A identidade brasiliense na variação lexical da estrutura urbana do Plano Piloto

Autores

  • Flávia de Oliveira Maia Pires Universidade de Brasília - UnB

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex8-v4n2a2019-3

Palavras-chave:

Variação linguística, Identidade brasiliense, Lexicologia

Resumo

Este trabalho é parte de um estudo sobre o léxico da estrutura urbana e arquitetônica do Plano Piloto de Brasília, no âmbito dos estudos lexicais e terminológicos. Identificou-se variações entre os itens lexicais que denominam a estrutura urbana e arquitetônica, utilizados pelos habitantes da capital do Brasil, revelando marcas identitárias do brasiliense em conversas cotidianas que envolvem a cidade. As variações lexicais englobam siglas, nomes complexos e nomes simples. A pesquisa demonstra que as variações estão sujeitas ao contexto de uso. Utilizou-se a metodologia analítica-descritiva. O corpus foi formado por textos especializados, textos de divulgação e sites governamentais sobre Brasília. A ferramenta AntConc (ANTHONY, 2019)  auxiliou no processamento dos dados. As bases para este trabalho foram a teoria da terminologia variacionista de Faulstich (1996, 1997, 1998 e 2001) e estudos de Maia-Pires (2009 e 2018). O primeiro estudo, incluindo as variações lexicais, registrou um conjunto de 216 nomes que compunham o léxico urbanístico do Plano Piloto, a etapa mais recente acrescentou 54 nomes, incluindo elementos arquitetônicos, formando um total de 270 itens lexicais que estão divulgados em um glossário, publicado em abril de 2018.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia de Oliveira Maia Pires, Universidade de Brasília - UnB

Doutora em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade de Brasília - PPGL/UnB. Professora do Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas - LIP- da Universidade de Brasília. 

Referências

ANDRADE, C. Q. A fala brasiliense: origem e expansão do uso do pronome tu. (tese de doutorado) Universidade de Brasília, 2015.

ANTHONY, L. AntConc (Version 3.5.8) [Computer Software]. Tokyo, Japan: Waseda University, 2019. Disponível em: http://www.laurenceanthony.net/software.

AULETE, C. Aulete Digital – Dicionário contemporâneo da língua portuguesa: Dicionário Caldas Aulete, vs online. Acesso em: 03 ago. 2019.

BERBER SARDINHA, T. Linguística de Corpus. Barueri, SP: Editora Manole. 2004.

CABRÉ, M. T. La terminologia. Teoria, metodogía, aplicaciones. Editora Antártida/Empúries. Barcelona, 1993.

CAFÉ, L. Terminologia: aplicação do (re)modelo de Simon Dik. In: FAULSTICH, E., ABREU, S. P. de (org.). Linguística aplicada à terminologia e à lexicologia: cooperação internacional: Brasil e Canadá/ UFRGS, Instituto de Letra, Nec, Porto Alegre, 2003.

COSTA, L. Relatório do Plano Piloto de Brasília, 1957. Disponível em: www.sucar.df.gov.br/DIRON/Arquivos/DREAEP/Codigo_de_Edificacoes/Relator_Bsb.doc). Acesso em: 20 jun. 2019.

CAÑAS, A. J.; HILL, G.; CARFF, R. et al. In Concept Maps: Theory, Methodology, Technology, Proceedings of the First International Conference on Concept Mapping, Pamplona, Spain (September 14-17, 2004), Editorial Universidad Pública de Navarra. Disponível em: https://cmap.ihmc.us.

FAULSTICH, E. L. de J. Metodologia para projeto terminográfico. UnB/IBICT. Brasília, 1990.

FAULSTICH, E. L. de J. Rede de remissivas de um glossário terminológico. Terminologia: Cadernos do I. L. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, nº 10. Porto Alegre, 1993.

FAULSTICH, E. L. de J. Base metodológica para pesquisa em socioterminologia. Revista Vozes, 1995.

FAULSTICH, E. L. de J. Da linguística histórica à terminologia. Revista Investigações Lingüística e Teoria Literária. Ed. Universitária. V. 7, set., p. 71-101. Recife, 1997.

FAULSTICH, E. L. de J. Princípios formais e funcionais de variação em terminologia. SEMINÁRIO DE TERMINOLOGIA TEÓRICA, Barcelona, 28-29 de janeiro, 1999.

FAULSTICH, E. L. de J. Proposta metodológica para a elaboração de léxicos, dicionários e glossários. Brasília: LIV/UnB/ Centro Lexterm, 2001.

FAULSTICH, E. L. de J. Formação de termos: do constructo e das regras às evidências empíricas. I: FAULSTICH, E., ABREU, S. P. de (org.). Lingüística aplicada à terminologia e à lexicologia: cooperação internacional: Brasil e Canadá. UFRGS, Instituto de Letra, Nec. Porto Alegre, 2003.

FERRARI, C. Dicionário de Urbanismo. Editora Disal. São Paulo, 2004.

HOUAISS, A. Elementos de bibliologia. Rio de Janeiro. Instituto nacional do livro – MEC, 1967.

ISQUERDO, A. N.; OLIVEIRA, M. P. P. de. As Ciências do Léxico: Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. 2a ed. Campo Grande, Ms: ed. UFMS, 2001.

IPHAN/ 15a Superintendência Regional. Plano Piloto 50 anos: cartilha de preservação. Brasília, 2007.

KOCH DELGADO, H. O. K. Proposta de uma didática de tradução de linguagens especializadas para licenciando em língua inglesa. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

LENCI, A. Testo e computer: elementi di linguistica computazionale. Carocci, 2019.

MAIA-PIRES, F. de O. Brasília em termos: um estudo lexical do Plano Piloto. Dissertação (Mestrado em Linguística), Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

MAIA-PIRES, F. Glossário do Plano Piloto de Brasília: entre siglas e conceitos. Editora Porto, São Paulo, 2018.

SARGE, L. C. Curso prático sobre el procesamiento de la terminologia. Trad. del inglés, Laura Chumillas Moyá. Fundación Germán Sanchez Ruipéres, Madri, Pirámide, 1993.

VIEIRA, R.; LIMA, V. L. Linguística computacional: princípios e aplicações. JAIA – ENIA, Fortaleza, 2001.

Downloads

Publicado

04-07-2020

Como Citar

Maia Pires, F. de O. (2020). A identidade brasiliense na variação lexical da estrutura urbana do Plano Piloto. Revista GTLex, 4(2), 273–298. https://doi.org/10.14393/Lex8-v4n2a2019-3