Ideologia, memória, sentido

Reflexões acerca do enunciado "Não pense em crise, trabalhe" e suas (re)atualizações em discursos de resistência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v36n1-2020-3

Palavras-chave:

Memória, Discursos de resistência, Trabalho, Trabalhador, Ideology

Resumo

Analisamos, no presente artigo, sob o viés da análise do discurso pecheuxtiana, o funcionamento discursivo do enunciado “Não pense em crise, trabalhe”, observando, sobretudo, os sentidos de trabalho e trabalhador que se inscrevem nesse enunciado e em suas diferentes (re)atualizações em discursos de resistência. Partindo das noções de ideologia, memória e resistência, concluímos, a partir das análises realizadas, que tal enunciado produz-se como um enunciado dividido (COURTINE, 2009), o qual mobiliza duas formações discursivas antagônicas: uma na qual se inscreve o discurso do governo Temer, e outra na qual se inscrevem os discursos de resistência à ordem governamental. Assim, num jogo entre o formulável e o não formulável, o sentido instituído e a deriva, a memória e a atualidade, observamos o funcionamento da ideologia dominante, mas também o funcionamento daquilo que produz furo nessa ideologia: a resistência.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evandra Grigoletto, Universidade Federal de Pernambuco

Doutora em Teorias do Texto e do Discurso pela UFRGS (2005). Professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação da UFPE, atuando nas linhas de pesquisa "Análises do Discurso" e "Análises de práticas de linguagem no campo do ensino". Líder do NEPLEV (Núcleo de Pesquisa em Práticas de Linguagem e Espaço Virtual). Possui vários artigos e capítulos de livros publicados, no campo da Análise do Discurso pecheuxtiana, dedicando-se a temas que envolvem sobretudo o discurso das mídias, inclusive as digitais. Entre suas publicações, destaca-se a publicação de três coletâneas, organizadas com outros autores: Discursos em rede: práticas de (re)produção, movimentos de resistência e constituição de subjetividades no ciberespaço (Ed. UFPE, 2011); Análise do Discurso e sua história: avanços e perspectivas (Pontes Editores, 2016); Representação dos dizeres na construção dos discursos (Pontes Editores, 2018).

Fabiele Stockmans De Nardi, Universidade Federal de Pernambuco

Professora Associada da Universidade Federal de Pernambuco. Doutora em Estudos da Linguagem/ Teorias do Texto e do Discurso pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2007), atua no Programa de Pós-Graduação em Letras da UFPE, onde orienta trabalhos nos níveis de mestrado e doutorado na área de linguística. Vice-líder do Núcleo de Estudos em Práticas de Linguagem e Espaço Virtual (NEPLEV/UFPE) e integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Análise do Discurso (GEPAD-RS). É autora de diversos artigos e capítulos de livros, dedicando-se, especialmente, a pesquisas sobre ensino de línguas, memória e cultura pelo viés da Análise do Discurso de linha pecheuxtiana. Coordena, atualmente, o Núcleo de Língua Espanhola do Programa Pibid (CAPES/UFPE).

Referências

APPLE, M. W. Para além da lógica de mercado: compreendendo e opondo-se ao neoliberalismo. Rio de Janeiro: Lamparina, 2005.

COURTINE, J.-J. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: EdUFSCAR, 2009.

COURTINE, J.-J. Definição de orientações teóricas e construção de procedimentos em Análise do Discurso. Policromias, v. 1, n. 1, p. 14-35, jul. 2016. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/policromias/article/view/4090/3058. Acesso em: 28 set. 2019.

FRANCO, C. Diário de um golpe: um slogan que nasce fracassado. Revista Publicita, 15 maio 2016. Disponível em: http://www.revistapublicitta.com.br/saber/diario-do-golpe-um-slogan-que-nasce-fracassado/. Acesso em: 28 set. 2019.

GADET, F.; PÊCHEUX, M. A língua inatingível: o discurso na história da Linguística. Campinas: Pontes, 2004[1981].

GARCIA, D. A.; SOUSA, L. M. A. e. “Não pense em crise, trabalhe”: o jogo da história na trama da língua. Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 15, n. 1, p. 2891-2902, jan.-mar. 2018 . DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8412.

LÉON, J.; PÊCHEUX, M. [1982] Análise sintática e paráfrase discursiva. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Análise de discurso: Michel Pêcheux. 2. ed. Campinas: Pontes Editores, 2011. p. 163-173.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 3. ed. Campinas: Pontes, 2001.

PÊCHEUX, M. [1969]. Análise automática do discurso (AAD-69). In: GADET, F.; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 3. ed. Campinas: Ed Unicamp, 1997. p. 61-161.

PÊCHEUX, M.; FUCHS, C. [1975]. A propósito da análise automática do discurso: atualizações e perspectivas. In: GADET, F.; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 3. ed. Campinas: Unicamp, 1997. p. 163-252.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 2. ed. Trad. de Eni P. Orlandi et al. Campinas: Unicamp, 1995[1975].

PÊCHEUX, M. [1978a] Só há causa daquilo que falha ou o inverno político francês: início de uma retificação. In: PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 2. ed. Campinas: Unicamp, 1995. p. 293-307.

PÊCHEUX, M. As massas populares são um objeto inanimado? In: ORLANDI, E. P. (Org.). Análise de discurso: Michel Pêcheux. 2. ed. Campinas: Pontes, 2011[1978b]. p. 251- 273.

PÊCHEUX, M. Delimitações, inversões, deslocamentos. Cad. Estudos Linguísticos. Campinas, n. 19, p. 7-24, jun.-dez. 1990a[1982a].

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas, SP: Pontes, 1990b[1983a].

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, P. et al. (Org.) Papel da memória. Campinas, SP: Pontes, 1999[1983b]. p. 49-57.

PÊCHEUX, M. Ideologia - aprisionamento ou campo paradoxal? In: ORLANDI, E. P. (Org.). Análise de discurso: Michel Pêcheux. 2. ed. Campinas: Pontes Editores, 2011[1982b]. p. 107-119.

PÊCHEUX, M. [1984]. Ousar pensar e ousar se revoltar. Ideologia, marxismo, luta de classes. Décalages, v. 1, n. 4, p. 1-22. 2013.

Downloads

Publicado

2020-06-28

Como Citar

GRIGOLETTO, E.; STOCKMANS DE NARDI, F. . Ideologia, memória, sentido: Reflexões acerca do enunciado "Não pense em crise, trabalhe" e suas (re)atualizações em discursos de resistência. Letras & Letras, Uberlândia, v. 36, n. 1, p. 38–56, 2020. DOI: 10.14393/LL63-v36n1-2020-3. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/50799. Acesso em: 19 maio. 2024.