Análise do empoderamento tecnológico pelo PIBID

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/BEJOM-v1-n1-2020-50207

Palavras-chave:

Formação de Professores, PIBID, políticas públicas para educação

Resumo

Nesse artigo buscamos compreender como o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) se tornou importante como ferramenta para empoderar tecnologicamente a formação de futuros professores. Apresentamos inicialmente algumas políticas públicas, dentre elas o PIBID que veio diminuir a distância entre o Ensino Superior praticado nas Universidades e Institutos com a Educação Básica de nossas escolas públicas brasileiras, e logo depois mostramos números sobre a expansão deste programa. O uso de ferramentas tecnológicas dentro das salas de aula se torna mais frequente com o desenvolvimento da própria tecnologia. Acreditamos que essa inserção no contexto escolar além de inevitável é também necessária. O fato é que os problemas estruturais e de caráter formativo são evidentes em escolas e universidades. O restante do artigo se baseia em um estudo de doutorado e outro de mestrado que trataram sobre o cenário macro e micro do PIBID para o trabalho com uso das tecnologias digitais de informação e comunicação, em subprojetos de matemática, por todo o território brasileiro no decorrer destes quase 10 anos de atuação do programa demonstrando que houve um amadurecimento devido à compreensão do Cotidiano Escolar, principalmente pela importância dada ao trabalho coletivo e diálogo com pensamentos diferentes, resultando reflexão sistemática sobre as práticas pedagógicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Douglas Silva Fonseca, Universidade Federal do Tocantins

Professor Adjunto  do Curso de Matemática da UFT (Campus de Araguaína) Professor do Curso de Licenciatura em Matemática EAD (Campus de Arraias) Professor Colaborador no Mestrado em Modelagem Computacional (Campus de Palmas) Coordenador da Especialização em Educação Matemática UFT- (Campus Araguaína) Coordenador Substituto do Curso de Matemática (Gestão 2019-2021) Diretor Regional da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM) (Gestão 2019- 2022)   

Eliton Meireles de Moura, Universidade de São Paulo

Eliton Meireles de Moura é diretor do Núcleo Internacional de Pesquisa, Inovação e Criatividade (NuPIC) da Editora Amado Maker. Pesquisador no grupo Transformative Learning Technologies Lab (TLTL) no Teachers College, em Nova York. Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP), bolsista FAPESP, com estágio de doutorado sanduíche na Universidade de Stanford, como bolsistas CAPES/PDSE e com o apoio do Lemann Center Visiting Scholar Program, atuou como Visiting Student Researcher na Graduate School of Education, para o ano acadêmico de 2017-18. Lemann Fellowship desde 2017. Licenciado em Matemática, possui ainda Mestrado em Educação na Linha de Pesquisa de Conhecimentos e Práticas Educacionais, ambas pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). No campo acadêmico destaca sua participação como: colaborador no projeto PIBID FAMAT/UFU; Técnico Pedagógico do Projeto RIVED (Rede Iterativa Virtual de Educação) e Programador ActionScript desenvolvendo Objetos de Aprendizagens, animações em Flash e outras Programações em ActionScript; Presidente da Empresa Júnior de Matemática da Faculdade de Matemática da UFU, e, por fim, Bolsista do Programa Tutorial de Educação da Faculdade de Matemática (PETMAT/UFU). Tem interesse e experiência nas áreas de Matemática, com ênfase nas TDIC - Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Maker; Inteligência Artificial; Educação Matemática; Formação de Professores; Informática e Ensino; Movimento Maker; Aprendizagem Criativa; Softwares Computacionais; Objetos de Aprendizagem; Jogos Educacionais; Modelagem Matemática; Biomatemática; Web design.

Referências

ALONSO, Kátia Morosov. Tecnologias da informação e comunicação e formação de professores: sobre rede e escolas. Educação Sociedade, Campinas, v. 29, número especial, CEDES, p. 747 - 768, 2008.

BALDIJÃO, C. E. T.; ZULEIDE, A., A Educação no Governo Lula. (Brasil emDebate v.6). São Paulo: editora Fundação Perseu Abramo, 2011.

BEDIN, Everton. Formação de professores de Química: um olhar sobre o PIBID da Universidade Federal de Uberlândia. 2012. Dissertação (Mestrado em Química). Instituto de Química, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2012.

BRASIL. Decreto no 7.219, de 24 de junho de 2010. Dispõe sobre o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID e dá outras providências. Diário Oficial da União, n. 120, seção 1, p. 4 - 5, 2010.

BRASIL. DEB Relatório de Gestão 2009-2013. Disponível em: ≪http://capes.gov.br/educacao-basica/capespibid/relatorios-e-dados≫. Acesso em: 06 set. 2019.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

D’ AMBRÓSIO, U. Educação Matemática: Da Teoria à Prática. Campinas: Papirus,1996.

DANTAS, L. K. Iniciação à docência na UFMT: Contribuições do Pibid na Formação de professores de Química. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação), Instituto de Educação, Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá, 2013.

FONSECA, D.S. Formação de professores de matemática e as tecnologias digitais da informação e comunicação no contexto do PIBID. Tese (Doutorado em Educação Matemática) Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Anhanguera de São Paulo, São Paulo, 2018.

GATTI, Bernadete A. et al. Um estudo avaliativo do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid). São Paulo: FCC/SEP, 2014.

GRAVINA, Maria Alice; SANTA ROSA, Lucila Maria. A aprendizagem da Matemática em Ambientes Informatizados. IV Congresso RIBIE. Brasília, 1998. Disponível em: ≪http://euler.mat.ufrgs.br/∼edumatec/artigos/a1.pdf≫. Acesso em :04/05/2007.

MISHRA, Punya; KOEHLER, Matthew J. Technological pedagogical content knowledge: A framework for teacher knowledge. Teachers College Record, 108(6),1017-1054, 2006.

MOURA, E. M.de. O programa institucional de bolsa de iniciação à docência PIBID na formação inicial de professores de Matemática. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação), Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal deUberlândia, Uberlândia, 2013.

PRATA, C. L.; NASCIMENTO, A. C. A; PIETROCOLA M. Políticas para fomento de produção e uso de objetos de aprendizagem. In PRATA, C. L.;NASCIMENTO,A. C. A. (Org.). Objetos de aprendizagem: uma proposta de recurso pedagógico. Brasília: MEC; SEED, 2007. p. 107-121.

Downloads

Publicado

2020-01-02

Como Citar

FONSECA, D. S.; MOURA, Éliton M. de. Análise do empoderamento tecnológico pelo PIBID. BRAZILIAN ELECTRONIC JOURNAL OF MATHEMATICS, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 27–43, 2020. DOI: 10.14393/BEJOM-v1-n1-2020-50207. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/BEJOM/article/view/50207. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos - Educação Matemática