Antroponímia indianista em corpus de Alencar

uma análise etimológica, ficcional e contextual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL46-v15n2a2021-8

Palavras-chave:

Léxico indianista, Etimologia Ficcional Contextual, Antroponímia indianista, Linguística de Corpus

Resumo

Neste artigo analisamos quatro antropônimos indianistas, Irapuã, Coatiabo, Maranguab e Abaeté, identificados nas obras O Guarani, Iracema e Ubirajara de José de Alencar, na perspectiva da Etimologia Ficcional Contextual. Para tanto, recorremos à base teórica da Onomástica (DICK, 1999), da Etimologia Ficcional Contextual (AUTOR, 2018), da Lexicologia (BIDERMAN, 2001; VILELA, 1995) e da Linguística de Corpus (BERBER SARDINHA, 2004, 2009; AUTOR, 2014). Para extração dos antropônimos indianistas, nos servimos do programa WordSmith Tools (SCOTT, 2012) e dos recursos da versão Gênero/Histórico do Corpus do Português (DAVIES, 2006). Consideramos étimos antroponímicos de Alencar os nomes indígenas criados pelo autor. Para isso, foram considerados dois critérios:   primeiro, que os vocábulos não constassem nos dicionários de exclusão, cuja publicação é anterior às obras de Alencar; segundo, que os vocábulos constassem no Corpus do Português (DAVIES, 2006), como primeira utilização em textos escritos por Alencar. A criação de étimos antroponímicos por Alencar, possibilitou atribuir aos personagens indígenas mais do que um nome, buscou imprimir-lhes as características físicas e/ou psicológicas desejadas pelo autor. Portanto, estudar os antropônimos indianistas de Alencar, na perspectiva da Etimologia Ficcional Contextual, também significou conhecer as possibilidades da língua e a criatividade do autor, pela utilização de um léxico que possibilitou a expressão de seus ideais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Virgínia Dias de Ávila, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Estudos Linguísticos (UFU).

Ariel Novodvorski, ILEEL/PPGEL/UFU

Doutor em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professor Adjunto IV do Instituto de Letras e Linguística (ILEEL) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), no Curso de Graduação em Letras/Espanhol e no Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos (PPGEL). Diretor do Instituto de Letras e Linguística da UFU (2017-2021). Atualmente realiza Pós-doutorado na UFRGS (2019), sob supervisão da Profa. Dra. Cleci R. Bevilacqua. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Linguística Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: Estudos Descritivos, Linguística de Corpus, Estudos da Tradução, Língua Espanhola, Fraseologia, Terminologia e Linguística Sistêmico-Funcional.

Referências

ABBADE, C. M. S. A Lexicologia e a teoria dos campos lexicais. Anais do VX Congresso Nacional de Linguística e Filologia. v. XV, n. 5. Rio de Janeiro: CiFFil, 2011. p. 1332-1343. Disponível em: www.filologia.org.br/xv_cnlf/tomo_2/105.pdf. Acesso em: 15 abr. 2017.

ALENCAR, J. Iracema. Ed. do centenário. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1965.

ALENCAR, J. O Guarani. Tomo 1º. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1951.

ALENCAR, J. O Guarani. Tomo 2º. Rio de Janeiro: Libraria José Olympio, 1951.

ALENCAR, J. Ubirajara. Rio de Janeiro: Edições de Ouro. s/d.

AMARAL, E. T. R.; SEIDE, M. S. Nomes próprios de pessoa: introdução à antroponímia brasileira. São Paulo: Blucher, 2020.

AMARAL, E. T. R. Nomes próprios: análise de antropônimos do espanhol escrito. 2008. Tese (Doutorado em Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano-Americana). São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, 2008.

ÁVILA, M. V. D; NOVODVORSKI, A. Etimologia ficcional contextual: o léxico indianista em Alencar à luz da linguística de corpus. Revista do Sell, [S.l.], v. 9, n. 1, p. 19-35, jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.18554/rs.v9i1.4090.

ÁVILA, M. V. D. Descrição etimológica do léxico indianista em José de Alencar: uma análise lexicográfica direcionada por corpus. 2018. 254 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos). Uberlândia: Instituto de Letras e Linguística da UFU, 2018.

ÁVILA, M. V. D; MARTINS, E. S. O léxico indianista em José de Alencar. Revista Vertentes. São João Del Rei: UFSJ, 2008, p. 233-245, n. 32.

BERBER SARDINHA, T. Linguística de Corpus. Barueri, SP: Manole, 2004.

BERBER SARDINHA, T. Pesquisa em Linguística de Corpus com WordSmith Tools. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2009.

BIDERMAN, M. T. C. Teoria Linguística: teoria lexical e computacional. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BLUTEAU, R. Vocabulario Portuguez & Latino. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1712-1728.

DAVIES, M. Corpus do Português. 2006. Available from: www.corpusdoportugues.org. Access on: Aug. 05 2017.

GONÇALVES DIAS. A. Dicionário da língua Tupy. Lipsia: F. A. Brockhaus, 1858.

GUILBERT, L. La créativité lexicale. Paris: Larousse, 1975.

ISQUERDO, A. N. Prefácio. In: AMARAL, E. T. R.; SEIDE, M. S. Nomes próprios de pessoa: introdução à antroponímia brasileira. São Paulo: Blucher, 2020. 278p.

NOVODVORSKI, A.; FINATTO, M. J. B. Linguística de Corpus no Brasil: uma aventura mais do que adequada. Letras & Letras, [S.l.], v. 30, n. 2, p. 7-16, 2014. DOI http://dx.doi.org/10.14393/LL60-v30n2a2014-1.

PINTO, L. M. S. Dicionário da Lingua Brasileira. Ouro Preto: Typographia de Siva, 1832.

PRETI, D. Sociolinguística, os níveis da fala. 3 ed. São Paulo: Companhia Editorial Nacional, 1977.

SILVA, A, M. Diccionario da Lingua Portugueza. Lisboa: Officina de Simão Thaddeo Ferreira, 1789.

VIARO, M. E. Etimologia. São Paulo: Contexto, 2014.

VILELA, M. Ensino da Língua Portuguesa: Léxico, Dicionário, Gramática. Coimbra: Almedina, 1995.

SCOTT, M. WordSmith Tools. Version 6. Liverpool: Lexical Analysis Software, 2012.

Publicado

16.06.2021

Como Citar

DIAS DE ÁVILA, M. V.; NOVODVORSKI, A. Antroponímia indianista em corpus de Alencar: uma análise etimológica, ficcional e contextual. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 15, n. 2, p. 474–500, 2021. DOI: 10.14393/DL46-v15n2a2021-8. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/57021. Acesso em: 21 jun. 2024.