O apelidamento de estádios de futebol em Sergipe

Autores

  • Cezar Neri Santos Universidade Federal de Alagoas
  • Cleberson Franclin Tavares Costa Universidade Tiradentes

DOI:

https://doi.org/10.14393/Lex3-v2n1a2016-6

Palavras-chave:

Apelidos. Estádios de futebol. Onomástica. Sergipe.

Resumo

O fenômeno do apelidamento está intimamente ligado a dois sentimentos: afetividade e violência. No "mundo" do futebol, essa nomeação paralela é um frequente instrumento para referenciar times, torcedores e estádios, no qual, a depender da relação com estes elementos, pode ser eufórica ou pejorativa. Assim, este artigo descreve e analisa o fenômeno de nomeação paralela de locais de prática ludopédica em Sergipe, dando-se a conhecer práticas onomásticas. Estes nomes permitem refletir sobre contextos socioculturais e políticos, bem como identificar tendências linguísticas e culturais que se configuram, não raro, em todo o território nacional. Como fonte primária dos dados, valeu-se do Cadastro Nacional de Estádios de Futebol - CNEF (2013). No entanto, a constatação de lacunas de dados levou os pesquisadores a disporem de pesquisa de campo, por meio de investigação e entrevistas semidirigidas, em prol de um inventário exaustivo e fidedigno que permitisse uma melhor caracterização deste fenômeno. Como resultados, dentre outras questões, percebeu-se que a rivalidade funciona como uma forte motivação para a criação de apelidos. Também foram listadas diversas metáforas conceptuais e orientacionais a partir do corpus e constatou-se que tanto apelidos eufóricos quanto disfóricos se valem da sufixação em -ão, fenômeno corrente no Português brasileiro no apelidamento de estádios de futebol.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cezar Neri Santos, Universidade Federal de Alagoas

Professor Assistente da UFAL-Campus do Sertão. Doutorando do Programa de Pós-graduação em Língua e Cultura pela UFBA. Mestrado em Letras e Graduação em Letras Português-Inglês pela UFS.

Cleberson Franclin Tavares Costa, Universidade Tiradentes

Bacharel em Psicologia pela Universidade Tiradentes. Mestre e Doutorando do Programa de Pós-graduação em Saúde Ambiente.

Referências

AGOSTINO, Gilberto. Vencer ou morrer: futebol, geopolítica e identidade nacional. Rio de Janeiro: Mauad Editora Ltda, 2002.

AMARAL, E. T. R.. Contribuições para uma tipologia de antropônimos do português brasileiro. In: Alfa: Revista de Lingüística. 2011, Vol. 55, Issue 1, p. 63-82.

CARVALHINHOS, P.J. Etnotoponímia comparada e antroponímia: sistemas de nomeação e fundamentos do nome próprio. Cadernos do CNLF (CiFEFil), Rio de Janeiro, v. XII, n. 9, pp. 106-117, 2009. Disponível em <http://www.filologia.org.br/xiicnlf/09/completo_09.pdf>

CONFEDERA

DE PONTES VIEIRA, E. P.; MARTINS, F. F. Aspectos históricos e epistemológicos relacionados ao conceito de raça humana e a formação de professores de ciências e Biologia. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, v. 11, n. 22, 2015, p. 22-33.

DICK, M. V. P. A.. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Arquivo do Estado, 1990.

ENSSLIN, L.; ENSSLIN, S. R.; PACHECO, G. C. Um estudo sobre segurança em estádios de futebol baseado na análise bibliométrica da literatura internacional. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 17, n. 2, p.71-91, 2012.

GASTALDO,

HENRIQUES, C. C. Escritores, Epítetos e Dicionário: uma parceria afinada. In: ISQUERDO, Aparecida Negri; ALVES, Ieda Maria. (Org.). As Ciências do Léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande; São Paulo: Ed. UFMS; Humanitas, 2007, v. III, p. 223-233.

LEI nº 6.454, de 24 de outubro de 1977. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6454.htm> Acessado em: 28 set. 2016.

MASCARENHAS, G. A mutante dimensão espacial do futebol: forma simbólica e identidade. Espaço e cultura, n. 19-20, p. 61-70, 2012.

MOSER, G. Psicologia ambiental. Estudos de Psicologia (Natal), v. 3, n. 1, p. 121-130, 1998.

PERINI-SANTOS, P.; MELLO, H.. Formações Lexicais por Analogia: explicação diacrônica para os nomes populares de estádios de futebol no Brasil. In: Estudos da Língua(gem).Vitória da Conquista, v. 11, n. 2, 2013, p. 23-41.

RINALDI, W. Futebol: manifestação cultural e ideologização. Revista da Educação Física/UEM, v. 11, n. 1, p. 167-172, 2008.

SANTOS, A. P. O estudo do sufixo -ão: valores semânticos e proposta genealógica. In: MAR

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. 2. Ed. Londrina: Eduel, 2012.

Downloads

Publicado

13-06-2017

Como Citar

Santos, C. N., & Costa, C. F. T. (2017). O apelidamento de estádios de futebol em Sergipe. Revista GTLex, 2(1), 141–169. https://doi.org/10.14393/Lex3-v2n1a2016-6

Edição

Seção

Artigos