Etnomatemática nas práticas laborais da pesca: relato de experiências e memórias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/BEJOM-v1-n1-2020-50257

Palavras-chave:

Conhecimentos laborais de pescadores, Memórias e experiências, Programa Etnomatemática.

Resumo

O presente artigo apresenta relato de experiência elaborado a partir de pesquisa qualitativa envolvendo relato de experiências e entrevistas com pescadores e redeiros da Praia de Provetá, na Ilha Grande - em Angra dos Reis, Rio de Janeiro, região que concentram grande quantidade de caiçaras deste município. A análise das memórias e experiências laborais da pesca, que são passadas de gerações a gerações de pescadores, em uma tentativa de preservar a cultura e a sobrevivência dessa comunidade, nos permitiram verificar uma grande quantidade de conhecimentos que podem ser considerados como matemáticos, imbricados nesses saberes e fazeres. Desde a preparação para a saída da embarcação do porto, a escolha do melhor lugar para lançar a rede, até o seu retorno, quando há o acerto das contas com o proprietário da embarcação e a partilha dos resultados entre a tripulação. Mas, antes mesmo da própria pesca, uma série de outros conhecimentos estão envolvidos e são aplicados nas atividades laborais desta comunidade, por exemplo, na forma de construção e remendo das redes. Como suporte teórico para a identificação e análise desses conhecimentos, utilizamos o Programa Etnomatemática, que nos permitiu verificar o aparecimento de costumes culturais que envolvem práticas de contagem e medições diversas, muitas vezes distantes dos conhecimentos ditos escolares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Martins, Universidade Federal Fluminense

Licenciado em Pedagogia pela Universidade Federal Fluminense.

Adriano Vargas Freitas, Universidade Federal Fluminense

Doutor em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Mestre em Educação pela Universidade Católica de Petrópolis (UCP), Especialista em Ensino de Matemática pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Graduado em Matemática. Professor do Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense (PPGEdu-UFF). Professor do Instituto de Educação de Angra dos Reis (IEAR-UFF). Desenvolve pesquisas relacionadas à Educação Matemática, Formação de Professores e Currículos direcionados a Educação de Jovens e Adultos. Coordenador do Grupo de Pesquisas em Educação de Jovens e Adultos (GPEJA).

Referências

D’ AMBROSIO, Ubiratan. Etomatemática - elo entre as tradições e a modernidade. 5ª edição. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

ESQUINCALHA, A. C. Etnomatemática: um estudo da evolução da ideias. In: VIII Encontro Nacional de Educação Matemática, 2004, Recife. Anais do VIII Encontro Nacional de Educação Matemática, 2004. P. 1-6. Disponível em: ≪https://docplayer.com.br/18693621-Etnomatematica-um-estudo-da-evolucao-das-ideias.html≫. Acesso em: 27 dez. 2019.

FERREIRA, Maria Onete Lopes; MARTON, Silmara Lidia, e SILVA, Dagmar de Mello e. Memórias caiçaras: aproximações preliminares. Cuba: Congresso Universidad, vol IV, n.1, p. 227-239, 2015.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, E.P.U, 1986 99p.

RODRIGUES, William Costa. Metodologia Científica. Editora FAETEC, Paracambi, 2007.

Downloads

Publicado

2020-01-02

Como Citar

MARTINS, G.; FREITAS, A. V. Etnomatemática nas práticas laborais da pesca: relato de experiências e memórias. BRAZILIAN ELECTRONIC JOURNAL OF MATHEMATICS, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 44–55, 2020. DOI: 10.14393/BEJOM-v1-n1-2020-50257. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/BEJOM/article/view/50257. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos - Educação Matemática