Mapeamento da Fragilidade Ambiental Potencial do Meio Físico da Área Urbana do Município de Lábrea – Sul do Amazonas

Conteúdo do artigo principal

Joiada Moreira da Silva Linhares
https://orcid.org/0000-0002-4266-6252
Déborah Pereira Linhares da Silva
https://orcid.org/0000-0003-0896-0471
Wanderley Rodrigues Bastos
https://orcid.org/0000-0002-2105-9947
Josélia Fontenele Batista
https://orcid.org/0000-0003-3374-0112

Resumo

A população de Lábrea – AM está estimada em 46.069 habitantes, dos quais quase 70% vive em área urbana. A migração da população campo-cidade tem propiciado a expansão indiscriminada do espaço urbano de Lábrea. Por isso, é comum encontrar domicílios em áreas impróprias para instalação de moradias, não só do ponto de vista da fragilidade ambiental, mas também do ponto de vista geotécnico. Assim, o estudo teve o objetivo de realizar o diagnóstico da fragilidade ambiental potencial na área urbana do município de Lábrea. Os procedimentos metodológicos foram organizados em etapas: 1) arquitetura organizacional dos dados no SIG; 2) preparação de base cartográfica e processamento digital de imagem e; 3) determinação das classes de fragilidade potencial, a partir do método de individualização de unidades ecodinâmicas instáveis e estáveis. A cidade de Lábrea apresenta áreas com fragilidade ambiental potencial fraca, média e forte, correspondendo a 33,18%, 7,3% e 51,63% respectivamente. As unidades morfológicas de planície e os vales fluviais mostraram-se mais sensíveis às mudanças do sistema natural. Por outro lado, as unidades de depressão e terraços fluviais apresentaram média e fraca fragilidade ambiental, condições favoráveis ao processo de ampliação planejada da urbanização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
LINHARES, J. M. da S.; SILVA , D. P. L. da; BASTOS, W. R.; BATISTA, J. F. Mapeamento da Fragilidade Ambiental Potencial do Meio Físico da Área Urbana do Município de Lábrea – Sul do Amazonas. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 72, n. 4, p. 651–664, 2020. DOI: 10.14393/rbcv72n4-53391. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/53391. Acesso em: 5 dez. 2022.
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Joiada Moreira da Silva Linhares, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas - IFAM Campus Lábrea

Licenciado e Bacharel em Geografia. Mestre e Doutor em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente. Pesquisador de apoio técnico no Laboratório de Biogeoquímica Ambiental Wolfang C. Pfeiffer, Universidade Federal de Rondônia. Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas, campus Lábrea.

Déborah Pereira Linhares da Silva , Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia - IFRO Campus Cacoal

Graduada (Licenciatura e Bacharelado) em Geografia e mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pela Universidade Federal de Rondônia - UNIR. Servidora, no cargo de Assistente em Administração, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia - IFRO, Campus Cacoal.

Wanderley Rodrigues Bastos, Universidade Federal de Rondônia

Graduado em Ciências Biológicas pela Fundação Técnico Educacional Souza Marques (1986), concluiu o mestrado (1997) e doutorado (2004) em Ciências Biológicas (Biofísica Ambiental) no Instituto de Biofísica Carlos Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente é Professor Associado III pelo Departamento de Biologia; Coordenador do Laboratório de Biogeoquímica Ambiental Wolfgang Christian Pfeiffer desde 1999 e Bolsista de Produtividade CNPq desde 2006. Coordenou de 2007 a 2009 a Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente da Universidade Federal de Rondônia e atualmente faz parte do seu Colegiado. Integra também os Programas de Pós-Graduação de Biofísica da UFRJ e a Rede BIONORTE. Atuou como chefe do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Rondônia entre 2010/2012. Atuou como membro do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Pesquisa Translacional em Saúde e Ambiente na Região Amazônica (INCT-INPeTAm) coordenado pelo Instituto de Biofísica Carlos C. Filho da UFRJ. Atualmente integra o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para a pesquisa da Transferência de Materiais do Continente para o Oceano (INCT-TMCOcean) coordenado pelo Prof. Dr. Luiz Drude de Lacerda do Laboratório de Ciências do Mar da UFC. Desenvolve estudos na área de: Ambiente & Saúde; Biofísica Ambiental; Biogeoquímica de Poluentes e Ecotoxicologia Aquática (Amazônia).

Josélia Fontenele Batista, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia - IFRO Campus Calama

Possui graduação em Bacharel em Geografia pela Universidade Federal de Rondônia (2000), graduação em Licenciatura em Geografia pela Universidade Federal de Rondônia (2003), mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pela Universidade Federal de Rondônia (2007) e doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Paraná (2014). Atualmente é colaboradora da Universidade Federal de Rondônia e efetivo do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Rondônia. Atualmente é professora de cursos técnicos integrados ao nível médio e do mestrado em rede PROFEPT.