Pesquisas sobre o intérprete educacional (Libras-Português)

Um panorama nacional a partir de revisão sistemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v37n2-2021-24

Palavras-chave:

Língua de sinais, Surdez, Inclusão escolar, Tradução, Revisão sistemática

Resumo

RESUMO: Este trabalho consiste em uma revisão sistemática com meta-análise de estudos investigando a inclusão escolar com a presença de intérpretes educacionais de Libras e português. Desta forma, espera-se contribuir com a construção de um panorama de pesquisas no Brasil. Para o alcance dos objetivos, uma busca sistemática na literatura foi realizada nas bases de dados Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD), desde 1999, veiculado à base, até junho de 2018 em estudos originais de universidades brasileiras. Como resultado, este estudo sintetizou dados de 300 estudos que preencheram os critérios de inclusão. A caracterização das pesquisas evidenciou suas contribuições para a compreensão dos papeis dos intérpretes que atuam na escola junto aos alunos surdos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neiva Albres, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora. Doutorado em Educação Especial (UFSCar).

Rosangela Gavioli Prieto, Universidade de São Paulo

Doutorado em Educação.

Referências

ALBRES, N. de A.; NASCIMENTO, M. V. B. Currículo, ensino e didática em questão: dimensões da formação de tradutores/intérpretes de língua de sinais. Caderno de Letras, n.22, jan.-jul. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/cadernodeletras/article/view/4563. Acesso em: 21 jan. 2022.

ALBRES, N. de A.; LACERDA, C. B. F. Interpretação educacional como campo de pesquisa: estudo bibliométrico de publicações internacionais e suas marcas no campo nacional. Cadernos de Tradução, v. 1, p. 179-204, 2013. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2013v1n31p179.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de educação Especial. Resolução n° 2/2001. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Brasília: MEC/SEESP, 2001.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf>. Acesso em: abr. 2015.

BRASIL. Decreto nº 7.612/2011. Institui o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência - Plano Viver sem Limite. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7612.htm. Acesso em: 21 jan. 2022.

AGUIAR DOS SANTOS, S. Tradução/Interpretação de língua de sinais no Brasil: uma análise das teses e dissertações de 1990 a 2010, 2013. 313 f. Tese Doutorado (Estudos da Tradução) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013. Disponível em:<https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/122677. Acesso em: 21 jan. 2022.

AGUIAR, O. B. Abordagens teóricas da tradução. Goiânia: Ed. da UFG, 2000.

HOLMES, J. S. The name and nature of translation studies. In: HOLMES, J. S. Translated. Papers on literary translation and translation studies. Amsterdam: Rodopi. [1972] 1988. p. 67-80. DOI: https://doi.org/10.1163/9789004486669_008.

HURTADO ALBIR, A. A aquisição da competência tradutória: aspectos teóricos e didáticos. In: ALVES, F., MAGALHÃES, C., PAGANO, A. (Org.). Competência em Tradução: cognição e discurso. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005. p. 19-58.

KELMAN, C. A. O intérprete educacional: quem é? O que faz? In: ALMEIDA , M. A. et al. (Org.). Temas em educação especial: deficiências sensoriais e deficiência mental. Araraquara, SP: Junqueira e Marin editores, 2008. p. 71-79.

LACERDA, C. B. F. O Intérprete educacional de língua de sinais no Ensino Fundamental: refletindo sobre limites e possibilidades. In: LODI, A. C. B.; HARRISON, K. M. P.; CAMPOS, S. R. L. e TESKE, O. (Org. ). Letramento e minorias. Editora Mediação, Porto Alegre, 2002. p. 120-128.

LACERDA, C. B. F. Tradutores e intérpretes de Língua Brasileira de Sinais: formação e atuação nos espaços educacionais inclusivos. 2010. Cadernos de Educação, Pelotas, v. 36, p. 133-153, maio-ago. 2010. Disponível em: http://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/caduc/article/viewFile/1604/1487. Acesso em: 21 jan. 2022.

LODI, A C. B. Educação bilíngue para surdos e inclusão segundo a Política Nacional de Educação Especial e o Decreto nº 5.626/05. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 49-63, mar. 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022013000100004

METZGER, M. Os destaques das pesquisas sobre interpretação de língua de sinais no contexto acadêmico da interpretação comunitária. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 2, n. 26, p. 13-61, out. 2010. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2010v2n26p13.

NASCIMENTO, M. V. B.; BEZERRA, T. C.; ALBRES, N. de A.; SANTIAGO, V. de A. A. Formação de intérpretes educacionais de libras: entre concepções e propostas de curso de extensão universitária. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL - CBEE, São Carlos, 2012. Anais... São Carlos: UFSCar, 2012.

PEREIRA, M. C. P. Produções acadêmicas sobre interpretação de língua de sinais: dissertações e teses como vestígios históricos. Cadernos de Tradução, v. 1, n. 26, p. 99-117, 2010. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2010v2n26p99.

PÖCHHACKER, F. The role of theory in simultaneous interpreting. In: DOLLERUP, C.; LINDEGAARD, A. (Ed.). Teaching translation and interpreting: training, talent and experience. Amsterdam: Benjamins, 1992. p. 211-220. DOI: https://doi.org/10.1075/z.56.33poc

QUADROS, R. M. de. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Brasília: MEC; SEESP, 2004.

QUADROS, R. M. de. Políticas linguísticas e educação de surdos em Santa Catarina: espaço de negociações. Cad. Cedes, Campinas, v. 26, n. 69, p. 141-161, maio-ago. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-32622006000200003.

RODRIGUES, C. H.; BEER, H. OS estudos da tradução e da interpretação de línguas de sinais: novo campo disciplinar emergente? Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 35, n. especial 2, p. 17-45, jul.-dez. 2015. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2015v35nesp2p17.

SANTOS, L. F. do; LACERDA, C. B. F. de. Atuação do intérprete educacional: parceria com professores e autoria. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v .35, n. especial 2, p. 505-533, jul.-dez. 2015. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2015v35nesp2p505.

VASCONCELLOS, M. L. Tradução e interpretação de língua de sinais (TILS) na pós-graduação: a afiliação ao campo disciplinar “estudos da tradução”. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 2, n. 26, p. 119-143, 2010. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2010v2n26p119.

WILLIAMS, J.; CHESTERMAN. A. The Map: a beginner’s guide to doing research in Translation Studies, Manchester: St. Jerome Publishing, 2002.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

ALBRES, N.; PRIETO, R. G. Pesquisas sobre o intérprete educacional (Libras-Português): Um panorama nacional a partir de revisão sistemática. Letras & Letras, [S. l.], v. 37, n. 2, p. 483–503, 2021. DOI: 10.14393/LL63-v37n2-2021-24. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/57604. Acesso em: 18 ago. 2022.