Crenças em matemática: reflexões sobre a interferência dos diversos contextos na aprendizagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/BEJOM-v2-n4-2021-57108

Palavras-chave:

Educação Matemática, Educação socioemocional, Formação Docente, Matemática Emocional, Pesquisa-Ação.

Resumo

Este artigo pretende refletir sobre a visão e a prática de uma professora de matemática no que diz respeito aos afetos e às emoções relacionados à educação matemática, a partir de um recorte de uma pesquisa de mestrado realizada com alunos do 6º ano (incluindo Educação de Jovens e Adultos) de uma escola municipal da Baixada Fluminense. Os dados foram coletados a partir da observação-participante em uma aula de matemática, realizada sob os procedimentos teórico-metodológicos da pesquisa-ação (THIOLLENT, 2003[12]) e a análise foi desenvolvida a partir do referencial teórico com ênfase na matemática emocional de Chacòn (2003[3]).   Concluiu-se que o professor deve considerar as demandas socioemocionais em busca de resultados efetivos na aprendizagem matemática.  Isso significa também que sua formação deve ser condizente com as demandas do aluno e com a sua própria formação continuada, fazendo-se necessária uma investigação institucional, que contemple a profissão docente como dialógica e interdependente diante dos fatores emocionais.  Portanto, este artigo potencializa questões, algumas vezes implícitas na prática pedagógica do professor de matemática, que requerem um olhar mais atento, porque têm a natureza afetiva emocional, incluindo crenças que podem ter sido estabelecidas durante os primeiros contatos com a matemática por parte do aluno.  Os dados coletados e as discussões demonstraram que as possibilidades de refazer os vínculos afetivos são um caminho eficaz para a melhoria da qualidade das relações e do processo de ensino e de aprendizagem lógico-matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata dos Santos Cardoso Ministério Feliciano, Universidade do Grande Rio (UNIGRANRIO)

Mestrado em Ensino pela Unigranrio (2019).Psicopedagoga pela Fundação Técnica Souza Marques (2017).Possui pós graduação em tecnologia educacional pela Universidade Estadual no Rio de Janeiro (2001), pós graduação em gestão educacional, coordenação e supervisão, pela Universidade Barão de Mauá (2014), graduação em pedagogia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro 2014, graduação em Comunicação Social pela Universidade Gama Filho (1995). Possui Certificação de proficiência na língua inglesa. Tem experiência em Educação, com ênfase em Tecnologia educacional. Atuação na área da coordenação de diversos segmentos, incluindo escola bilíngue (português/ Inglês), com foco na capacitação docente e aproveitamento das ferramentas de administração.

Eline das Flores Victer, Universidade do Grande Rio (UNIGRANRIO)

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1999), Mestrado em Modelagem Computacional pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2003) e Doutorado em Modelagem Computacional pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2008). Atualmente é Professor Adjunto Doutor da Universidade do Grande Rio (UNIGRANRIO), bolsista de produtividade B1 PROPESQ/FUNADESP e JCNE (Jovem Cientista do Nosso Estado) /FAPERJ (2016-2019), Docente do Programa de Pós Graduação em Ensino das Ciências da Unigrarnio (PPGEC), no Mestrado Profissional em Ensino das Ciências na Educação Básica, na área de Concentração Ensino de Matemática, atuando nas Linhas de Pesquisa: Ensino das Ciências: Relações Sociais e a Cidadania e Ensino das Ciências: Inovações Tecnológicas.

Chang Kuo Rodrigues, Universidade do Grande Rio (UNIGRANRIO)

Possui graduação em Licenciatura em Ciências Plenas pelo Centro Universitário de Brasília (1984), mestrado em Educação Matemática pela Universidade Santa Úrsula (1999) e doutorado em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2009). Atualmente é professora colaboradora do programa de Mestrado Profissional em Educação Matemática da Universidade Federal de Juiz de Fora. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Financeira, Educação Estatística, Inclusão, Ensino da Matemática na Educação Básica e Superior.

Referências

ABED, A.L.Z. O desenvolvimento das habilidades socioemocionais como caminho para a aprendizagem e o sucesso escolar de alunos da Educação Básica. Construção psicopedagógica. São Paulo, v. 24, n. 25, p. 8-27, 2016. Dis-ponível em:http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-69542016000100002&lng=pt&nrm=isso . Acesso em: 28 ago. 2020.

BORGES, R.M.R.; BASSO, N.R.S; ROCHA FILHO, J. B. (Org.).5 Propostas interativas na educação científica e tecnológica [recurso eletrônico]: Dados Eletrônicos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2015.

CHACÒN, I. M. G. Matemática Emocional: os afetos na aprendizagem matemá-tica. Trad. Daisy Vaz de Moraes. Porto Alegre: Artmed, 2003.

CHARAUDEAU, P. CHARAUDEAU, P. Identidade social e identidade dis-cursiva, o fundamento da competência comunicacional, In: PIETROLUONGO, M. (Org.) O trabalho da tradução. Rio de Janeiro, p. 309-326, 2009. Disponível em:http://www.patrick-charaudeau.com/Identidade-social-e-identidade.html . Acesso em: 25 jul. 2020.

ERIKSON, E. Identidade Juventude e Crise. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

FELICIANO, R.S.C.M. Mathemotion: as relações entre afetividade e aprendizagem de Matemática na Educação Básica. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ensino das Ciências. Universidade do Grande Rio, Duque de Caxias, RJ, 2019.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2014.

GOLEMAN, D.Inteligência emocional: a teoria revolucionária que redefine o queé ser inteligente. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005.

HUTZ, C. S.; ZANON, C. Revisão da Adaptação, Validação e Normatização daEscala de Auto-Estima de Rosenberg. Avaliação Psicológica, v.10, n.1, p. 41-49, abr. 2011. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712011000100005. Acesso em: 20 ago. 2020.

HUNGER, D.; ROSSI, F.; SOUZA NETO, S. A teoria de Norbert Elias: uma análise do ser professor. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 4, p. 697-710, Dec. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022011000400002&lng=en&nrm=isso.Acesso em: 28 ago. 2020.

NASCIMENTO, A. A. N. A Influência da Autoestima na Minimização das Dificulda-des de aprendizagem da Matemática no Ensino Fundamental. FAUESP. Unificada, v.2, n.1, Jan.- Fev./2020.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2003. (Coleção temas básicos de pesquisa-ação).

VALENTIM, J. P. Identidade pessoal e social: entre a semelhança e a diferença, Pysichologia, n.47, p. 109-123, 2008.

VELHO, E.M.H.; LARA, I. C. M. O saber matemático na vida cotidiana: um enfoque etnomatemático. Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 4, n.2, 2011, p.3-30.

Downloads

Publicado

2021-04-14

Como Citar

FELICIANO, R. dos S. C. M.; DAS FLORES VICTER, E.; RODRIGUES, C. K. Crenças em matemática: reflexões sobre a interferência dos diversos contextos na aprendizagem. BRAZILIAN ELECTRONIC JOURNAL OF MATHEMATICS, Uberlândia, v. 2, n. 4, p. 7–29, 2021. DOI: 10.14393/BEJOM-v2-n4-2021-57108. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/BEJOM/article/view/57108. Acesso em: 24 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos - Educação Matemática