O aumento da inclusão de postos e graduações militares em nomes de urna como um indicador de mudanças no imaginário social brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex5-v3n1a2017-10

Palavras-chave:

Nomes de urna, Regime militar, Antroponomástica, Direita envergonhada, Ciências Políticas

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar, com base nos pressupostos teóricos da Antroponomástica e das Ciências Políticas, os nomes de urna de candidatos militares ao cargo de deputado estadual em um período de 20 anos, entre 1998 e 2018. Pretende-se verificar se a preferência pela inclusão de postos e graduações militares em nomes de urna poderia variar em conformidade com mudanças no imaginário social brasileiro. Para isso, foi realizada uma análise quantitativa dos dados e verificado se há correlação entre os resultados numéricos encontrados e a vigência da “direita envergonhada”, fenômeno, em declínio, que perdurava desde a época da redemocratização e se refere ao constrangimento da direita por sua associação ao regime militar, em função de sua avaliação negativa pela sociedade. Os resultados encontrados atestam a hipótese de que o imaginário coletivo sobre o regime militar influenciou a opção ou não dos militares por incluir postos e graduações em nomes de urna, afinal, em meio à ascensão de discursos favoráveis ao regime e, consequentemente, com o arrefecimento do fenômeno da “direita envergonhada”, o número de postos e graduações em nomes de urnas teve um aumento significativo. Isso prova que os padrões no processo de formação de nomes de urna podem indicar aspectos políticos e sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, E. T. R.; MACHADO, V. B. Nomes de urna e nomes parlamentares de vereadores da Câmara Municipal de Ouro Preto. Revista GTLex, v. 1, n. 1, 2015. DOI https://doi.org/10.14393/Lex1-v1n1a2015-4

AMARAL, E. T. R. Contribuições para uma tipologia de antropônimos do português brasileiro. Alfa Revista de Linguística, São Paulo, v. 55, n. 2, p. 63-82, 2011.

BRASIL. Lei Nº 9.504, de 30 de setembro de 1997. Estabelece normas para as eleições. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9504.htm. Acesso em: 30 jun. 2019.

CARVALHO, J. M. A formação das almas: o imaginário da república no Brasil. São Paulo. Companhia das Letras, 1987.

CHALOUB, J. G. S.; PERLATTO F. Intelectuais da “nova direita” brasileira: ideias, retórica e prática política. In: Anais do 39º Encontro Anual da ANPOCS, v. 1. 39º Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu, 2015.

FERNÁNDEZ LEBORANS, M. J. El nombre propio. In: BOSQUE MUÑOZ, I.; DEMONTE BARRETO, V. (dir.). Gramática descriptiva de la lengua española - vol. 1: sintaxis básica de las clases de palabras. Madrid: Espasa Calpe, 1999. p. 77-128.

MADEIRA, R. M.; TAROUCO, G. da S. A ‘direita envergonhada’ no Brasil: como partidos reinterpretam seus vínculos com o regime militar? In: V Congreso Latinoamericano de Ciencia Política, Asociación Latinoamericana de Ciencia Política, Buenos Aires, 2010.

MAINWARING, S.; MENEGUELLO, R.; POWER, T. Partidos conservadores no Brasil contemporâneo: quais são, o que defendem, quais são suas bases. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

MAITINO, E. M. “Direita, sem vergonha”: conformações no campo da direita no Brasil a partir do discurso de Jair Bolsonaro. PLURAL, Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da USP, São Paulo, v.25.1, p.111-134, 2018. DOI https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2018.149018

PIERUCCI, A. F. As bases da nova direita. Novos Estudos CEBRAP, n. 19, p. 26-45, dez. 1987.

RODRIGUES, L. M. Quem é quem na Constituinte: uma análise sociopolítica dos partidos e deputados. São Paulo: OESP-Maltese, 1987.

SOUZA, M. do C. C. A Nova República brasileira: sob a espada de Dâmocles. In: STEPAN, A. (org.) Democratizando o Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988, p. 563-629.

TAROUCO, G. da S.; MADEIRA, R. M. Partidos, programas e o debate sobre esquerda e direita no Brasil. Revista de Sociologia e Política, n. 21, ed. 45, p. 149-165, 2013. DOI https://doi.org/10.1590/S0104-44782013000100011

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. Eleições anteriores. Disponível em:

http://www.tse.jus.br/eleicoes/eleicoes-anteriores. Acesso em: 27 jun. 2019.

VAN LANGENDONCK, W. Theory and typology of proper names. Berlin: Walter de Gruyter, 2007. DOI https://doi.org/10.1515/9783110197853

Downloads

Publicado

20-04-2020

Como Citar

Soares, P. S. L. (2020). O aumento da inclusão de postos e graduações militares em nomes de urna como um indicador de mudanças no imaginário social brasileiro. Revista GTLex, 3(1), 169–182. https://doi.org/10.14393/Lex5-v3n1a2017-10

Edição

Seção

Artigos