Etnomatemática e EJA: contextos e práticas evidenciadas em experiências de vida

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/BEJOM-v1-n2-2020-52913

Palavras-chave:

EJA. Etnomatemática. Grandezas. Medidas. Zona rural.

Resumo

É comum que alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA), sobretudo aqueles de idade mais avançada, tenham algum tipo de experiência profissional ou vivência em meio rural, sendo este um possível fator condicionante para o seu abandono e atraso escolar. Neste contexto, podemos observar alguns conhecimentos próprios que estes alunos têm e que torna evidente a etnomatemática do saber-fazer, tão comum em suas próprias experiências de vida. Com base nesta perspectiva, este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada com alunos de uma turma multisseriada do primeiro segmento da (EJA), de uma escola pública do município de Ituiutaba/MG. Para tanto, elencamos como principal objetivo um estudo de como a etnomatemática se evidencia nas vivências e experiências que estes alunos têm em meio rural, a partir da análise da transcrição dos discursos proferidos por eles. Isso é algo que foi possível por meio da realização de uma entrevista coletiva não estruturada e também pela metodologia de análise textual discursiva. Para tanto, utilizamos como elemento motivador para fomentar os diálogos, discussões e reflexões acerca do tema “grandezas e medidas”, a exibição de um vídeo didático intitulado “Matemática no sitio” da série “Matemática em toda parte”, da TV Escola. Os resultados obtidos apontam para a presença de conhecimentos informais acerca de grandezas e medidas e as suas relações com o Sistema Métrico Decimal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anderson Souza, Universidade Federal de Uberlândia

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pelo Instituto de Ciências Exatas e Naturais do Pontal (ICENP) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Mestrando do Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECM) da (UFU). Possui experiência como professor de Educação Básica PEB II, tendo atuado como professor de Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental. (Fonte: Currículo Lattes).

Valesca Corrêa Pereira, Universidade Federal de Uberlândia

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática - PPGECM na Universidade Federal de Uberlândia - UFU. Graduada em Pedagogia (1999) pela Universidade do Estado de Minas Gerais. Especialista em Psicopedagogia Clínica Institucional (2001) pela Universidade - Faculdades Integradas Simonsen - RJ. Atualmente é professora alfabetizadora na Educação de Jovens e Adultos na rede municipal em Ituiutaba-MG (1998). Técnica em assuntos educacionais na Universidade Federal de Uberlândia - Campus do Pontal/Ituiutaba (2008/2017). Atuou como tutora virtual do curso de Pedagogia, na Universidade Federal de São Carlos (2009). Membro do Núcleo de Estudos Afro-brasileiro NEAB/UFU desde de 2012. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Alfabetização de crianças e adultos. (Fonte: ORCID).

Leandro de Oliveira Souza, Universidade Federal de Uberlândia

Doutor e Mestre em Ensino Ciências e Matemática pela Universidade Cruzeiro do Sul, Licenciado em Pedagogia com hab. em administração e supervisão e Licenciado em Matemática. Foi bolsista CAPES (Doutorado Sanduíche) na Universidade de Auckland na Nova Zelândia. Tem mais de 10 anos de experiência lecionando e atuando como professor e coordenador de escolas públicas e particulares de educação básica. Foi professor na Universidade Federal do Amazonas e atualmente é professor da Universidade Federal de Uberlândia (ICENP). Participa do grupo de pesquisa NUPEM e GEPEMAPe produzindo pesquisas na área de ensino de Probabilidade e Estatística, tecnologia, educação estatística e formação de professores e do grupo de pesquisa GDMEM sobre Modelagem na Educação Matemática. Orienta pesquisas no programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática (UFU). É membro da Diretoria Nacional Executiva da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM). (Fonte: Currículo Lattes).

Cristiane Coppe de Oliveira, Universidade Federal de Uberlândia

Professora Associada III do Instituto de Ciências Exatas e Naturais do Pontal da Universidade Federal de Uberlândia e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da UFU. Diretora da Sociedade Brasileira de Educação Matemática - SBEM/Regional Minas Gerais. Diretora da Diretoria de Estudos e Pesquisas Afrorraciais da Universidade Federal de Uberlândia - DIEPAFRO/UFUMembro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Etnomatemática - GEPEm/FE-USP. Docente credenciada no Programa de Pós-Graduação em Educação da FE-USP. Coordenou o sub-projeto multidisciplinar Matemática/Física do Pontal do PIBID/UFU. Atuou como membro da equipe do Programa de Licenciatura Internacional - PLI, junto à Universidade de Coimbra. Atuou como coordenadora do GT5- História da Matemática e cultura da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM) nos triênios 2014-2016 e 2016/2018. Possui pós-doutorado em Educação pela Universidade de Lisboa e pós-doutorado no Programa do Departamento de Metodologia do Ensino e Educação Comparada da FE-USP. Foi coordenadora do subprojeto Matemática-Pontal do PIBID/UFU (2016-2018). Possui graduação em Matemática pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1996), mestrado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2001) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2007). Na vertente extensionista, desenvolveu vários projetos, tendo sido coordenadora da Área Relações Etnico-raciais do Projeto Rede Nacional de Formação de Professores da Educação Básica - MEC; participou como formadora do Projeto A Cor da Cultura III (2013-2014) promovido pela Fundação Roberto Marinho, TV Futura, SEPPIR, MEC e Petrobrás. Atuou como vice-coordenadora do curso de Formação Inicial em História e Cultura Africana e Afro-brasileira promovido pelo NEAB/UFU em parceria com a PROGRAD/UFU, ministrando o módulo referente à Etnomatemática. Em uma perspectiva cultural, no campo da pesquisa, investiga a importância da inserção da história e cultura africana, afro-brasileira e indígena no currículo em Matemática, por meio da implementação das Leis 10638/03 e 11645/08 e as possibilidades de rompimento com o racismo científico que se estabelece em ideias eurocêntricas. Colaborou ainda, como docente do Curso de Especialização em Inclusão da diversidade no espaço escolar promovido pela Universidade Federal de Uberlândia no ano de 2018. (Fonte: Currículo Lattes).

Junio Fábio Ferreira, Universidade Federal de Uberlândia

Mestrando em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Possui graduação em Matemática pelo Centro Universitário de Patos de Minas (2008). Graduando em Pedagogia pelo Centro de Ensino Superior de Maringá, (CESUMAR). Possui Pós Graduação em Matemática Pura e Ciências Exatas e da Terra pela Faculdades Integradas de Jacarepaguá (FIJ), Pós Graduação em Docência do Ensino Superior pela Faculdade do Noroeste de Minas (Finom), Pós Graduação em Supervisão Escolar pela Faculdade do Noroeste de Minas (Finom), Pós Graduação em Orientação Escolar pela Faculdade do Noroeste de Minas (Finom), Pós Graduação em Inspeção Escolar pela Faculdade do Noroeste de Minas (Finom). Possui Curso de Intérprete de Libras. Possui experiência na área de Coordenação de Estágio Supervisionado e Empregabilidade (NESE), Coordenação de Pós Graduação a Distância e Coordenação de Educação a Distância (EAD) e experiência na docência do Ensino Superior nas áreas de Metodologia Científica, Matemática Fundamental, Cálculo I e II, Estágio Supervisionado I e II, TCC I e II. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Matemática. Atualmente é Consultor de EAD e Pós Graduação Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM, Gerente na empresa Churrasco do Oswaldo e Sócio proprietário da empresa de aplicativo JF- Tanamão Express e Tanamão FOOD. (Fonte: Currículo Lattes).

Downloads

Publicado

2020-07-02

Como Citar

Souza, A., Pereira, V. C. ., Souza, L. de O. ., Oliveira, C. C. de ., & Ferreira, J. F. . (2020). Etnomatemática e EJA: contextos e práticas evidenciadas em experiências de vida. BRAZILIAN ELECTRONIC JOURNAL OF MATHEMATICS, 1(2), 7–17. https://doi.org/10.14393/BEJOM-v1-n2-2020-52913

Edição

Seção

Artigos - Educação Matemática