Escoamento Superficial em uma Pequena Bacia Hidrográfica Rural da Amazônia

Conteúdo do artigo principal

Rodrigo Silvano Silva Rodrigues
Germana Menescal Bittencourt
Lindemberg Lima Fernandes

Resumo

Este trabalho verifica a evolução do uso e cobertura do solo e estima coeficientes de escoamento superficial (C) na microbacia hidrográfica do igarapé da Prata, localizada no município de Capitão Poço/PA. Foram utilizadas imagens do sensor TM/Landsat 5 entre os anos de 1984 a 2010, onde foram classificadas e quantificadas as áreas, com auxílio de software geoprocessamento. De posse da discriminação destas áreas, estimou-se o coeficiente de escoamento superficial sob duas óticas: estimativa empírica por valores tabelados encontrados na literatura considerando tipo de solo, cobertura e declividade; e o cálculo da vazão de escoamento pelo método NRCS, utilizando como base uma equação local de chuvas intensas e valores de Número de Curva (CN) para a discriminação das áreas no ano de 2010. Em uma visão geral, entre o ano de 1984 e 2010, houve redução das áreas de matas (-3,60%) e terras cultivadas (-13,70%), e aumento nas áreas de pastagem (17,30%). Pela estimativa empírica, nos anos analisados a média do C para a microbacia é de 0,425, ou seja, 42,5% do volume de precipitações pluviométricas escoa superficialmente. Pelo método NRCS foram alcançados valores de C em uma faixa de 0,33 a 0,52, dependendo do período de retorno da precipitação local; contudo, para 10 anos de tempo de recorrência, o C foi de 0,42, mostrando que ambas metodologias apresentaram valores próximos. A bacia do igarapé da Prata apresenta boa infiltração, característica de áreas rurais, em função de seu coeficiente de escoamento superficial ser baixo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
RODRIGUES, R. S. S.; BITTENCOURT, G. M.; FERNANDES, L. L. Escoamento Superficial em uma Pequena Bacia Hidrográfica Rural da Amazônia. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 70, n. 2, p. 605–628, 2018. DOI: 10.14393/rbcv70n2-45400. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/45400. Acesso em: 21 maio. 2022.
Seção
Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)