Reforma curricular em Goiás

Crenças de professoras de inglês no contexto público de ensino e reflexões acerca da formação docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v38-2022-23

Palavras-chave:

Crenças de professores, Reforma Curricular, DC-GO, Ensino e aprendizagem da língua inglesa, Escola pública

Resumo

Neste artigo, relatamos resultados de uma pesquisa de doutorado, documental, etnográfica, de natureza qualitativo-interpretativista, desenvolvida entre 2019 e 2022, no contexto da reforma curricular de Goiás, que ocorreu em função da homologação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). O objetivo geral da pesquisa foi analisar as concepções trazidas pelo novo documento curricular da Rede Estadual de Goiás para a área de língua inglesa – o DC-GO - e investigar como professores de inglês e elaboradores do currículo significavam tal proposta em se tratando do ensino e aprendizagem de língua inglesa. Os participantes da pesquisa foram quatro professoras de Língua Inglesa de duas escolas estaduais de uma cidade do interior no Estado de Goiás e dois elaboradores do currículo. Para este artigo, fizemos um recorte da pesquisa e nos concentramos nas crenças das professoras de língua inglesa. Esperamos que os resultados da pesquisa enriqueçam as discussões na área de Linguística Aplicada sobre reformas educacionais e políticas de ensino realizadas ultimamente no Brasil e sobre a formação de professores de línguas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Pereira de Oliveira, UFU

Doutora em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Uberlândia. Professora do Centro de Ensino em Período Integral Independência

Fernanda Costa Ribas, Universidade Federal de Uberlândia

Doutorado em Estudos Linguísticos, na área de Linguística Aplicada, pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Professora no Curso de Licenciatura em inglês e literaturas de língua inglesa do Instituto de Letras e Linguística (ILEEL) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), onde se dedica às áreas de linguística aplicada, metodologia de ensino e de pesquisa e estágio supervisionado. Professora do Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos do ILEEL/UFU, atuando na linha Linguagem, Ensino e Sociedade. Tem atuado principalmente nos seguintes temas: motivação, ansiedade, crenças, autocrenças, tecnologias e letramento digital, políticas de ensino e formação de professores de línguas. Email: ribasileel@gmail.com. Lattes: http://lattes.cnpq.br/8897481539878157.

Referências

ALMEIDA, R. L. T.; SILVA, F. M. O ensino de língua inglesa sob uma perspectiva plurilingue: políticas linguísticas no contexto escolar. Interletras, v. 6, n.25, p. 1-17, 2017.

BARCELOS, A. M. F. Crenças sobre aprendizagem de línguas, linguística aplicada e ensino de línguas. Linguagem e ensino, v. 7, n. 1, p. 123-156, 2004. https://doi.org/10.1590/S1984-63982007000200006

BARCELOS, A. M. F. Cognição de professores e alunos: tendências recentes na pesquisa de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. In: BARCELOS, A. M. F.; VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. (org.). Crenças e ensino de línguas: foco no professor, no aluno e na formação de professores. Campinas: Pontes, 2006. p. 15-41.

BARCELOS, A. M. F. Reflexões acerca da mudança de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 7, n. 2, 2007. p. 109-138

BARCELOS, A. M. F. Unveiling the relationship between emotions, beliefs and identities. Relatório de Pós-doutorado. Universidade de Carleton/Ottawa, Canadá, 2010.

BARCELOS, A. M. F.; KAJALA, P. Beliefs in Second Language Acquisition: Learner. In: CHAPELLE, C. A. (ed.) The Encyclopedia of Applied Linguistics. Malden: Wiley-Blackwell, 2013.

BODGAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Qualitative research for education: an introduction to theory and methods. Needham Heights, MA: Allyn & Bacon, 1998.

BOHN, H.I. Os aspectos ‘políticos’ de uma política de ensino de línguas e literaturas estrangeiras. Linguagem e ensino, v.3, n.1., p. 117-138, 2000.

BORG, S. Teacher cognition in language teaching: A review of research on what teachers think, know, believe and do. Language Teacher, n. 36, p. 81-109, 2003. https://doi.org/10.1017/S0261444803001903

ERICKSON, F. Qualitative methods in research on teaching. In: WITTROCK, M. C. (org.) Handbook of research on teaching. 3. ed. New York: Macmillan, 1990. p. 119-161.

GIMENEZ, T. N. Diretrizes Curriculares e a sala de língua estrangeira: diálogos (im)possíveis?. In: CORREA, D. A.; SALEH, P. B. O. (org.). Estudos da Linguagem e currículo: diálogos (im)possíveis. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2009. p. 42-51.

GOIÁS. SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO. Documento curricular para Goiás/DC-GO: Goiânia, 2018. Disponível em: https://cee.go.gov.br/conselho-divulga-documento-curricular-para-goias/ Acesso em: 20 de maio de 2020.

LUKE, A.; WOODS, A.; WEIR, K. Curriculum, Syllabus design and equity: a primer and model. New York and London: Routledge, 2013. https://doi.org/10.4324/9780203833452

MACIEL, R. F. Políticas linguísticas, conhecimento local e formação de professores de línguas. In: NICOLAIDES, C. et al. (org.). Política e políticas linguísticas. Campinas: Pontes Editores, 2013. p. 237-262.

NUNAN, D. Research methods in language learning. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

PAJARES, M. F. Teachers’ beliefs and educational research: Cleaning up a messy construct. Review of educational research, Washington, v. 62, n. 3, p. 307-332, 1992. https://doi.org/10.3102/00346543062003307

POSNER, G. J.; STRIKE, K. A.; HEWSON, P. W.; GERTZOG, W. A. Accommodation of a scientific conception: toward a theory of conceptual change. Science Education, n. 66, p. 211-227, 1982. https://doi.org/10.1002/sce.3730660207

RAJAGOPALAN, K. O professor de línguas e a suma importância do seu entrosamento na política linguística do seu país. In: CORREA: D. A. (org.) Política linguística e ensino da língua. Campinas: Pontes Editores, 2014. p. 73-82.

RIBAS, F.C. Política de ensino de língua inglesa: a BNCC versus as pesquisas sobre letramento digital e uso de tecnologias digitais. In: SILVA, K.A.; XAVIER, R.P. (org.). Múltiplos olhares para a Base Nacional Comum Curricular: língua portuguesa e língua inglesa. Campinas: Pontes Editores, 2021. p. 221-240.

RICHARDSON, V. The role of attitudes and beliefs in learning to teach. In: SIKULA, J. (ed.). Handbook of research on teacher education. 2. ed. New York: Macmillan, 1996. p. 102-119.

RIZVI, F; LINGARD, B. Globalizing education policy. London: Routledge, 2010. https://doi.org/10.4324/9780203867396

ROKEACH, M. Beliefs, attitudes, and values: a theory of organization and change. San Francisco: Jossey-Bass, 1968.

Downloads

Publicado

2023-03-29

Como Citar

OLIVEIRA, C. P. de; RIBAS, F. C. Reforma curricular em Goiás: Crenças de professoras de inglês no contexto público de ensino e reflexões acerca da formação docente. Letras & Letras, Uberlândia, v. 38, p. e3823 | 1–20, 2023. DOI: 10.14393/LL63-v38-2022-23. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/68112. Acesso em: 18 jul. 2024.