Por uma educação multimodal e pluralista

Estratégias de ensino de Língua Inglesa para disléxicos com base em recursos visuais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v35nEsp2019-14

Palavras-chave:

Dislexia, Ensino de Língua Inglesa, Multiletramentos, Linguagem Visual, Oralidade

Resumo

Vivemos numa sociedade grafocêntrica, onde o ensino é calcado na leitura. Isso acaba por privar alunos disléxicos do conhecimento, já que eles enfrentam dificuldades para ler. Este trabalho propõe a utilização de imagens como complemento no ensino de inglês para disléxicos com foco na oralidade. Serão expostos exemplos de atividades voltadas para o ensino do verb to be aplicadas junto a alunos com dislexia, com base na noção de multiletramentos (COPE; KALANTZIS, 2009), além dos resultados alcançados por eles nos instrumentos de avaliação. Tais resultados demonstraram que uma pedagogia dos multiletramentos, que lance luz para além da escrita, é promissora para alunos cuja habilidade da leitura é prejudicada, mas também para os que leem fluentemente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elerson Cestaro Remundini, Universidade Estadual de Maringá

Elerson Cestaro é especialista em Ensino de Língua Inglesa pelo ESAP - Instituto de Estudos Avançados e Pós-Graduação, de Paranavaí - PR; mestre em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), com dissertação na área de tradução literária; doutor em Letras pela mesma universidade, com pesquisa desenvolvida sobre ensino de Língua Inglesa para disléxicos. Atualmente atua como professor temporário no curso de Letras da Universidade Estadual do Paraná, campus de Campo Mourão, e como efetivo no Instituto de Línguas da UEM, onde desenvolve projetos e cursos de extensão que atendem à rede pública de educação básica. Faz parte do Grupo de Pesquisa “Projeto Nacional de Letramentos: Linguagem, Cultura, Educação e Tecnologia – USP” e coordena o Projeto de Pesquisa institucional “Literatura e multiletramentos: diferentes epistemologias para uma proposta de educação pluralista – UEM”, certificados pelo CNPq. Suas áreas de interesse são multiletramentos, educação inclusiva e ensino de Língua Inglesa. E-mail: cestaromim@hotmail.com

 

 

 

Vera Helena Gomes Wielewicki, Universidade Estadual de Maringá

Vera Helena Gomes Wielewicki é mestre em Letras – Inglês e Literatura Correspondente pela UFSC, doutora e pós doutora em Letras – Estudos Linguísticos e Literários em Inglês pela USP. Docente associado na Universidade Estadual de Maringá, atua como professora no Departamento de Letras Modernas, no curso de Graduação em Letras – Inglês , licenciatura e bacharelado em   tradução. É professora permanente no Programa de Pós-graduação em Letras da mesma instituição. Faz parte do Grupo de Pesquisa “Projeto Nacional de Letramentos: Linguagem, Cultura, Educação e Tecnologia – USP” e coordena o Projeto de Pesquisa institucional “Literatura e multiletramentos: diferentes epistemologias para uma proposta de educação pluralista – UEM”, certificados pelo CNPq. Suas áreas de interesse são multiletramentos, educação inclusiva, literatura e ensino. E-mail: vhgwielewicki@gmail.com

 

Referências

ALVES, L. M.; SIQUEIRA, C. M.; LODI, D. F.; ARAÚJO, M. C. M. F. Introdução à dislexia do desenvolvimento. In: ALVES, L. M.; MOUSINHO, R.; CAPELLINI, S. A. (Org.). Dislexia – Novos temas, novas perspectivas. Rio de Janeiro: Walk Editora, 2011. p. 21-40.

BATISTA, A. A. G.; GALVÃO, A. M. Práticas, impressos, letramentos: uma introdução. In: BATISTA, A. A. G.; GALVÃO, A.M. Leitura: práticas, impressos, letramentos. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. p. 11-45.

CALVO, L. C. S. Políticas educacionais e seus reflexos no ensino-aprendizagem de línguas estrangeiras e na formação de professores. In: CONGRESSO NACIONAL DE LINGUAGENS EM INTERAÇÃO – CONALI, 3., 2011, Maringá. Anais... Maringá: UEM, 2011. p. 1019-1031.

COPE, B; KALANTZIS, M. Multiliteracies. New Literacies, New Learning in Pedagogies: An International Journal, v. 4, p. 164-195, 2009. https://doi.org/10.1080/15544800903076044

DE CERTEAU, M. Ler: uma operação de caça. In: DE CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. São Paulo: Vozes, 2003. p. 259-270.

DERRIDA, J. Gramatologia. Tradução de Miriam Schnaiderman e Renato J. Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 1973.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 22. ed. São Paulo. Cortez, 1988.

FROST, R. Orthographic systems and skilled word recognition processes in reading. In: SNOWLING, M. J.; Hulme, C. (Ed.). The science of reading: a handbook. Oxford: Blackwell, 2005. p. 272-295. https://doi.org/10.1002/9780470757642.ch15

HIGOUNET, C. História concisa da escrita. 10. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

IANHEZ, M. E.; NICO, M. Â. Nem sempre é o que parece: como enfrentar a dislexia e os fracassos escolares. São Paulo: Editora Alegro, 2002.

LEMKE, J. L. Letramento metamidiático: transformando significados e mídias. Trabalhos em Lingüística Aplicada, v. 49, n. 2, jul.-dez. 2010. https://doi.org/10.1590/S0103-18132010000200009

LÉVY, P. 1994. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 2. ed. Tradução de Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Loyola.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

LEFFA, V. J. Criação de bodes, carnavalização e cumplicidade. Considerações sobre o fracasso da LE na escola pública. In: LIMA, D. C (Org.). Inglês na escola pública não funciona? Uma questão, múltiplos olhares. São Paulo: Parábola Editorial, 2011. p. 15-32.

MONTE MÓR, W. Multimodalidades e comunicação: antigas novas questões no ensino de línguas estrangeiras. Letras & Letras, v.2 6 n. 2 p. 469-476, jul.-dez. 2010. Disponível em: www.seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/download/25637/14176. Acesso em: 28 fev. 2018.

PINHEIRO, A. M. V. Alfabetização para a inclusão: uma ferramenta para a formação de professores online. Revista Textura (ULBRA), v. 16, n. 3, p. 30-36, 2014.

ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

SEYMOUR, P. H. K.; ARO, M.; ERSKINE, J. M. Foundation literacy acquisition in European orthographies. British Journal of Psychology, v. 94, p. 143-174, 2003. https://doi.org/10.1348/000712603321661859

SCHWANDT, T. A. Três posturas epistemológicas para a investigação qualitativa: interpretativismo, hermenêutica e construcionismo social. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. (Org.). Planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2 ed. Porto Alegre: ARTMED, 2006.

Downloads

Publicado

2019-10-23

Como Citar

CESTARO REMUNDINI, E.; HELENA GOMES WIELEWICKI, V. Por uma educação multimodal e pluralista: Estratégias de ensino de Língua Inglesa para disléxicos com base em recursos visuais. Letras & Letras, [S. l.], v. 35, n. especial, p. 281–314, 2019. DOI: 10.14393/LL63-v35nEsp2019-14. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/49367. Acesso em: 16 maio. 2022.