Antroponímia ficcional: o caso de Ubirajara, de José de Alencar

Autores

  • Kleber Eckert Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS - campus Bento Gonçalves
  • Maiquel Röhrig Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS - campus Bento Gonçalves

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex3-v2n1a2016-7

Palavras-chave:

Antroponímia ficcional. Ubirajara. José de Alencar.

Resumo

O presente artigo tem como tema uma abordagem interdisciplinar entre a Onomástica - ciência que estuda os nomes próprios - e a Literatura Brasileira, mais especificamente a prosa indianista de José de Alencar escrita durante o Romantismo. O objetivo central é a análise etimológica e simbólica dos nomes dos principais personagens do romance indianista Ubirajara, a fim de verificar se existe uma relação entre o significado do nome e o comportamento ou as características físicas desses personagens. Para tanto, discutem-se conceitos básicos de antroponímia, que é o ramo da onomástica responsável pelo estudo dos nomes próprios de pessoas, bem como questões relativas à forma como os povos indígenas ameríndios, sobretudo os de origem tupi-guarani, nomeavam os integrantes de suas tribos. A análise etimológica dos nomes dos personagens possibilitou que se chegasse à conclusão de que existe uma estreita relação entre o significado dos nomes e as características dos personagens, o que leva a crer que a escolha dos nomes por parte do autor não foi fortuita, e sim, etimológica e simbolicamente motivada. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kleber Eckert, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS - campus Bento Gonçalves

Professor de Língua Portuguesa e Espanhola do IFRS - Campus Bento Gonçalves. Doutor em Letras (2014) pela Universidade de Caxias do Sul - UCS.

Maiquel Röhrig, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS - campus Bento Gonçalves

Professor de Língua Portuguesa e Literatura do IFRS - Campus Bento Gonçalves. Doutor em Letras (2014) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS.

Referências

ALENCAR, J. de. Iracema. São Paulo: Martin Claret, 2007.

___________. Lucíola. Porto Alegre: L&PM, 1999.

___________. O guarani. 25. ed. São Paulo: Ática, 2003.

___________. Ubirajara. São Paulo: Ática, 2003.

BARBOSA, O. Dicionário de nomes próprios, indígenas e afro-brasileiros. Rio de Janeiro: Ediouro, 1986.

BHABHA, H. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2001.

CANDIDO, A. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. 8. ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1997.

_____________. Literatura e sociedade: Estudos de teoria e história literária. 11. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2010.

DAUZAT, A. Les noms de personnes: origen et évolution Prénoms

GU

L

_________________. Antropologia estrutural. Tradução de Chaim Samuel Katz e Eginardo Pires. 5ª ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996.

MARCATO, C. Nomi di persona, nomi di luogo: introduzione all

MARTINS, J. R. Presságios: o livro dos nomes. São Paulo: Alegro, 2002.

MIORANZA, C. Filius Quondam: a origem e o significado dos sobrenomes italianos. 2 ed. São Paulo: Larousse, 2009.

MEXIAS-SIMON, M. L.; OLIVEIRA, A. de M. O nome do homem: reflexões em torno dos nomes próprios. Rio de Janeiro: HP, 2004.

SEABRA, M. C. T. C. de. Referência e onomástica. In: Múltiplas perspectivas em linguística: Anais do XI Simpósio Nacional e I Simpósio Internacional de Letras e Linguística (XI SILEL). Uberlândia: ILEEL, 2006. p. 1953-1960. Disponível em: <http://www.filologia.org.br/ileel/artigos/artigo_442.pdf>. Acesso em: 02 de jul. de 2015.

SEIDE, M. S. Métodos de Pesquisa em Antroponomástica. In: Domínios de Lingu@gem, vol. 10, nº 03, jul./set. 2016, disponível em http://www.seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/32482. Acesso em 03 de out. de 2016.

SOMMER, D. Amor e pátria na América Latina: uma especulação alegórica sobre sexualidade e patriotismo. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

Downloads

Publicado

13-06-2017

Como Citar

Eckert, K., & Röhrig, M. (2017). Antroponímia ficcional: o caso de Ubirajara, de José de Alencar. Revista GTLex, 2(1), 170–189. https://doi.org/10.14393/Lex3-v2n1a2016-7

Edição

Seção

Artigos