Os Sertões de Araraquara

análise de registros de propriedades rurais à luz da Toponímia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex11-v6n1a2020-10

Palavras-chave:

Sertões de Araraquara, Toponímia Rural Humana, Análise de escrituras, Propriedades rurais, Histórico-linguística

Resumo

No presente artigo objetiva-se apresentar um recorte de uma pesquisa em desenvolvimento no âmbito da Toponímia Rural Humana, o qual ocupa-se da análise de escrituras do período entre 1855-1858 de propriedades rurais da cidade de Araraquara – SP. Nesse domínio, seguindo os pressupostos teórico-metodológicos de Dick (1990; 1992),  extrai-se o corpus a partir dos mapas oficiais do IBGE escala 1:50.000 (2010), do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA, e do Registros de propriedades do munícipio de Araraquara (1855-1858), que foram analisados, segundo a motivação, seguindo o modelo taxionômico de Dick (1992). Ao entrelaçar a Toponímia com a História e a Geografia, foi atestado que elementos de natureza circundante possuem grande influência na denominação de espaços geográficos, e em pontos de referência nas cartas analisadas. Além disso, os topônimos apresentados são todos conservados até 2020, o que comprova que a partir de uma análise histórico-linguística, é possível compreender a verdade do nome de lugar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Leite, UNESP

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Linguística e Língua Portuguesa da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP).

Odair Luiz Nadin, UNESP

Livre-Docente em Estudos do Léxico (UNESP/2018). Doutor em Linguística e Língua Portuguesa (Unesp/2008).

Referências

ANDRADE, K. dos S.; NUNES, V. R. (2016). Cultura e identidade no estudo dos nomes de lugares. Revista GTLex, 1 (1), 164-183, 2016. https://doi.org/10.14393/Lex1-v1n1a2015-10

AULETE, C.; VALENTE, A. L. dos S. Aulete Digital–Dicionário contemporâneo da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Lexikon Editora Digital, 2006.

BASSANEZI, M. et al. Atlas da imigração internacional em São Paulo 1850-1950. São Paulo: Editora Unesp, 2008.

BIDERMAN, M. T. C. Dimensões da Palavra. Revista Filologia e Linguística Portuguesa. São Paulo: USP, p. 81-118, 1998. DOI https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v0i2p81-118

BYNON, T. Can there ever be a Prehistorical Linguistics. Cambridge Archaeological Journal, v. 5, n. 2, p. 261-265.

CAMBRAIA, C. N. et al. Normas para transcrição de documentos manuscritos para a História do Português do Brasil. Para a História do Português Brasileiro, v. 2, p. 552-555, 2001.

CARVALHO, A. P. M. de. Hagiotoponímia em Minas Gerais. 2014. 822 f. 2014. Tese de Doutorado. Tese (Doutorado em Linguística) Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

DAUZAT, A. Les noms de lieux. Origine et évolution. Paris: Librairie Delagrave, 1926.

DICK, M. V. de P. A. A Motivação Toponímica e a Realidade Brasileira. São Paulo: Edições Arquivo do Estado, 1990.

DICK, M. V. de P. A. Toponímia e Antroponímia no Brasil. Coletânea de Estudos. São Paulo: Serviço de Artes Gráficas/FFLCH/USP, 1992.

DICK, M. V. de P. A. A Terminologia nas ciências onomásticas. Estudo de caso: o Projeto ATESP (Atlas Toponímico do Estado de São Paulo). In: ISQUERDO, A. N.; ALVES, I. M. (org.) As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Volume III. Campo Grande: Editora da UFMS; São Paulo: Humanitas, 2007. p. 459-471.

IBGE. Mapas Municipais Censo Demográfico (2010) escala 1:50.000. Disponível em: ftp://geoftp.ibge.gov.br/cartas_e_mapas/mapas_para_fins_de_levantamentos_estatisticos/censo_demografico_2010/mapas_municipais_estatisticos/. Acesso em: abr. 2020.

INCRA, FAO. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Disponível em: http:// http://www.incra.gov.br. Acesso em: abr. 2020.

ISQUERDO, A. N. O Fato Linguístico como Recorte da Realidade Sócio-Cultural. Tese (Doutorado). Araraquara: UNESP, 1996.

MURAKAWA, C. A. A.; NADIN, O. L. Terminologia: uma ciência interdisciplinar. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2013. (Série Trilhas Linguísticas).

SÃO PAULO, Governo do Estado. Arquivo Público do Estado de São Paulo. Disponível em: http://www.arquivoestado.sp.gov.br/site/acervo. Acesso em: 12 dez. 2019.

SERRA, P. Três alíneas de onomástica. Aveiro, Portugal: Labor, 1966.

Downloads

Publicado

15-12-2020

Como Citar

Leite, J., & Nadin, O. L. (2020). Os Sertões de Araraquara: análise de registros de propriedades rurais à luz da Toponímia. Revista GTLex, 6(1), 167–191. https://doi.org/10.14393/Lex11-v6n1a2020-10

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)