Séries Temporais do índice NDVI na Avaliação do Comportamento Sazonal do Aquífero Rio Claro

Conteúdo do artigo principal

Elias Hideo Teramoto
Maria Teresa Benjumea
Roger Dias Gonçalves
Chang Hung Kiang

Resumo

A partir de imagens do infravermelho próximo e da banda do vermelho do sensor OLI do satélite Landsat 8 com resolução espacial de 30 metros e resolução temporal de 16 dias, foram calculados os valores de NDVI do período compreendido entre abril de 2013 e agosto de 2017. A partir dos valores de NDVI calculados foi construída uma série histórica para análise das variações sazonais do NDVI e sua relação com as variações nos índices pluviométricos e com variação do nível d'água do Aquífero Rio Claro. Os pontos onde os valores de NDVI foram amostrados contemplam diferentes combinações de cobertura vegetal e diferentes contextos fisiográficos e de uso e ocupação do solo. Os resultados indicam que as culturas compostas por cana-de-açúcar não possibilitam uma avaliação adequada das variações da disponibilidade de água no solo em razão do controle por irrigação e ciclo de plantio, crescimento e colheita. O NDVI de vegetações esparsas em áreas urbanas é reduzido e apresenta baixas variações pois resulta da influência da mistura de respostas espectrais de outros alvos. Os valores de NDVI das matas ciliares se mantem elevados e apresentam variações temporais pouco expressivas em razão da disponibilidade hídrica nestas regiões e do fácil acesso das raízes à água subterrânea, que se encontram muito rasas nestas porções. As respostas mais representativas quanto às variações da disponibilidade hídrica do solo a partir do NDVI foram expressadas pela mata nativa/reflorestamento em porções topográficas mais elevadas, onde a recarga do aquífero ocorre de maneira mais expressiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
TERAMOTO, E. H.; BENJUMEA, M. T.; GONÇALVES, R. D.; KIANG, C. H. Séries Temporais do índice NDVI na Avaliação do Comportamento Sazonal do Aquífero Rio Claro. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 70, n. 3, p. 1135–1157, 2018. DOI: 10.14393/rbcv70n3-45986. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/45986. Acesso em: 28 maio. 2022.
Seção
Artigos Originais