Práticas discursivas em um contexto simulado de sala de aula inclusiva

Escolhas linguísticas realizadas por um intérprete de língua de sinais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v37n2-2021-05

Palavras-chave:

TILSE, Sala de aula mista, Alunos surdos

Resumo

Pretende-se descrever e analisar as escolhas linguísticas de um Tradutor e Intérprete de Língua de Sinais Educacional (TILSE), no ato interpretativo da Língua Portuguesa/Língua de Sinais e vice-versa, em um contexto simulado de sala de aula inclusiva, contemplando o aspecto conceitual do significado do discurso a partir do contexto interacional entre os alunos (surdos/ouvintes), o professor e o intérprete. Para isso, desenvolveu-se uma pesquisa, orientada pela perspectiva da etnografia interacional, que considerou a sala de aula inclusiva como uma cultura particularmente construída mediante as diferentes formas de interações estabelecidas entre os participantes. Os dados analisados foram coletados durante o ano de 2009, em Belo Horizonte/MG, numa instituição dedicada à formação de educadores atuantes na área da surdez. A investigação permitiu concluir que um enunciado pode ser entendido de várias maneiras, as quais são interpretadas com base nas definições do momento da interação social e do espaço comunicativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dayse Garcia Miranda, UFOP - Universidade Federal de Ouro Preto

Doutora em Estudos de Linguagens, professora adjunta do Departamento de Letras/UFOP

Referências

ALBRES, N. de A. Português... eu quero ler e escrever: material de didático para usuários de Libras. São Paulo: Instituto Santa Terezinha, 2010.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 10. ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

BARBOSA, E. R. A. Navegando no universo surdo: a multimodalidade a favor do ensino de português como segunda língua em um curso EAD. 2016. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

BERGAMO, A.; SANTANA, A. P. Cultura e identidade surda: encruzilhada de lutas sociais e teóricas. Caderno CEDES, v. 26, n. 91, p. 565-582, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302005000200013

BRAIT, B.; MELO, R. Enunciado/enunciado concreto/enunciação. In: BRAIT, B.; MELO, R. (Org.). Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Editora Contexto, 2007.

BRASIL. Decreto nº 5626 ‒ Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais ‒ Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 07 ago de 2020.

BRILLIANT-MILLS, H. Becoming a Mathematician: building a situated definition of mathematics. Linguistics and Education, v. 5, n. 3, p. 359-403, 1994. DOI: https://doi.org/10.1016/0898-5898(93)90004-T

CAMERON, D. Situations and events: the ethonography of speaking. In: CAMERON, D. Working with spoken discourse. London: Sage. 2001.

CASTANHEIRA, M. L; DIXON, C; GREEN, J. L. Práticas de letramento em sala de aula: uma análise de ações letradas como construção social. Revista Portuguesa de Educação, n. 20. p. 7-38, 2007.

GESSER, A. Libras? Que língua é essa?. São Paulo: Parábola, 2009.

GOFFMAN, E. Footing. Tradução de Fontana Beatriz. In: RIBEIRO, B. T.; GARCEZ, P. (Org.) Sociolinguística Interacional. São Paulo: Editora Loyola, 2002. p. 107-148.

GUMPERZ, J. Convenções de Contextualização. Tradução de Jose Luiz Meurer e Viviane Herbele. In: RIBEIRO, B. T.; GARCEZ, P. (Org). Sociolinguística Interacional. São Paulo: Editora Loyola, 2002. p. 149-182.

HICKS, D. Discourse, learning and teaching. Review of Research in Education, n. 21. p. 49-95, 1995. DOI: https://doi.org/10.2307/1167279

KUNTZE, M; GOLOS, D; ENNS, C. Rethinking literacy: broadening opportunities for visual learners. Sign Language Studies, v. 14, n. 2, p. 203-224, 2014. DOI: https://doi.org/10.1353/sls.2014.0002

LACERDA, C. B. F. O intérprete de língua de sinais no contexto de sala de aula de alunos ouvintes: Problematizando a questão. In: LACERDA, C. B. F. de; GÓES, M. C. R. Surdez: processos educativos e subjetividade. São Paulo: Lonice, 2002.

LACERDA, C. B. F. Intérprete de Libras: em atuação na educação infantil e no ensino fundamental. São Paulo: Editora Mediação, 2009.

LEITE, E. M. C. Os intérpretes de LIBRAS na sala de aula inclusiva. 2004. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

MACHADO, V. L. V; WEININGER, M. K. As variantes da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS. Transversal – Revista em Tradução, Fortaleza, v. 4, n. 7, p. 41-65, 2018.

MCCLEARY, L.; VIOTTI, E. Transcrição de dados de uma língua sinalizada: um estudo piloto da transcrição de narrativas na língua de sinais brasileira (LSB). In: SALLES, H. (Org.). Bilinguismo dos surdos: questões linguísticas e educacionais. Goiânia: Canone Editorial, 2007. p. 73-96.

MIRANDA, D. G. As mediações linguísticas do intérprete de língua de sinais na sala de aula inclusiva. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais,2010.

MIRANDA, D. G. A multimodalidade no ensino de língua portuguesa como segunda língua para surdos: análise do uso do livro didático adaptado em Libra”. 2019. Tese (Doutorado) –CEFET-MG, Belo Horizonte, 2019.

PERLIN, G. Identidades surdas. In: SKLIAR, C. (Org.). A surdez, um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Editora Mediação, 1998.

QUADROS, R. M. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artmed, 1997.

QUADROS, R. M. Libras. São Paulo: Parábola Editorial, 2019.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004. DOI: https://doi.org/10.18309/anp.v1i16.560

RODRIGUES, C. H. Situações de incompreensão vivenciadas por professor ouvinte e alunos surdos na sala de aula de aula: processos interpretativos e oportunidades de aprendizagem. Faculdade de Educação da UFMG, Belo Horizonte, 2008.

SILVA, G.M. Transitando entre a Libras e o Português na sala de aula: em busca de estratégias visuais de ensino da leitura. Revista X, v. 13, n. 1, 2018. p. 206-229. DOI: https://doi.org/10.5380/rvx.v13i1.60793

WILCOX, S.; WILCOX P. P. Aprender a ver. Rio de Janeiro: Editora Arara Azul, 2005.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

MIRANDA, D. G. Práticas discursivas em um contexto simulado de sala de aula inclusiva: Escolhas linguísticas realizadas por um intérprete de língua de sinais. Letras & Letras, [S. l.], v. 37, n. 2, p. 85–106, 2021. DOI: 10.14393/LL63-v37n2-2021-05. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/56669. Acesso em: 9 ago. 2022.