A variação linguística no português falado em municípios do nordeste paraense

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex12-v6n2a2021-7

Palavras-chave:

Sociolinguística, Geolinguística, Dialetologia, Pluridimensional

Resumo

O presente artigo apresenta o relato do desenvolvimento da pesquisa “Aspectos Semânticos e Lexicais do Português falado no Pará”, empreendida com o objetivo de mapear os aspectos semânticos e lexicais da variedade do português falado em pontos de inquéritos constituídos pelas zonas rurais dos municípios Inhangapi, Irituia, Marapanim, São Domingos do Capim e São Miguel do Guamá, integrantes da Amazônia paraense. O estudo foi norteado pelo referencial teórico da Dialetologia pluridimensional e relacional desenvolvida por Thun (1998b) e, também, pelos pressupostos teórico-metodológicos da Sociolinguística, e da Geolinguística, com recorrência a autores como Cardoso e Ferreira (1994), Aguilera (2005), Brandão (2005) e Labov (2008), dentre outros. Em cada ponto de inquérito, considerando as variáveis de sexo, faixa etária e escolaridade, foram escolhidos dez informantes, os quais representaram a população amostra, sendo a eles aplicado o questionário semântico-lexical (QSL) do Projeto Atlas Linguístico do Brasil (ALiB). As análises foram realizadas considerando as dimensões: diatópica, diagenérica e diageracional da variação ocorrida na fala dos informantes. Os resultados foram apresentados em glossários e cartas linguísticas para demonstrar a importância das pesquisas dialetológicas para o conhecimento da norma lexical de um espaço geográfico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisa Maria Pinheiro de Souza, Universidade do Estado do Pará (UEPA)

Professora da Universidade do Estado do Pará, líder do grupo de pesquisa Linguagens e Tecnologias, coordenadora do Programa de Mestrado Profissional em Ensino de Língua Portuguesa e suas Respectivas Literaturas

Referências

AGUILERA, V. A. Arcaização, mudança e resistência lexicais em atlas linguísticos brasileiros: o rural e o urbano. In: DÖLL, C. et al. (org.). De arte grammatica: Festschrift für Eberhard Gärtnerzuseinem 65. Geburtstag. Frankfurt am Main: Valentia, 2010. p. 19-32.

AGUILERA, V. A. Estudos dialetológicos no Paraná: caminhos e perspectivas. In: GÄRTNER, E.; HUNDT, C.; SCHÖNBERGER, A. (org.). Estudos de geolingüística do português americano. Frankfurt am Main: Valentia, 2009.

AGUILERA, V. A. Crenças e atitudes lingüísticas: quem fala a língua brasileira? In: RONCARATI, C.; ABRAÇADO, J. (org.). Português brasileiro II: contato linguístico, heterogeneidade e história. Niterói: Ed. da UFF, 2008. p. 311-333. Alfa, São Paulo, 56 (3): 871-889, 2012.

ALTENHOFEN, C. V. A Constituição do corpus para um “Atlas Linguístico-Contatual” das Minorias Alemãs na Bacia do Prata. In: Martius – Standen-Jahrbuch, São Paulo, n. 51, p. 135-165, 2004.

ARAGÃO, M. S. S. Atlas Linguístico do Brasil - Estado da Paraíba - ALiB-PB. Conceitos, João Pessoa, v. 5, p.4 2-48, 2004.

BRANDÃO, S. F. A geografia linguística no Brasil. São Paulo: Ática, 2009.

BAGNO, M. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. 29ª ed. São Paulo. Loyola, 2015.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 5ed. São Paulo: Hucitec, 1990.

BELINE, Ronald. A variação linguística. In: FIORIN, J. L. Introdução à Linguística I. Objetos teóricos. São Paulo. Contexto, 2011. p. 121-140.

CABRAL, A. S. A. C.; RODRIGUES, A. D.; MIDLIN, B.; BRAGA, A. Línguas entrelaçadas, uma situação sui generis de línguas em contato. Papia, v. 21, n. 2, p. 221-230, 2011.

CÂMARA Jr., J. M. Língua e cultura. In: Uchôa, C. E. F. (sel. e introdução.) Dispersos de J. Mattoso Câmara Jr. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1972.

CARDOSO, S. A. M. da S. Geolinguística: tradição e modernidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

CARDOSO, M. P. S. da S. Um estudo semântico-lexical com vistas ao Atlas Linguístico da Mesorregião do Marajó/PA. Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa. Univrsidade de São Paulo, USP, 2002. (Tese de Doutorado).

CARDOSO, M. P. S. da S. Oralidade e escrita: uma análise prosódica da leitura oral na escola. Universidade Federal do Pará, Belém, 1997 (Dissertação de Mestrado).

¬¬¬¬¬¬¬¬CHOMSKY, N. Aspects of the Theory of Syntax. Cambridge, Massachusetts: the MIT Press, 1965. DOI https://doi.org/10.21236/AD0616323

¬¬¬¬¬¬¬¬CHOMSKY, N. Conhecimento da História e construção teórica na Linguística Moderna. DELTA: Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, v. 13. SPE, p. 133-155, 1977. DOI https://doi.org/10.1590/S0102-44501997000300005

COELHO, I. L. et al. Para conhecer sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2015.

COSERIU, E. Sentido y Tareas de laDialectología. México: Universidad Nacional Autónoma de México / Instituto de Investigaciones Filológicas, 1982.

COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALiB. Atlas Linguístico do Brasil: Questionários. Londrina: Ed. UEL, 2001.

CRUZ, E. História do Pará. Belém: UFPA, v. 2., 1963. (Coleção Amazônica. José Veríssimo). Disponível em: http://livroaberto.ufpa.br/jspui/handle/prefix/99.

D’ANGELIS, W. R. Revitalização de línguas indígenas: como fazemos. Curte Nimuendajú. São Paulo, 2019.

DIETRICH, W.; THUN, H.; SYMEONIDIS, H.; AQUINO, A. Atlas Lingüístico Guaraní – Románico. Tomo 1: Léxico delcuerpo humano (Dialectología pluridimensionalis Románica). Revista Internacional de Lingüística Ibero-americana, Vol. 8, Miscelánea de linguística Ibero-americana, p. 239-242, 2010.

DUBOIS, J. et alii. Dicionário de lingüística. São Paulo: Cultrix, 1978.

FARACO, C. A. Linguística Histórica: uma introdução ao estudo da história das línguas. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

FARACO, C. A. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo, SP: Parábola, 2008.

FERREIRA, Aurélio. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3 ed. Rio de Janeiro, 2009.

FERREIRA, C.; CARDOSO, S. A dialectologia no Brasil. São Paulo: Contexto, 1994.

FIORIN, L. J. Linguagem e ideologia. Ática. São Paulo, 2005.

FREIRE, P. Educação como Prática de Liberdade. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 2005

GUEDES, R. Estudo Geossociolinguístico da variação lexical na zona rural do Estado do Pará. 2012. Dissertação (Mestrado em Letras) – Instituto de Letras e Comunicação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

HODSON, T. C. Sociolinguistics in India. Man in India, v. 19, p. 94-98, 1939.

ISQUERDO, A. N. Os atlas regionais brasileiros publicados e em curso: percursos metodológicos. In: MOTA, J. A.; CARDOSO, S. A. M. (org.). Documentos 2: projeto atlas lingüístico do Brasil. Salvador: Quarteto, 2006. p. 67-94.

JAKOBSON, R. Relações entre a ciência da linguagem e as outras ciências. Lisboa: Bertrand, 1973.

LABOV, W. Sociolinguistic Patterns. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1972.

LABOV, W. Where does the Linguistic variable stop? A response to Beatriz Lavandera. Sociolinguistic Working Papers, p. 43-88, 1978.

LABOV, W. Building on Empirical Foundations. In: LEHMANN, W.; MALKIEL, Y. Perspectives on Historical Linguistics. Amsterdam: John Benjamins, 1982, 17-92.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. Tradução de Marcos Bagno, Maria Marta Pereira Scherre, Caroline Rodrigues Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MATTOSO, J. C. Jr. Estrutura de Língua Portuguesa. Ed. Vozes, Petrópolis, 2009.

MELLO, H.; ALTENHOFEN, C.; RASO, T. Os contatos linguísticos no Brasil. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

MOLLICA, C. Fundamentação teórica: conceituação e delimitação. In: MOLLICA, C.; BRAGA, M. L. (org.). Introdução à Sociolinguística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2004. p. 9-14.

MONTEIRO, J. L. Para compreender Labov. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

MOTA, J.; CARDOSO, S. Sobre a Dialetologia no Brasil. In: MOTA, J. A.; CARDOSO, S. A. M. Documentos 2: Projeto Atlas Linguístico do Brasil. Salvador: Quarteto, 2006. p. 15-34.

MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. Introdução à linguística–domínios e fronteiras. Editora Cortez, 2009.

PAULSTON, C. B.; TUCKER, G. R. Historyofsociolinguistics: introduction. In: Sociolinguistics: the essential readings. Malden: Blackwell Publishing, 2003.

PEREIRA, A. Estudo morfossintático do Asuriní do Xingu. 2009, Tese (doutorado em linguística), Unicamp, Campinas, 2009.

RADTKE, E.; THUN, H. Nuevos caminhos de lageolinguística românica. Um balance. In: RADTKE, E.; THUN, H. Neue Wege der Romanischen Geolinguistik. Kiel: Westensee-Verlag, 1996. p. 25-49.

RODRIGUES, A. D. Os estudos de linguística indígena no Brasil. Revista de Antropologia. São Paulo, 12:09-21, 1963.

RODRIGUES, A. D. Relações internas na família linguística Tupi-Guarani. Revista de Antropologia. São Paulo, n. 27/28, p. 33-53, 1985.

RODRIGUES, A. D. ; CABRAL, A. S. A. C. Revendo a classificação interna da família Tupi-Guarani. In: Atas do I Encontro Internacional do GTLI da ANPOLL. Belém: EDUFPA, 2002.

SILVA, G. F. da. Construindo um dicionário Parakanã-Português. Dissertação (mestrado em linguística), UFPA, Belém, 2003.

SOLANO, E. de J.B. Descrição gramatical da língua araweté. 2009, Tese (doutorado em linguística), UnB, Brasília, 2009.

TARALLO, F. Tempos Linguísticos – itinerário histórico da língua portuguêsa. Ed. Ática, 1990.

THUN, H. La géographie linguistique romane à La fin Du Siècle. Congrès international de linguístique et philologie roamanes, 22., 1998a, Bruxelas. Actes. v.3. Vivacité et diversité de lavariación linguistique. Tübingen: Niemeyer, 1998a. p. 367-388. DOI https://doi.org/10.1515/9783110933109.367

THUN, H. La geolinguística como linguística variacional general (conejemplos del Atlas linguístico Diatópico y Diastrático do Uruguay). Congresso Internazionale di linguistica e filologia romanza, 21, 1995, Palermo. In: RUFINO, G. (org.). Atti. Tübingen: Niemeyer, 1998b. p. 701-729. DOI https://doi.org/10.1515/9783110934038.701

THUN, H. Movilidad demográfica y dimensión topodinámica: Los montevideanos em Rivera, In: RADTKE, E.; THUN, H. (org.). Neuewege der Romanischen Geolinguistik: Akten des Symposiums zur Empirischen Dialektologie. Kiel: Westensee, 1996. p. 210-269.

THUN, H. O português americano fora do Brasil. In: GÄRTNER, E.; HUNDT, C.; SCHÖNBERGER, A. (ed.). Estudos de geolinguística do português americano. Frankfurt a M.: TFM, 2000a. p. 183-213.

THUN, H. Introduction à la tablerond. Congrès international de linguístique et philologie roamanes, 22, 2000b, Bruxelas. Actes. v. 3. Vivacité et diversité de lavariación linguistique. Tübingen: Niemeyer, 2000b. p. 407-409. DOI https://doi.org/10.1515/9783110933109.407

THUN, H. A dialetologia pluridimensional no Rio da Prata. In: ZILLES, A. M. S. (org.). Estudos de variação linguística no Brasil e no Cone Sul. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2005. p. 63-92.

Downloads

Publicado

26-10-2021

Como Citar

Souza, E. M. P. de. (2021). A variação linguística no português falado em municípios do nordeste paraense. Revista GTLex, 6(2), 523–553. https://doi.org/10.14393/Lex12-v6n2a2021-7