Jogos angolanos como ferramenta pedagógica para o ensino de matemática: um estudo na perspectiva do Programa Etnomatemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/BEJOM-v2-n3-2021-58089

Palavras-chave:

Angolan games, Mathematics Teaching, Ethnomathematics Program.

Resumo

Este artigo é um recorte da dissertação de mestrado do segundo autor, junto ao Programa de Mestrado em Ciências da Educação da Universidade Lueji A’Nkonde (Angola), desenvolvido em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Educação da FEUSP. Tem como proposta apresentar dois jogos angolanos que podem contribuir, como ferramenta didática, no processo de ensino e de aprendizagem em matemática. De abordagem qualitativa, tendo como aporte teórico as dimensões do cotidiano e educacional do Programa Etnomatemática e teóricos que defendem os jogos e brincadeiras no ensino de matemática, aplicou-se um questionário aos futuros professores (profissionais que atuarão como o correspondente ao nosso Ensino Fundamental I) do 4o ano de magistério da instituição. Os primeiros resultados levantados, a partir dos discursos dos sujeitos, apresentaram dois jogos angolanos, que, na concepção dos futuros professores que ensinarão matemática, podem edevem ser utilizados no ensino da matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Coppe , Universidade Federal de Uberlândia

Professora Associada III do Instituto de Ciências Exatas e Naturais do Pontal da Universidade Federal de Uberlândia e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da UFU. Diretora da Sociedade Brasileira de Educação Matemática - SBEM/Regional Minas Gerais. Diretora da Diretoria de Estudos e Pesquisas Afrorraciais da Universidade Federal de Uberlândia - DIEPAFRO/UFUMembro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Etnomatemática - GEPEm/FE-USP. Docente credenciada no Programa de Pós-Graduação em Educação da FE-USP. Coordenou o sub-projeto multidisciplinar Matemática/Física do Pontal do PIBID/UFU. Atuou como membro da equipe do Programa de Licenciatura Internacional - PLI, junto à Universidade de Coimbra. Atuou como coordenadora do GT5- História da Matemática e cultura da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM) nos triênios 2014-2016 e 2016/2018. Possui pós-doutorado em Educação pela Universidade de Lisboa e pós-doutorado no Programa do Departamento de Metodologia do Ensino e Educação Comparada da FE-USP. Foi coordenadora do subprojeto Matemática-Pontal do PIBID/UFU (2016-2018). Possui graduação em Matemática pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1996), mestrado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2001) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2007). Na vertente extensionista, desenvolveu vários projetos, tendo sido coordenadora da Área Relações Etnico-raciais do Projeto Rede Nacional de Formação de Professores da Educação Básica - MEC; participou como formadora do Projeto A Cor da Cultura III (2013-2014) promovido pela Fundação Roberto Marinho, TV Futura, SEPPIR, MEC e Petrobrás. Atuou como vice-coordenadora do curso de Formação Inicial em História e Cultura Africana e Afro-brasileira promovido pelo NEAB/UFU em parceria com a PROGRAD/UFU, ministrando o módulo referente à Etnomatemática. Em uma perspectiva cultural, no campo da pesquisa, investiga a importância da inserção da história e cultura africana, afro-brasileira e indígena no currículo em Matemática, por meio da implementação das Leis 10638/03 e 11645/08 e as possibilidades de rompimento com o racismo científico que se estabelece em ideias eurocêntricas. Colaborou ainda, como docente do Curso de Especialização em Inclusão da diversidade no espaço escolar promovido pela Universidade Federal de Uberlândia no ano de 2018. (Fonte: Currículo Lattes).

Referências

ANGOLA. Constituição da República de Angola, 2010.

ANGOLA. Lei Nº 5, de 6 de maio de 2015.

ANGOLA. Currículo de formação de professores do pré-escolar e do ensino primário reforma curricular. Ministério da Educação, 2013.

ANGOLA. Lei Nº. 17/2016, de 7 de outubro. Lei de Bases do Sistema de Educação - Diário Da República. Assembleia Nacional, Iª Série, nº. 65. Luanda: Imprensa Nacional, 2016.

ANGOLA. Ministérios da Administração do Território e da Educação. Decreto nº 335/15, de 22 de abril de 2015.

ANGOLA. Plano Curricular do Ensino Secundário Pedagógico. Ministério da Educação. 1.ed. Editora Moderna, 2019.

BANDEIRA, F. de S. Reflexões e ações pedagógicas em matemática do ensino fundamental. Edufrn Editora, 2016.

D ́AMBROSIO, U. Etnomatemática: Elo entre as tradições e a modernidade. Editora autêntica: Belo Horizonte, 2019.

DE OLIVEIRA, C. C. As Dimensões da Etnomatemática na Construção do Conceito de Espacialidade: Um Estudo para a Primeira Série do Ciclo I. Revista da Educação, 2006.

GOODE, Willian J.; HATT, Paul K. Métodos em pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1977.

MUNIZ, Alberto, C. Brincar e Jogar “enlaces teóricos e metodológicos no campo de educação matemática”. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

Jogos, brincadeiras antigas e cantigas de roda. Pedagogia ao pé da letra. Disponível em: https://pedagogiaaopedaletra.com/jogos-brincadeiras-antigas-e-cantigas-de-roda/. Acesso em: 22 out. 2020.

{13] QUIVY, R.; CAMPENHOUDT, L. V. Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva, 2003.

SARAIVA, T. S. Quando brincar é aprender matemática: o jogo pedagógico ea construção de conhecimento matemático. 2015. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura em Pedagogia) ? Faculdade de Educação da Universidade de Brasília. Brasília, 2015.

ZASLAVSKY, C. Mais jogos e atividades matemáticas do mundo inteiro: Diversão multicultural a partir dos 9 anos. Artmed: Porto Alegre, 2009.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

CRISTIANE COPPE; MONTEIRO, D. M. M. Jogos angolanos como ferramenta pedagógica para o ensino de matemática: um estudo na perspectiva do Programa Etnomatemática. BRAZILIAN ELECTRONIC JOURNAL OF MATHEMATICS, Uberlândia, v. 2, n. 3, p. 7–20, 2020. DOI: 10.14393/BEJOM-v2-n3-2021-58089. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/BEJOM/article/view/58089. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos - Educação Matemática