À sombra do juazeiro

considerações sobre a fitotoponímia da Bahia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex11-v6n1a2020-6

Palavras-chave:

Onomástica, Toponímia, Fitotopônimos, Municípios baianos

Resumo

Ilustra-se, neste estudo, a tendência, na toponímia brasileira, de considerar os recursos vegetais como a fonte de maior inspiração para a nomeação de acidentes humanos, tomando por base os designativos dos seguintes municípios do estado da Bahia: Angical, Buritirama, Camaçari, Cansanção, Ibirapitanga, Juazeiro, Mucugê, Pau Brasil, Quixabeira, Umburanas e Xique-Xique. A escolha desses topônimos relaciona-se ao fato de apresentarem uma forte relação entre a espécie vegetal e o bioma onde o município se insere. Para a análise do corpus, foram utilizados os pressupostos da taxionomia proposta por Dick (1990) para um trabalho toponímico, com o propósito de demonstrar que, ao se deslocar do sistema lexical e assumir caráter denominativo, um signo comum e arbitrário de língua conecta-se de forma permanente ao lugar representado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Celina Márcia de Souza Abbade, Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem da Universidade do Estado da Bahia (PPGEL-UNEB)

Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem da Universidade do Estado da Bahia (PPGEL/UNEB). 

Área: Lexicologia/Linguística Histórica/ Terminologia/ Lexicografia/Filologia

Clese Mary Prudente Correia, UFBA

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura da Universidade Federal da Bahia (PPGLinC-UFBA).

Referências

ALCOFORADO, F. Os Condicionantes do Desenvolvimento do Estado da Bahia. 2003. Tese (Doutorado em Planificacíon Territorial y Desarrollo Regional) Universidade de Barcelona. Disponível em: <https://www.tdx.cat/bitstream/handle/10803/1944/6.TERRITORIO_SOCIEDADE_ESTADO_BAHIA.pdf?sequence=1>. Acesso em 25 maio 2019.

BASTOS, L. A.; FERREIRA, I. M. Composições fitofisionômicas do bioma Cerrado: estudo sobre o subsistema de Vereda. Espaço em Revista. vol. 12, nº 1, jan/jun., 2010, p. 97-108.

CLAVAL, Paul. A Geografia cultural. 4. ed. rev. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014.

CORTOPASSI-LAURINO. M. Ibirapitanga ou Pau-Brasil, árvore nacional do Brasil. [20--]. Disponível em: <http://www.apacame.org.br/mensagemdoce/100/artigo11.
html>. Acesso em 25 maio 2019.

CUNHA, A. G. Dicionário etimológico da língua portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2013.

DANTAS, F. C. P.; TAVARES, M. L. R.; TARGINO, Micaela. S.; COSTA, A. P.; DANTAS, F. O. Ziziphus joazeiro Mart. - Rhamnaceae: características biogeoquímicas e importância no bioma Caatinga. Revista Principia: Divulgação Científica e Tecnológica do IFPB. Nº 25. João Pessoa, Dezembro 2014, p. 51-57. Disponível em: <http://periodicos.ifpb.edu.br/index.php/principia/article/viewFile/172/141>. Acesso em 25 maio 2019.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Edições do Arquivo do Estado, 1990.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. Atlas toponímico do Brasil: teoria e prática II. Revista Trama, v. 3, n.5, I semestre de 2007, p. 141-155. Disponível em: < http://saber.unioeste.br/index.php/trama/article/viewFile/965/828>. Acesso em: 25 maio 2019.

EMBRAPA. Umburana ou cumaru: Embrapa estuda técnica para conter ameaça de extinção. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. 2012. Disponível em: <https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/1805946/umburana-ou-cumaru-embrapa-estuda-tecnica-para-conter-ameaca-de-extincao>. Acesso em 25 maio 2019.

ARAÚJO, H. R.; CASTRO FILHO, E. S.; SANTANA NETO, J. A. Potencial das cactáceas como alternativa alimentar para ruminantes no semiárido. Revista Eletrônica Nutritime. v. 12, n. 06, nov/dez, 2015. ISSN: 1983-9006. Disponível em: <http://www.nutritime.com.br/arquivos_internos/artigos/344_-_4426-4434_-_NRE_12-6_nov-dez_2015.pdf> . Acesso em 25 maio 2019.

EVANGELISTA, A.S.R. O desmatamento do Bioma Caatinga no Semiárido Baiano: uma análise ecodinâmica. VIII Encontro Baiano de Geografia/X Semana de Geografia da UESB. Vitoria da Conquista/BA, 2011.

GREGÓRIO, I. J. Contribuição indígena ao Brasil. Belo Horizonte: União Brasileira de Educação e Ensino, 1980.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. S.; FRANCO, F. M. M. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Instituto Antônio Houaiss de Lexicografia, 2001.

IBGE. Biomas brasileiros (mapa), 2004. Disponível em: <http://www.florestal.gov.br /snif/recursos-florestais/os-biomas-e-suas florestas?print=1&tmpl=component>. Acesso em 25 maio 2019.

ISQUERDO, A. N. A toponímia como signo de representação de uma realidade. Fronteiras – Revista de História. Campo Grande – MS: Editora UFMS, 1997, p. 27-46.

ISQUERDO, A. N; TAVARES, M. A presença indígena na fitotoponímia da região sul de Mato Groso do Sul. Signum – Estudos da Linguagem. Londrina: Editora UEL, 2005, p. 127-147.

LEAL, I. R.; TABARELLI, M.; SILVA, J. M. C. da. (Ed.). Ecologia e conservação da Caatinga. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2003. 822 p.

NAVARRO, E. A. Dicionário de Tupi Antigo. A língua indígena clássica do Brasil. São Paulo: Global, 2013.

O BIOMA Cerrado. MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/biomas/cerrado>. Acesso em 25 maio 2019.

RAMOS, A. L. Conhecendo o pau-brasil: história e biologia. São Paulo, Núcleo Viva Ciência, 2011. Disponível em: <http://terrabrasilisdidaticos.com.br/images/stories
/revistanucleovivaciencia/conhecendoopaubrasil.pdf>. Acesso em 25 maio 2019.

RÊGO, G. M.; HOEFLICH, V. A. Contribuição da pesquisa florestal para um ecossistema em extinção: Floresta Atlântica do Nordeste do Brasil. Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2001. 80p. Disponível em: <https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/371146/contribuicao-da-pesquisa-florestal-para-um-ecossistema-em-extincao-floresta-atlantica-do-nordeste-do-brasil>. Acesso em 25 maio 2019.

SAMPAIO, T. O tupi na geografia nacional. 2. ed. São Paulo: O Pensamento, 1914.

SÁTIRO, L. N.; ROQUE, N. A família Euphorbiaceae nas caatingas arenosas do médio rio São Francisco, BA, Brasil. Acta bot. bras. 22(1): 99-118. 2008. Disponível em: <http://www.alcb.ibio.ufba.br/pdf/nadia/Satiro%20&%20Roque_2008.pdf>. Acesso em 25 maio 2019.

SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. Trad. De Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 1995 [1016].

SEABRA, Maria Cândida Trindade Costa de. Referência e Onomástica. Múltiplas perspectivas em linguística: Anais do XI Simpósio Nacional e I Simpósio Internacional de Letras e Linguística (XI SILEL). Uberlândia: ILEEL, 2006. p. 1953-1960.
Disponível em http://www.filologia.org.br/ileel/artigos/artigo_442.pdf. Acesso em: 25 maio 2019.

SILVA, G. M. C.; MARTINS, P. L.; SILVA, H.; FREITAS, K. K. C. Estudo autoecológico de Bumélia sertorium (Quixabeira) – Espécie ameaçada de extinção no ecossistema Caatinga. Revista de Biologia e Ciências da Terra. ISSN 1519-5228. Volume 4, N. 1, 1º Semestre 2004. Disponível em: <http://joaootavio.com.br/bioterra/
workspace/uploads/artigos/sertorium-51563480e5149.pdf>. Acesso em 25 maio 2019.

SILVA, J. M. C.; TABARELLI, M. Monica; FONSECA, T. Áreas e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade na Caatinga. [20--]. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/estruturas/chm/_arquivos/parte5caa.pdf>. Acesso em 25 maio 2019.

SILVA, S. Árvores Nativas do Brasil. v 1. São Paulo: Europa, 2013.

SOS Mata Atlântica. Fundação SOS Mata Atlântica. Disponível em: <https://www.sosma.org.br/nossas-causas/mata-atlantica/>. Acesso em 25 maio 2019.

TIBIRIÇÁ, L. C. Dicionário de topônimos brasileiros de origem tupi. São Paulo: Traço Editora, 1985.

TIMMERS, J. F. Cerrado baiano: Riqueza, ameaças, potencial. 348ª reunião ordinária CEPRAM. 25/11/2010. Disponível em: < https://pt.slideshare.net/cafeicultura/cerrado-baiano-riqueza-ameaa-e-potencial-jean-f-timmers >. Acesso em 25 maio 2019.

Downloads

Publicado

06-10-2020

Como Citar

Abbade, C. M. de S., & Correia, C. M. P. . (2020). À sombra do juazeiro: considerações sobre a fitotoponímia da Bahia. Revista GTLex, 6(1), 103–117. https://doi.org/10.14393/Lex11-v6n1a2020-6