Toponímia rural de Alagoinhas

acidentes humanos de origem indígena e africana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex9-v5n2a2020-3

Palavras-chave:

Onomástica, Toponímia rural, Acidentes humanos, Alagoinhas

Resumo

O referente artigo trata da análise de uma amostra de nomes de acidentes geográficos humanos de origem indígena e africana, da zona rural do município de Alagoinhas-Bahia, Território de identidade 18, coletada para a pesquisa de mestrado em andamento, intitulada: “A Toponímia Rural na construção Cultural e Histórica de Alagoinhas: acidentes humanos”. A pesquisa é composta por um corpus disposto em bases cartográficas do município, coletadas do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), TRE (Tribunal Regional Eleitoral), UARA (União das Associações Comunitárias Rurais de Alagoinhas), FIGAM (Fundação Iraci Gama) e documentos do arquivo público do município. Serão abordados os fatores históricos, econômicos, culturais e sociais, responsáveis pela nominação dos povoados e distritos da toponímia rural do município, região que serviu de passagem para o movimento das Bandeiras, no final do século XVIII. Compreendemos que traços culturais de identidade e memória de um povo podem ser identificados através do termo toponímico, considerando-se assim que, ao estudar os acidentes humanos da zona rural por meio dos seus designativos, possamos trilhar caminhos pela história de sua terra. Desse modo, identificar os motivos os quais possibilitaram a escolha dos topônimos daquelas localidades, bem como maior ou menor representatividade e prestígio toponímico, nos permite lançar um olhar especial na formação e construção cultural dessa gente no referido espaço. Importante ressaltar que dos 70 (setenta) topônimos investigados, serão analisados, neste texto, apenas os de origem indígena e africana da zona rural deste município, adotando como referencial teórico o modelo toponímico inicialmente proposto por Dick (1990).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edileuza Moura Candido da Silva, UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA-UNEB

Mestra em Linguagens, Discurso e Sociedade (PPGEL/UNEB).

Celina Márcia de Souza Abbade, UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA-UNEB

Doutora em Letras pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora Plena da Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

Referências

ABBADE, C. M. de S. A lexicologia e a Teoria dos Campos Lexicais. Cadernos do CNLF. Rio de Janeiro: CiFEFiL, v. XV, n. 5, t. 2 p. 1332-1343. XV Congresso Nacional de Linguística e Filologia. 2011. (Congresso). Disponível em: http://www.filologia.org.br/xv_cnlf/tomo_2/105.pdf. Acesso em: 09 ago. 2019.

BARROS, S. Vultos e Feitos do Município de Alagoinhas. Salvador: Artes Gráficas, 1979.

CARVALHINHOS, P. de J.; ANTUNES, A. M. Princípios teóricos de toponímia e an-troponímia: a questão do nome próprio. Cadernos do CNLF, v. XI, n. 02, 2007. Dis-ponível em: http://www.filologia.org.br/xicnlf. Acesso em: 28 ago. 2019.

CASTRO, Y. P. de. Falares africanos na Bahia. Um vocabulário afro-brasileiro. Rio de Janeiro: ABL/TOPBOOKS, 2001.

COSERIU, E. O homem e sua linguagem. Rio de Janeiro: Presença, 1982.

CUNHA, A. G. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. 4ª. ed. Revista e atua-lizada de acordo com a nova ortografia, Rio de Janeiro: Lexicon, 2010.

DAUZAT, A. Les noms de liex. Paris: Delegrave, 1991 [1926].

DICK, M. V. de P. do A. Fundamentos Teóricos da Toponímia. Estudo de caso: o Projeto ATEMIG - Atlas Toponímico do estado de Minas Gerais (variante regional do Atlas Toponímico do Brasil). In: SEABRA, M. C. T. C. (org.) O léxico em estudo. Belo Horizonte: Faculdade de Letras/UFMG, 2006. p. 91-117.

DICK, M. V. de P. do A. Métodos e Questões Terminológicas na Onomástica. Estudo de Caso: O Atlas Toponímico do Estado de São Paulo. Investigações Linguísticas e Teoria Literária. Recife, UFPE: v. 9, p. 119-148, 1999.

DICK, M. V. de P. do A. Toponímia e Antroponímia no Brasil. Coletânea de Estu-dos. 2. ed. São Paulo: FFLCH/USP, 1992.

DICK, M. V. de P. do A. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Pau-lo: Edições arquivo do Estado de São Paulo, 1990.

DURANTI, A. Antropologia Linguística. Trad. espanhola: Pedro Tena. Madrid: Cambridge University Press, 2000.

FERREIRA, A. B. de H. Novo Aurélio: Dicionário da Língua Portuguesa (Dicionário Eletrônico). Paraná: Editora Positivo, 2010.

GREGÓRIO, I. J. Contribuições indígenas ao Brasil. Belo Horizonte: União Brasilei-ra de Educação e Ensino, 1980.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. de S.; FRANCO, F. M. de M. Dicionário Eletrônico Houaiss de Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva,

IBGE Cidades @. Alagoinhas. Bahia. 2018. Disponível em: www.http://cidadesibge.gov.br/brasil/ba/alagoinhas/panorama. Acesso em: 10 jan. 2020.

LEITE DE VASCONCELOS, J. Opúsculos: onomatologia. Vol.3. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1931.

NAVARRO, E. de A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo: Global, 2013.

SAMPAIO, T. O Tupi na Geografia Nacional. 5ªed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1987.

SAUSURRE, F. Curso de Linguística Geral. 4 ed. São Paulo: Cultrix, 2006 [1916].

SEABRA, M. C. T. C. de. Referência e Onomástica. In: MAGALHÃES, J. S. de; TRA-VAGLIA, L. C. (org.) Múltiplas perspectivas em linguística: Anais do XI Simpósio Nacional e I Simpósio Internacional de Letras e Linguística (XI SILEL). Uberlândia: ILEEL, 2006. p. 1953-1960.

SILVA, E. M. C. da. A Toponímia Rural na Construção Cultural e Histórica de Ala-goinhas: Acidentes Humanos. Dissertação (Mestrado em Linguagens, Discurso e So-ciedade) - Programa de Pós-Graduação em Estudo de Linguagens da Universidade do Estado da Bahia (PPGEL/UNEB). Salvador, 2020. 200 fls.

SOUZA, B. J. de. Dicionário da terra e da gente do Brasil. 5 ª ed. Da Onomástica ge-ral da geografia do Brasil. São Paulo, Ed. Nacional, 1961.

TAVARES, L. H. D. História da Bahia. 11ed. Salvador: EDUFBA/UNESP, 2008.

ULLMANN, S. Semântica: uma introdução à ciência do significado. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1964.

Downloads

Publicado

16-11-2020

Como Citar

Silva, E. M. C. da, & Abbade, C. M. de S. (2020). Toponímia rural de Alagoinhas: acidentes humanos de origem indígena e africana. Revista GTLex, 5(2), 241–264. https://doi.org/10.14393/Lex9-v5n2a2020-3