Desafios para a dicionarização de uma língua em obsolescência na Amazônia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex-v8a2023/24-6

Palavras-chave:

Lexicologia, Lexicografia, Dicionário, Léxico da fauna, Amazônia

Resumo

As teorias tradicionais nas áreas de Lexicografia e Lexicologia foram desenvolvidas, em grande parte, a partir de trabalhos realizados com comunidades linguísticas saudáveis, com equipes de profissionais em que alguns desses eram falantes das línguas com as quais trabalhavam. Porém, com a expansão dos estudos descritivos de diferentes línguas, a criação de obras lexicográficas e lexicológicas tornou-se um desafio para os profissionais da área, uma vez que situações de obsolescência linguística, como é o caso apresentado neste artigo, impõem a necessidade de os aspectos práticos do trabalho serem realizados de forma alternativa, distinta daquela que está padronizada, sem que isso implique perda de qualidade na investigação realizada. O texto trata de uma experiência em que se verificam questões dessa ordem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaqueline de Andrade Reis, UFPA

Doutora em Linguística (PPGL/UFPA). Docente do Campus Universitário do Marajó/Breves (UFPA).

Marília de Nazaré de Oliveria Ferreira, Universidade Federal do Pará

Professora Titular da UFPA vinculada ao Instituto de Letras e Comunicação (PPGL/FALE). Bolsista de Produtividade em Pesquisa 1D CNPq.

Referências

ARAÚJO, L. M. S. Dicionário Parkatêjê-Português. 1ª edição. Belém-Pará, 2016.

ARAÚJO, L. M. S. Fonologia e Grafia da Língua da Comunidade Parkatêjê (Timbira). In: SEKI, L. (org.) Linguística Indígena e Educação na América Latina. Editora da UNICAMP: Campinas, São Paulo. 1993.

ARAÚJO, L. M. S. Semântica gerativa da língua gavião-Jê. Dissertação (Mestrado em Linguística). Universidade Federal de Santa Catarina. Santa Catarina. 1977. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/74792/190324.pdf?sequence=1&isAllowed=y

FAULSTICH, E. J. L. Avaliação de dicionários: uma proposta metodológica. Organon: Revista do Instituto de Letras - UFRGS. V. 25, nº 50, pág. 1-23. Rio Grande do Sul, 2011. DOI https://doi.org/10.22456/2238-8915.28346

FAULSTICH, E. J. L. Socioterminologia, termo e variação. Universidade de Brasília-UnB. Brasília-DF, 2010a.

FAULSTICH, E. J. L. Para gostar de ler um dicionário. In: RAMOS, C. de M. de A; BEZERRA, J. de R. M.; ROCHA, M. de F. S. (org.). Pelos caminhos da Dialetologia e da Sociolinguística: entrelaçando saberes e vidas. 1ª ed. São Luís, v. 1, p. 166-185. UFMA, 2010b.

FERREIRA, M. N. O. Estudo Morfossintático da língua Parkatêjê. Tese (Doutorado em Linguística). Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. São Paulo. 2003.

KRIEGER, M. G; FINATTO, M. J. B. Introdução à Terminologia: teoria & prática. São Paulo: Contexto, 2004.

PONTES, A. L. Dicionário para uso escolar: o que é e como se lê. EDUECE, Fortaleza, 2009.

REIS, J. A. Uso dos programas Flex e Lexique Pro na elaboração de dicionários e glossários e na constituição de banco de dados linguísticos. In: SOUZA, E. M. P. ; TORRES, W. N. (org.). Tecnologia e Educação: avanços e desafios. 1ed. Curitiba: Bagai, 2021. p. 136-149.

RODRIGUES, A. D. Macro-Jê. In: DIXON, Robert M. W. ; AIKHENVALD, A.(ed.) The Amazonian Languages. Cambridge University Press. 1999. p.164-206.

Downloads

Publicado

11-12-2023

Como Citar

REIS, J. de A.; FERREIRA, M. de N. de O. Desafios para a dicionarização de uma língua em obsolescência na Amazônia. Revista GTLex, Uberlândia, v. 9, p. e0906, 2023. DOI: 10.14393/Lex-v8a2023/24-6. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/GTLex/article/view/70752. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos