As nominalizações como recursos complexos de organização tópica

um estudo sobre artigos acadêmicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL40-v14n1a2020-9

Palavras-chave:

Nominalizações, Forma de organização tópica, Artigos científicos

Resumo

Este estudo investiga o papel das instâncias de nominalização na forma de organização tópica de um corpus formado por Introduções de cinco artigos da Área de Ciências Sociais Aplicadas. Com base em contribuições teórico-metodológicas do Modelo de Análise Modular do Discurso, o estudo foi realizado em duas etapas. A primeira correspondeu à análise da organização informacional. Nessa etapa, verificou-se que as nominalizações atuaram tanto na continuidade do texto, reativando informações menos acessíveis da memória discursiva, quanto na progressão textual, permitindo a introdução de novas informações. A segunda etapa correspondeu ao estudo da forma de organização tópica e, ao longo de suas duas subetapas, foi possível aprofundar os resultados da primeira etapa. De modo geral, foi possível constatar que as nominalizações exercem um papel complexo, ligado à argumentação e ao processo de (re)ativação de conceitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Ximenes Cunha, Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Letras. Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos.

Doutor em Linguística pela UFMG e Professor da Faculdade de Letras da UFMG e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos (POSLIN) da UFMG.

Referências

BELLO, I. Cognitive implications of nominalizations in the advancement of scientific discourse. International journal of English studies, v. 16, n. 2, p. 1-23, 2016. DOI https://doi.org/10.6018/ijes/2016/2/262921.

CALEMAN, S. M. Q.; ZYLBERSZTAJN, D. Falhas organizacionais: tipologia, determinantes e proposta de modelo teórico. Organizações & sociedade, v. 65, p. 261-282, 2013. DOI https://doi.org/10.1590/S1984-92302013000200005.

CAMACHO, R. G. Valência do nome deverbal e nominalidade prototípica. Delta, v. 23, n. 2, p. 321-337, 2007. DOI https://doi.org/10.1590/S0102-44502007000200006.

CAMACHO, R. G. O papel da nominalização no continuum categorial. 2009. 264 f. (Tese de Livre-Docência em Linguística) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2009.

CUNHA, G. X. Conectores e processo de negociação: uma proposta discursiva para o estudo dos conectores. Fórum linguístico, v. 14, p. 1699-1716, 2017. DOI https://doi.org/10.5007/1984-8412.2017v14n1p1699.

DOWNING, A. Nominalization and topic management in leads and headlines. In: VENTOLA, E. (org.) Discourse and community: doing functional linguistics. Tübinguen: Gunter Narr Verlag Tübinguen, 2000. p. 355-375.

FERNANDES, A. S. A.; WILSON, R. H. Mudança institucional e gestão metropolitana no Brasil: o municipalismo autárquico e as finanças municipais metropolitanas. Revista de administração pública, v. 47, n. 3, p. 777-800, 2013. DOI https://doi.org/10.1590/S0034-76122013000300011.

FILLIETTAZ, L. Actions, activités et discours. 2000. 350 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade de Genebra, Genebra, 2000.

GROBET, A. L’identification des topiques dans les dialogues. 2000. 320 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade de Genebra, Genebra, 2000. DOI https://doi.org/10.1017/S095926950100014X.

GROBET, A. L’organisation informationnelle: aspects linguistiques et discursifs, Journal of french language studies, v. 11, p. 71-87, 2001.

HALLIDAY, M. A. K.; MATTHIESSEN, C. M. I. M. An introduction to functional grammar. London: Routledge, 2014.

KLEIBER, G. L’anaphore associative. Paris: Presses Universitaires de France, 2001.

LIMA, L.; ORTELLADO, P. Da compra de produtos e serviços culturais ao direito de produzir cultura: análise de um paradigma emergente. Dados, v. 56, n. 2, p. 351-382, 2013. DOI https://doi.org/10.1590/S0011-52582013000200004.

MARINHO, J. H. C. Uma abordagem modular e interacionista da organização do discurso. Revista da Anpoll, v. 16, p. 75-100, 2004. DOI https://doi.org/10.18309/anp.v1i16.551.

MARINHO, J. H. C.; CUNHA, G. X. A construção da cadeia referencial em textos de estudantes universitários. Alfa, v. 58, p. 11-33, 2014. DOI https://doi.org/10.1590/S1981-57942014000100001.

MARTIN, J. R. Incongruent and proud: de-vilifying “nominalization”. Discourse & society, v. 19, n. 6, p. 801-810, 2008. DOI https://doi.org/10.1177/0957926508095895.

MÉXAS, M. P.; COSTA, H. G.; QUELHAS, O. L. G. Avaliação da importância relativa dos critérios para a seleção de sistemas integrados de gestão (ERP) para uso em empresas da construção civil. Gestão & produção, v. 20, n. 2, p. 337-356, 2013. DOI https://doi.org/10.1590/S0104-530X2013000200007.

MOTTA-ROTH, D.; HENDGES, G. R. Produção textual na universidade. São Paulo Parábola Editorial, 2010.

NEVES, M. H. M. Texto e gramática. São Paulo: Contexto, 2006.

OLIVEIRA, A. L. A. M.; PERINI-LOUREIRO, G. Instâncias de nominalizações e a densidade lexical do texto acadêmico: algumas implicações para o ensino. Revista do GEL, v. 14, n. 3, p. 119-134, 2017. DOI https://doi.org/10.21165/gel.v14i3.1847.

PAULANI, L. Acumulação sistêmica, poupança externa e rentismo: observações sobre o caso brasileiro. Estudos avançados, v. 27, n. 77, p. 237-261, 2013. DOI https://doi.org/10.1590/S0103-40142013000100018.

ROULET, E.; FILLIETTAZ, L.; GROBET, A. Un modèle et un instrument d'analyse de l'organisation du discours. Berne: Lang, 2001.

SUŠINSKIENĖ, S. Grammatical metaphor in scientific discourse. Linguistics: Germanic and romance studies, v. 54, p. 76-83, 2004.

SWALES, J. M. Sobre modelos de análise do discurso. In: BIASI-RODRIGUES, B.; ARAÚJO, J. C.; SOUSA, S. C. T. (org.). Gêneros textuais e comunidades discursivas: um diálogo com John Swales. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. p. 33-46.

Downloads

Publicado

11-02-2020

Como Citar

CUNHA, G. X.; OLIVEIRA, A. L. A. M. As nominalizações como recursos complexos de organização tópica: um estudo sobre artigos acadêmicos. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 235–260, 2020. DOI: 10.14393/DL40-v14n1a2020-9. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/47173. Acesso em: 17 ago. 2022.