACHIM, F. L. A cor de Amanda: identificações familiares, mestiçagem e classificações raciais brasileiras. Interfaces Brasil/Canadá, v. 16, n. 3, p. 182-205, 2017.

SOUZA, G S. Linguística Histórica/Antropologia Linguística: discursos interdisciplinares. In: IV Congresso Internacional da Abralin. 2005. Brasília. Anais. Brasília: Universidade de Brasília. 2005. p. 999-1010. Disponível em: https://www.abralin.org/site/wp-content/uploads/2013/02/anaiscongresso05.pdf. Acesso em: 12 jun. 2022.

VIÑAO, A. A história das disciplinas escolares. Revista brasileira de história da educação, Maringá. v. 8, n. 3 [18], p. 173-215, 2008.

Downloads

Publicado

08-09-2023

Como Citar

SANTANA, A. P. Denominações para “mulato” no Atlas Linguístico de Mato Grosso do Sul: aspectos léxico-culturais . Revista GTLex, Uberlândia, v. 9, p. e0901, 2023. DOI: 10.14393/Lex-v9a2023/24-1. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/GTLex/article/view/68234. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos