Trabalho e fé na Idade Média

reflexões lexicais e cognitivas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex6-v3n2a2018-2

Palavras-chave:

Léxico, Conceptualização, Idade Média, Trabalho, Fé

Resumo

Objetivamos, com o presente artigo, socializar reflexões sobre possíveis relações estabelecidas pelo homem medieval, religioso, católico, entre sua vida de fé e o seu trabalho, seja negando-o ou supervalorizando-o em sua prática religiosa. Assim o trabalho não será entendido apenas como parte da vida e da rotina, mas como construtor de uma ideologia a ser seguida, que mescla a vivência religiosa à social. Ancoramos teoricamente nosso estudo na Semântica Cognitiva, no que tange à Teoria da Metáfora Conceptual (LAKOFF; JOHNSON, 2002 [1980], 1999; LAKOFF, 1987) em seus desdobramentos mais recentes. A coleta de dados seguiu a busca lexical e  interpretativa, de cunho semântico-cognitivista, em textos científicos, de cunho historiográfico e teológico, sobre as conceptualizações do trabalho na Idade Média; desse modo, observamos como a construção do discurso sobre esse tema pode nos oferecer pistas lexicais e semânticas sobre as principais formas e entendimento do que significava, para esse sujeito, o trabalho, em seu contexto. Outros estudiosos aqui considerados foram: Le Goff (2013), Houtart (1982), De Masi (2001), Dreher (2013), Aquino (2014), dentre outros. Alguns resultados apontaram para as seguintes conceptualizações metafóricas do trabalho: TRABALHO RELIGIOSO É PRIVILÉGIO SOCIAL, TRABALHO É RELAÇÃO DE TROCA, TRABALHO É PAGAMENTO. O presente estudo possibilitou a percepção de que como se deram alguns processos de conceptualização através dos mapeamentos entre domínios de conhecimentos diversos, sejam eles históricos, sociais ou religiosos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, A. A. D. Contribuição para o estudo do campo semântico “trabalhador” no português arcaico. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007.

ALMEIDA, J. F. de. Bíblia sagrada. Edição Revista e Corrigida. Sociedade Bíblica do Brasil, 1995.

ANTUNES, R. As metamorfoses no mundo do trabalho. Trabalho apresentado no XIX International Congress of Latin American Studies Association (LASA), Washington, USA, 30/09/1995.

AQUINO, F. História da igreja: os movimentos em prol da pobreza. 2014. Disponível em: http://cleofas.com.br/historia-da-igreja-os-movimentos-em-prol-da-pobreza/. Acesso em 24 maio 2016.

ARENDT, H. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. 10 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

CUENCA, M. J.; HILFERTY, J. Introducción a la lingüística cognitiva. Barcelona: Editorial Ariel AS, 2007 [1999].

DE MASI, D. O futuro do trabalho: fadiga e ócio na sociedade pós-industrial. Tradução de Yadyr A. Figueiredo. Rio de Janeiro: José Olympio, 2001.

DREHER, M. N. História do povo de Jesus: uma leitura latino-americana. São Leopoldo: Sinodal, 2013.

FRANCO JÚNIOR, H. A idade média: nascimento do ocidente. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Brasiliense, 2001.

GRÜN, A. Trabalho e espiritualidade. Tradução de Vilmar Schneider. Petrópolis: Vozes, 2014.

HOUTART, F. Religião e modos de produção pré-capitalistas. Tradução de Álvaro Cunha. São Paulo: Ed. Paulinas, 1982.

IBARRETXE-ANTUÑANO, I. Humanismo, ciencia y lingüística (cognitiva): ¿incompatibles o complementarios? In: QUEROL, M. (ed.) El futuro de las humanidades. II volumen de artículos en homenaje al profesor D. Ángel López García. Valencia: Servei de Publicacions de la Universitat de València, 2010. p. 49-70. Disponível em: www.angellopezgarcia.es/homenajealopez.pdf. Acesso em: 14 maio 2015.

LAFER, M. de C. N. Hesíodo, os trabalhos e os dias (primeira parte). São Paulo: Iluminuras, 1991.

LAKOFF, G. A hipótese da invariância: o pensamento abstrato está baseado em esquemas de imagem? In: SIQUEIRA, M.; OLIVEIRA, A. F. S. de (org.). Cadernos de Tradução – Linguística Cognitiva. Tradução de Larissa Brangel; Dalby Dienstbach. Porto Alegre, n. 31, jul-dez, 2012, p. 7-46.

LAKOFF, G. Women, fire, and dangerous things. Chicago: The University of Chicago Press, 1987. DOI https://doi.org/10.7208/chicago/9780226471013.001.0001.

LAKOFF, G.; JOHNSON, M. Metaphors we live by. Chicago: University of Chicago Press, 1980. Tradução brasileira: Metáforas da vida cotidiana. ZANOTTO, M. S. (coord. de tradução- Grupo GEIM). São Paulo: EDUC/ Mercado de Letras, 2002.

LAKOFF, G.; JOHNSON, M. Philosophy in the flesh. Chicago: The University Chicago Press, 1999.

LANER, A. dos S. Psicologia e trabalho na história: da apropriação do tempo à busca da felicidade. Ijuí: Ed. Unijuí, 2005.

LE GOFF, J. (org.). O homem medieval. Tradução de Maria Jorge Vilar de Figueiredo. Lisboa: Editorial Presença, 1989.

LE GOFF, J. (org.). Para uma outra idade média: tempo, trabalho e cultura no Ocidente. Tradução de Thiago de Abreu e Lima Florêncio e Noéli Correia de Melo Sobrinho. Petrópolis: Vozes, 2013.

MIGEOTTE, L. Os filósofos gregos e o trabalho na antiguidade. In: MERCURE, D.; SPURK, J. (org.) O trabalho na história do pensamento ocidental. Tradução de Patrícia Reuillard e Sônia Taborda. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 17-62.

MOURA, A. R. de. Hesíodo, os trabalhos e os dias (Primeira parte). Curitiba: Segesta, 2012.

NUBIOLA, J. El valor cognitivo de las metáforas. In: PÉREZ-ILZARBE, P., LÁZARO-CANTERO, R. (ed.) Verdad, bien y belleza: cuando los filósofos hablan de los valores. Cuadernos de Anuario Filosófico. n. 103, Pamplona, 2000. p. 73-84. Disponível em: http://www.unav.es/users/ValorCognitivoMetaforas.html. Acesso em: 09 jan. 2015.

PETERSON, E. A mensagem: Bíblia em linguagem contemporânea. São Paulo: Vida, 2011.

Downloads

Publicado

17-02-2020

Como Citar

Silva, E. S. L. da. (2020). Trabalho e fé na Idade Média: reflexões lexicais e cognitivas. Revista GTLex, 3(2), 225–250. https://doi.org/10.14393/Lex6-v3n2a2018-2

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)