O topônimo Matipó

história e memória social em Minas Gerais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex11-v6n1a2020-15

Palavras-chave:

Linguística, Toponímia, História, Memória Social, Matipó

Resumo

Neste artigo é apresentada uma análise sobre o nome próprio Matipó, presente no estado de Minas Gerais. Seguimos uma abordagem linguística que envolve a relação entre a toponímia, a história e a memória social, sob a égide da Toponomástica, ciência linguística que se dedica a estudar a origem e os aspectos da motivação e do significado dos nomes próprios de lugares – os topônimos. Com base nos estudos etnográficos de Barbosa (1951), de Senna (1937), de Oiliam José (1965), de Dick e Seabra (2012) e no modelo taxonômico de classificação toponímica, de Dick (1990a), analisamos os aspectos linguísticos e a origem do topônimo Matipó para chegarmos a uma provável significação, diferente daquela que é comumente difundida por órgãos governamentais e por seus habitantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone Dornelas de Carvalho, Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Doutora em Estudos Linguísticos pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Maryelle Joelma Cordeiro, Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Doutora em Estudos Linguísticos pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Referências

BARBOSA, L. Pequeno Vocabulário Tupi-Português. Livraria São José, Rio De Janeiro, 1951. Disponível em: http://etnolinguistica.wdfiles.com/local--files/biblio%3A barbosa-1951-pequeno/barbosa_1951_tupi-portugues.pdf. Acesso em: 15 abr. 2020.

BARBOSA, W. de A. B. Dicionário Histórico-Geográfico de Minas Gerais. Belo Horizonte: SATERB, 1995 [1971].

BIDERMAN, M. T. C. A estrutura mental do léxico. In: Estudos de filologia e linguística: em homenagem a Isaac Nicolau Salum. São Paulo: T. A. Queiroz, 1981. p. 131-145.

CÂNDIDO, A. Os parceiros do Rio Bonito: um estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. 6. ed. São Paulo: Duas Cidades, 1982.

CARVALHO, S. D de. A mudança da ordem do adjetivo em relação ao nome nos dados rurais de Luisburgo/MG. 2014. 263f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, UFMG. Belo Horizonte, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/MGSS-9PMN5A. Acesso em 20 mar. 2020.

CARVALHO, M. A de. Toponímia da mesorregião centro-sul matogrossense: contribuições para o Atlas Toponímico do Estado de Mato Grosso. 2005. _ f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

CARVALHO, A. P. M. A de. Hagiotoponímia em Minas Gerais. 2014. 823f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, UFMG. Belo Horizonte, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/MGSS-9PMR2U. Acesso em: 03 mai. 2021.

CORDEIRO, M. J. Litotoponímia mineira. 2018. 542f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, UFMG. Belo Horizonte, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/LETR-B8AFPE. Acesso em: 21 mar. 2020.

COSTA, J. R. Toponímia de Minas Gerais: com estudo histórico da divisão territorial administrativa. Rio de janeiro: Editora Itatiaia, 1993 [1970].

DICK, M. V. de P. do A. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Edições Arquivo do Estado, 1990a.

DICK, M. V. de P. do A. Toponímia e Antroponímia no Brasil. Coletânea de Estudos. São Paulo: Serviço de Artes Gráficas/FFLCH/USP, 1990b.

DICK, M. V. de P. do A. A dinâmica dos nomes da cidade de São Paulo: 1554 – 1987. São Paulo: Annablume, 1996.

DICK, M. V. de P. do A; SEABRA, M. C. T. C de. Etnotoponímia em Minas Gerais, Papéis, Campo Grande, MS, v.16, n.31, Especial ABRALIN, 2012. Disponível em: http://www.papeis.ufms.br/Revista_Papeis_V16_N31.pdf. Acesso em: 10 mar. 2020.

DAUZAT, A. Les noms des lieux. Paris: Delagrave, 1926.

FAGGION, C. M.; MISTURINI, B. Toponímia e memória: nomes e lembranças na cidade. Linha D'Água. 27, 2, p. 141-157, 2014. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/linhadagua/article/view/83370. Acesso em: 22 abr. 2020. DOI https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v27i2p141-157

FARIA, G. da C. S. Tradição e memória: um estudo antroponímico dos nomes de logradouros da cidade de Ponte Nova - Minas Gerais. 2017. 686f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos). Faculdade de Letras, UFMG. Belo Horizonte, 2017. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/LETR-AU2G47. Acesso em: 03 de mai. 2021.

FRANCISQUINI, I. de A. O nome e o lugar: uma proposta de estudos toponímicos da microrregião de Paranavaí. 1998. 255f. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) - Centro de Letras e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 1998.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Divisão regional do Brasil em regiões geográficas imediatas e regiões geográficas intermediárias: 2017/IBGE, Coordenação de Geografia. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv100600.pdf. Acesso em: 10 abr. 2020.

ISQUERDO. A. N. O Fato Linguístico como Recorte da Realidade Sócio-Cultural. 1996. 409f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa). Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 1996.

JOSÉ, O. Indígenas de Minas Gerais: aspectos sociais, políticos e etnológicos. Belo Horizonte: Edições Movimento Perspectiva, 1965. Disponível em: http://etnolinguistica.wdfiles.com/local--files/biblio%3Ajose-1965 indigenas/JoseOiliam_1965_IndigenasMG.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

PEREIRA, R; NADIN, O. Taxionomias toponímicas e relações com a Terminologia. Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v. 25, n. 1, p. 217-243, 2017. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/10946#:~:text=Consideramos%20as%20taxionomias%20como%20termos,Terminologia%3B%20Taxionomias%20topon%C3%ADmicas%3B%20L%C3%A9xico. Acesso em: 03 mai. 2021.

SANTOS, M. M. D; SEABRA, M. C. T. C de. Memória do patrimônio linguístico de Minas Gerais: Análise da motivação toponímica de natureza física da Comarca de Vila Rica em registros cartográficos históricos. Anais do I Simpósio Brasileiro de Cartografia Histórica, Paraty, 2011. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/49121. Acesso em: 15 abr. 2020.

SEABRA, M. C. T. C. de; ISQUERDO, A. N. Onomastics in different perspectives: research results. Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, MG, v. 26, n. 3, p. 993-1000, 2018. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br /index.php/relin/article/viewFile/13700/pdf_1. Acesso em: 20 abr. 2020.

SENNA, N. Sobre Ethnographia Brasileira: principaes povos selvagens que tiveram o seo "habitat" em territorio das Minas Geraes. Revista do Archivo Publico Mineiro, 1937. Disponível em: http://www.siaapm.cultura.mg.gov.br/acervo/rapm_pdf/1435.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

Downloads

Publicado

08-05-2021

Como Citar

Carvalho, S. D. de, & Cordeiro, M. J. (2021). O topônimo Matipó: história e memória social em Minas Gerais. Revista GTLex, 6(1), 291–323. https://doi.org/10.14393/Lex11-v6n1a2020-15