O enunciado discursivo "Intervenção Militar Já" nas redes sociais

Confrontos e resistência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v36n1-2020-2

Palavras-chave:

Intervenção militar, Redes sociais, Memória discursiva, Silenciamento, Resistência

Resumo

No presente texto, objetivamos analisar discursivamente o enunciado “Intervenção Militar Já”, o qual começou a circular intensamente nas redes sociais a partir das manifestações e protestos conhecidos como Jornadas de Junho de 2013. Nosso estudo respalda-se teoricamente na Análise de Discurso desenvolvida por Pêcheux, (1969; 1975; 1983), além de outras contribuições teóricas, a exemplo da História e dos estudos sobre o discurso digital. O corpus foi constituído de sete Sequências Discursivas (SDs) provenientes de materialidades da rede social Facebook, utilizando o critério da regularidade discursiva. Os resultados mostram que a formulação “Intervenção Militar Já”, sob o jogo de relações com a memória, atualiza sentidos do regime militar brasileiro (1964-1985), com predomínio de duas posições-sujeito: uma de apologia ao militarismo, com efeitos de apagamento dos sentidos de ditadura; outra de repúdio e resistência à intervenção militar, devido aos efeitos de memória de que a ditadura jamais deve voltar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosiene Aguiar Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Linguística - PPGLin da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB. Título da Dissertação: O funcionamento discursivo do enunciado Intervenção Militar Já nas Mídias Digitais: Memória, Metáfora e Efeitos de Sentidos. Orientadora: Doutora Gerenice Ribeiro de Oliveira Cortes. Graduada em Licenciatura Plena em História, com abrangência em História Moderna. Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. (UESB). Título da Monografia: Devotio Moderna Humanismo e Religião na obra de Erasmo de Roterdã. Orientador: Roberto Silva de Oliveira. E-mail: roseagui13@hotmail.com

Gerenice Ribeiro de Oliveira Cortes, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutora em Letras/Linguística pela Universidade Federal de Pernambuco-UFPE (2015); mestre em Letras/Linguística pela Universidade Federal de Pernambuco-UFPE (2009);graduada em Letras pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (1991). Professora da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/Departamento de Estudos Linguísticos e Literários (DELL) e do Programa de Pós-graduação em Linguística (PPGLin). Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Análise do Discurso - GEPADIS - UESB/CNPq; atua nas áreas de Texto e Análise do Discurso. Interessa-se pelos estudos do Discurso, com especial interesse pelas discursividades digitais da internet.

Referências

ACHARD, P. et al. Papel da memória. 2. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, [1983] 1999.

CAVALCANTE, S. Classe média e conservadorismo liberal. In: CRUZ, S. V.; KAYSEL, A.; CODAS, G. (Org.). Direita, volver!: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2015. p. 177-196.

CAVALCANTI, L. J. N. A promessa da democratização pela internet e os furos da realidade no virtual: Como o arquivo radicaliza. In: VII SEAD. Recife, 2015.

CAZARIN, E. A.; MENEZES, E. S. A mídia e o golpe de 1964: revista O Cruzeiro como aliada do discurso das forças militares. Conexão Letras, v. 9, n. 11, p. 112-122, jan./jun. 2014. DOI: https://doi.org/10.22456/2594-8962.55145.

CORTES, G. R. O. Do lugar discursivo ao efeito-leitor: a movimentação do sujeito no discurso em blogs de divulgação científica. 2015. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal de Pernambuco, 2015.

COSTA CARDOSO, L. “Volta à Ditadura”? Retorno da utopia autoritária presente nas memórias de militares e civis de 1964. Contenciosa, Año VI, n. 8, 2018. DOI: https://doi.org/10.14409/contenciosa.v0i8.8594.

COURTINE, J-JAnálise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. Trad. de Patrícia Chitonni Ramos Reuillard. São Carlos: EdUFSCar, 2009[1981].

DELCOURT, L. Um TeaParty tropical: a ascensão de uma “nova direita” no Brasil. Lutas Sociais, São Paulo, v. 20, n. 36, p. 126-139, jan.-jun. 2016.

DIAS, C. Análise do discurso digital: sobre o arquivo e a constituição do corpus. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 44, n. 3, p. 972-980, set.-dez. 2015.

GALLO, S. L; SILVA, M. J. da; BOCCHESE, P. A. Projeto Metarede: investigando discursividades online e textualidades digitais. In: FLORES, G. G. B.; NECKEL, N. R. M.; GALLO, S. M. L. (Org.). Discurso, Cultura e Mídia: Pesquisas em Rede. Palhoça: Ed. Unisul, 2015.

GRIGOLETTO, M. Silenciamento e memória: discurso e colonização britânica na Índia. Organon, São Paulo, v. 17, n. 3, p. 229-243, 2003. DOI: https://doi.org/10.22456/2238-8915.30026.

INDURSKY, F. A fala dos quartéis e as outras vozes. 2. ed. Campinas: Unicamp, 2013.

MESSEMBERG, D. A direita que saiu do armário: a cosmovisão dos formadores de opinião dos manifestantes de direita brasileiros. Revista Sociedade e Estado, v. 32, n. 3, p. 621-648, set.-dez. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/s0102-69922017.3203004.

MITTMANN, S. A apropriação do ciberespaço pelos movimentos sociais. III Encontro Nacional sobre Hipertexto. Belo Horizonte, 2009.

ORLANDI, E. Análise de Discurso: princípios & procedimentos. Campinas: Pontes, 2003.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio – no movimento dos sentidos. Campinas: Unicamp, 1992.

ORLANDI, E. P. Exterioridade e ideologia. Cad. Est. Ling., Campinas, v. 30, p. 27-33, jan.-jun. 1996.

ORLANDI, E. Maio de 1968: os silêncios da memória. In: ACHARD, Pierre et al. Papel da memória. 2. ed. Campinas: Pontes Editores, [1983] 1999.

PÊCHEUX, M. Análise Automática do Discurso. In: GADET, F; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Unicamp, [1969]1997.

PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. de Eni Pulcinelli Orlandi et al. 2. ed. Campinas: Unicamp, [1975]1995.

PÊCHEUX, M. O papel da memória. In: ACHARD, Pierre et al. Papel da memória. 2. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, [1983]1999.

SALLES, L. G. Nova direita ou velha direita com Wi-Fi?: Uma interpretação das articulações da “direita” na internet brasileira. 2017. Dissertação (Mestrado em Sociologia Política) – Universidade Federal de Santa Catarina, 2017.

SILVA E. D. da. As bases da nova direita: estudo de caso do Movimento Brasil Livre na cidade de São Paulo. Conversas & Controvérsias, v. 5, n. 1, p. 75-95, 2018. DOI: https://doi.org/10.15448/2178-5694.2018.1.30257.

SILVEIRA, S. A. da. Direita nas redes sociais online. In: CRUZ, S. V.; KAYSEL, A.; CODAS, G. (Org.). Direita, volver!: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2015. p. 213-230.

SOUZA, D. M. R. de; DIAS, J. A. Apresentação do dossiê Ditadura Militar no Brasil. Contenciosa, ano VI, n. 8, 2018.

VALENTE, R. Para especialistas, pedido de intervenção militar afronta Constituição e pode ser crime. Folha UOL, 24 maio 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol. com.br/poder/2018/05/para-especialistas-pedido-de-intervencao-militar-afronta-constituicao-e-pode-ser-crime.shtml. Acesso em: abr. 2019.

Downloads

Publicado

2020-06-27

Como Citar

AGUIAR SANTOS, R.; RIBEIRO DE OLIVEIRA CORTES, G. . O enunciado discursivo "Intervenção Militar Já" nas redes sociais: Confrontos e resistência. Letras & Letras, [S. l.], v. 36, n. 1, p. 21–37, 2020. DOI: 10.14393/LL63-v36n1-2020-2. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/49772. Acesso em: 17 ago. 2022.