Textos multimodais no ensino de língua espanhola e letramentos críticos

reflexões e análises

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/OT2021v23.n.3.59908

Palavras-chave:

Letramento crítico, Multimodalidade, Cercanía Joven

Resumo

Neste texto são analisadas atividades multimodais presentes no livro Cercanía Joven de língua espanhola, observando como elas podem favorecer um trabalho voltado para o letramento crítico. Tal trabalho justifica-se por contribuir para a produção científica da linha de ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras, pois tem como foco dois temas relevantes no contexto educacional brasileiro atual: o letramento crítico e a elaboração de livros didáticos. As análises apontam para o fato de que as atividades multimodais presentes no livro em questão maximizam a relação entre o educando e a proposta na perspectiva do letramento crítico,  no entanto, o trabalho com os textos ainda pode ser aprofundado a fim de contemplar outros aspectos, tais como, questões de gênero e práticas sociais para uma visão mais crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone dos Santos França, Universidade Federal de Mato Grosso dos Sul

Doutoranda em Estudo de Linguagens pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Mestre em Letras pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Especialista em Comunicação: Linguagens e Construção Textual e Literatura, pela Associação Educacional do Vale do Itajaí-Mirim Faculdade do Vale do Itajaí-Mirim (FAVIM);Especialista em Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispanoamericana, pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci. Graduada em Letras com habilitação em Espanhol, pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Licenciatura em Pedagogia pelo Claretiano - centro Universitário.

Referências

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1992. p. 277-326.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, 23 dez. 1996.

BRASIL. Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005. Dispõe sobre o ensino da língua espanhola. Diário Oficial da União, 8 ago. 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular. Brasília, DF, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf Acesso em: 22 jun. 2019.

BRASIL. Guia de livros didáticos PNLD 2015: língua estrangeira moderna: ensino médio. Brasília, DF: Fundo Nacional de Desenvovimento da Educação, 2014.

BRASIL. Orientações curriculares para o ensino médio: linguagens, códigos e suas tec- nologias. Brasília, DF: Secretaria de Educação Básica, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_01_internet.pdf Acesso em: 9 out. 2019.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: ensino médio: linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, DF: Secretaria de Educação Básica, 2000. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf Acesso em: 18 mar. 2020.

BRASIL. Programa ensino médio inovador. Brasília, DF: Secretaria de Educação Básica, 2011.

COIMBRA, L.; CHAVES, L. S.; BARCIA, P. L. Cercanía joven: espanhol 3º ano: ensino médio. São Paulo, SP: SM, 2013.

COPE, B.; KALANTZIS, M. Multiliteracies: literacy learning and the design of social futures. London: Routledge, 2000.

DUBOC, A. P. M.; FERRAZ, D. M. Letramentos Críticos de professores de inglês: Currículos e perspectivas em expansão. In: Revista X, v.1, p.19-32, 2011. https://doi.org/10.5380/rvx.v1i1.23056

FERNÁNDEZ, F. M. “El Español en Brasil”. In: SEDYCIAS, J. (Org.). O Ensino do Espanhol no Brasil: passado, presente, futuro. São Paulo: Parábola Editorial, 2005, p. 14-34.

FRANÇA, S. S. Desafios da prática do professor de Língua Espanhola no Brasil. Revista Saberes da Unijipa, v. 1, p. 28-39, 2017.

GEE, J. P. Situated language and learning: a critique of traditional schooling. London: Routledge, 2004.

KRESS, G. Design and transformation: new theories of meaning. In: COPE, B.; KALANTZIS, M. Multiliteracies: Literacy learning and the design of social futures. London: Routledge, 2000, p. 153-61.

KRESS, G.; VAN LEEUWEN, T. Reading images: the grammar of visual design. 2. ed. London: Routledge, 2006.

KRESS, G.; VAN LEEUWEN, T. Multimodal discourse: the modes and media of contemporary communication. London: Arnold, 2001.

KRESS, G.; VAN LEEUWEN, T. Reading images: the grammar of visual design. London: Routledge, 1996.

LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. New literacies: changing knowledge and classroom learning. Buckingham: Open University, 2003.

LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. Pesquisa pedagógica: do projeto à implementação. Porto Alegre, RS: Artmed, 2008.

LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. Sampling “the new” in new literacies. In: M. Knobel & C. Lankshear. (Eds.). A new literacies sampler. New York, NY: Peter Lang, 2007. p. 1-24.

LANKSHEAR, C.; SNYDER, I. A.; Green, B. Teachers and technoliteracy: managing literacy, learning and new technology in schools. Sydney: Allen & Unwin, 2010.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Métodos de coleta de dados: observação, entrevista e análise documental. In: LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagem qualitativa. São Paulo, SP: EPU, 1986. p. 25-44.

MENEZES DE SOUZA, L. M. T. Para uma redefinição do letramento crítico: conflito e produção de significação. In: MACIEL, R. F.; ARAUJO, V. A. Formação de professores de línguas: ampliando perspectivas. Jundiaí, SP: Paco, 2011. p.128-39.

MONTE MÓR, W. Critical literacies in the brazilian university and in the elementary/secondary schools: the dialects between the global and the local. In: MACIEL, R. F.; ARAUJO, V. A. Formação de professores de línguas: ampliando perspectivas. Jundiaí, SP: Paco, 2011. p. 307-13.

MONTE MÓR, W. Caderno de orientações didáticas para EJA: inglês. São Paulo, SP: Secreta- ria Municipal de Educação, 2010. Disponível em: http://portal.sme.prefeitura.sp.gov.br/Portals/1/Files/16100.pdf Acesso: 15 jun. 2019.

MONTE MÓR, W. Crítica e letramentos críticos: reflexões preliminares. In: MACIEL, R. F.; ROCHA, C. H. Língua estrangeira e formação cidadã: por entre discursos e práticas. Campinas, SP: Pontes, 2013. p. 31-50.

MONTE MÓR, W. Foreign languages teaching, education and the new literacies studies: ex- panding views. In: GONÇALVES, G. R. et al. (Orgs.). New challenges in language and literature. Belo Horizonte, MG: Universidade Federal de Minas Gerais, 2009. https://doi.org/10.14393/19834071.2016.36163

MUSPRATT, S.; LUKE, A.; FREEBODY, P. (Eds.). Constructing critical literacies: teaching and learning textual practice. New York, NY: Hampton, 1997.

RAJAGOPALAN, K. Política linguística: do que é que se trata, afinal? In: NICOLAIDES, C. et al. (Orgs.). Política e políticas linguísticas. Campinas, SP: Pontes, 2013. p. 19-42.

ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo, SP: Parábola, 2009.

ROJO, R. Pedagogia dos multiletramentos: diversidade cultural e de linguagens na escola. In: ROJO, R.; MOURA, E. (Orgs.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012, p. 11-31.

STREET, B. Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University, 1984.

STREET, B. Letramentos Sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Tradução: Marcos Bagno. 1. ed.. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

VALLE, J. La lengua, patria común: la hispanofonía y el nacionalismo panhispánico. In: VALLE, J. (Ed.). La lengua, ¿patria común? Ideas e ideologías del español. Madri: Iberoamericana, 2007. p. 31-56.

Downloads

Publicado

2021-10-03

Como Citar

DOS SANTOS FRANÇA, S. Textos multimodais no ensino de língua espanhola e letramentos críticos : reflexões e análises. Olhares & Trilhas, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 1176–1197, 2021. DOI: 10.14393/OT2021v23.n.3.59908. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/59908. Acesso em: 26 set. 2022.