Nome e cultura

o estudo sócio-onomástico na escolha do segundo nome na antroponímia rondonense

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex5-v3n1a2017-9

Palavras-chave:

Antroponomástica, Sócio-Onomástica, Nomes justapostos

Resumo

Nomear pessoas é um ato corriqueiro feito em toda comunidade existente, por isso fica evidente que diferentes localizações, países e culturas atribuem nomes próprios de sua região, podendo assim revelar marcas culturais e identitárias do povo que os utiliza. É nesse sentido que o presente trabalho expõe os resultados de uma dissertação de mestrado intitulada Motivação para a escolha de um segundo nome na antroponímia rondonense que teve como objetivo central investigar os modelos atributivos mais utilizados para a escolha do segundo prenome, na cidade de Marechal Cândido Rondon, Paraná, tendo em vista as possíveis influências socioculturais presentes na prática de nomeação. A pesquisa foi realizada tanto pelo viés quantitativo quanto qualitativo. Para isso, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com portadores de nomes justapostos ou pais que atribuíram tais nomes aos filhos, totalizando 250 nomes distribuídos em um recorte temporal da década de 1930/1940 até 2014. Os resultados da investigação mostraram divergências entre a prática de nomeação de homens e mulheres; enquanto para mulheres prevalece o modelo atributivo religião; para os homens, sobressai a motivação homenagem à família, especificamente pais e avôs.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BIDERMAN, M. T. C. O Léxico. In: OLIVEIRA, A.M.P.P; ISQUERDO; A.P. (org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Editora UFMS, Campo Grande, 1998.

BRAMWELL, E. S. Naming and transplanted traditions: change and continuity in Glasgow’s Pakistani Muslim community. Onoma. Glasgow: p. 29-51, 2011

DICK, M. V. de P. do A. Toponímia e Antroponímia no Brasil. Coletânea de Estudos. 2. ed. FFLCH: São Paulo, 1992.

FRAI, P. H. Motivação para a escolha de um segundo nome na antroponímia rondonense. 2016. 129 f. Dissertação (Mestrado em letras - área de concentração: linguagem e sociedade) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2016.

GRESPAN, T. Antroponímia de Toledo – Paraná – 1954-2004: aspectos inovadores. 2014. 103 f. Dissertação (Mestrado em Letras - Área de concentração: Linguagem e Sociedade) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2014.

GUÉRIOS, R. F. M. Dicionário etimológico de nomes e sobrenomes. 3. ed. São Paulo: Ave Maria, 1981.

HALL, S. A Identidade Cultural na pós-modernidade. DP&A, Rio de Janeiro, 1992.

JIMÉNEZ SEGURA, S. Los modelos de atribuición del nombre de pila tradicional y a partir de la moda en el municipio de Tlalnepantla de Baz, estado de México. Estudio sincrónico y diacrónico de tres calas: 1930, 1960 y 1990. 2014. Dissertação de Mestrado – Escuela Nacional de Antropologia e Historia, México, 2014.

LABOV, W. Field methods of the Project on Linguistic change and variation. Disponível em : http://www.ling.upenn.edu/~wlabov/L470/Labov1984.pdf. Acesso em: 25 mar. 2014.

LÓPEZ FRANCO, Y. G. Un siglo de nombres de pila en Tlalnepantla de Baz. Universidad Nacional Autónoma de México. México: Plaza y Valdés. 2010.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de Pesquisa. 3. ed. São Paulo: S.A: 1996.

NGADE, I. Bakossi names, naming culture and identify. Journal of African Cultural Studies, vol. 23, n. 2, p. 111-120, 2011. DOI https://doi.org/10.1080/13696815.2011.637880

POUPART, J. A entrevista de tipo qualitativo: considerações epistemológicas, teóricas e metodológicas. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: questões epistemológicas e metodológicas. Petrópolis: Vozes, 2008, p. 215 – 253.

SANTOS, M. L. F. de Oliveira Silva. A Onomástica, o indivíduo e o grupo. Disponível em: https://repositorio.uac.pt/bitstream/10400.3/389/1/Maria_Santos_p229-242.pdf. Acesso em: 19 fev. 2013

SEIDE, M. S. Motivações contemporâneas para a escolha do antropônimo. Revista Entreletras, n. 02, p. 90- 101, 2013.

TARALLO, F. A Pesquisa Socio-lingüística. 7. ed. São Paulo: Ática: 2001.

VAN LANGENDONCK. W. Theory and Typology of Proper Names. Berlin / New York: Mouton de Gruyter, 2007. DOI https://doi.org/10.1515/9783110197853

VESCOVI, J. P. Prenomes e sobrenomes em Palotina-PR e em Maripá-PR: um estudo comparativo. 2014. 110 f. Dissertação (Mestrado em Letras - Área de concentração: Linguagem e Sociedade), Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2014.

Downloads

Publicado

31-03-2020

Como Citar

Frai, P. (2020). Nome e cultura: o estudo sócio-onomástico na escolha do segundo nome na antroponímia rondonense. Revista GTLex, 3(1), 146–168. https://doi.org/10.14393/Lex5-v3n1a2017-9

Edição

Seção

Artigos